OFERTA FORMATIVA

Ref. 13802 I T35 Adiada

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-110071/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 17-12-2022

Fim: 23-12-2022

Regime: Presencial

Local: A. E. Idanha a Nova/Ribeiro Sanches

Destinatários

Professores do 1º Ciclo; Professores do 2º Ciclo; Professores do 3º Ciclo/Ensino Secundário; Professores da Educação Especial;

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE AltoTejo

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 2) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de competências digitais dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 2 (B1/B2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (C1/C2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento, aprofundamento e densificação das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes para a implementação de atividades que promovam a aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos; - estimular a reflexão, partilha e utilização crítica das tecnologias em contexto educativo.

Conteúdos

Os conteúdos da ação surgem, em sentido articulado e incremental, com os conteúdos da formação de nível 1. - Documentos de enquadramento das políticas educativas. - Envolvimento profissional: Discussão, renovação e inovação na prática profissional. Processos de liderança na era digital. - Recursos Educativos Digitais (RED): Utilização de estratégias e RED avançados de forma abrangente. Promoção da utilização de RED de forma colaborativa. - Ensino e Aprendizagem: Renovação da prática de ensino de forma estratégica e intencional. Inovação no processo de ensino e de aprendizagem em diferentes modalidades de ensino. - Avaliação das aprendizagens: Reflexão crítica sobre estratégias de avaliação digital. Inovação na avaliação das aprendizagens com recursos a soluções digitais. - CD dos Alunos: Promoção da CD dos alunos de forma abrangente e crítica. Inovação no envolvimento dos alunos utilizando formatos inovadores para promover a sua CD. - Planeamento da formação e aprendizagem ao longo da vida.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Trabalho Autónomo: Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm; Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN; Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora.; Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_E; Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME.




194

Ref. 160CFAE01/22.23 A decorrer

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-112567/21

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 10-09-2022

Fim: 08-10-2022

Regime: Presencial

Local: Proença a Nova

Formador

João Paulo Ramos Ramalho

Destinatários

Grupos de recrutamento 260 e 620

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Grupos de recrutamento 260 e 620. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. De acordo com o artigo 15.º da Portaria n.º 192-A/2015, de 29 de junho, esta ação de formação releva para a progressão da carreira dos professores bibliotecários, incluindo-se na dimensão científica e pedagógica.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

APEFCB/CFAE AltoTejo

Razões

O contacto com a natureza revela trazer benefícios para a saúde, tais como a capacidade de recuperação dos níveis de concentração ouaté mesmo para contrariar os comportamentos sedentários trazidos pelas tecnologias não móveis (ex.: consolas de jogos,computadores, entre outros). Neste momento podemos encontrar, em Portugal, percursos pedestres balizados, sinalizados e com standards de segurança, que nospermitem caminhar e simultaneamente estar em contacto com a natureza sem perturbar o ambiente circundante Cria-se assim umaalternativa a exercícios físicos mais complexos, e seguros para qualquer um. O pedestrianismo é, pois, a actividade desportiva, turísticae ambiental que consiste em percorrer percursos a pé ao longo de caminhos e trilhos, preferencialmente tradicionais ou históricos, nanatureza ou em meio urbano. Ao contrário de outras actividades de ar livre, a prática de pedestrianismo não envolve grandesdificuldades técnicas

Objetivos

• Apreender os conceitos base do pedestrianismo. • Estabelecer redes de cooperação, estimulando o trabalho colaborativo entre docentes de vários estabelecimentos de ensino. • Desenvolver práticas inovadoras de desenvolvimento da educação física, tendo por base as atividades de exploração da natureza e emparticular o pedestrianismo, dinamizadas fundamentalmente através de atividades de grupo no exterior. • Sintetizar normas que viabilizem a execução dos percursos, com manutenção da segurança e do respeito pelo meio ambiente. • Selecionar/utilizar as aplicações existentes para dispositivos móveis. • Orientar-se no espaço, recorrendo ao GPS. • Dominar os conceitos base de ORIENTAÇÃO • Interpretar a legislação e regulamentação específica da atividade. • Reconhecer e analisar as exigências técnicas, físicas e psicológicas predomiinantes da modalidade

Conteúdos

SESSÕES TEÓRICAS (4 horas) • Sessão nº 1 (4 horas) – Apresentação dos formadores. Apresentação do Curso de Formação. • Caraterização generalizada das atividades de exploração da natureza, com ênfase no pedestrianismo. • Reflexão sobre os contributos destas atividades (e da sua abordagem), para o desenvolvimento global do aluno, bem como asinterligações possíveis com as restantes disciplinas curriculares. • A didática e a pedagogia, “sempre de mão dada”, no ensino das atividades de exploração da natureza. SESSÕES PRÁTICAS (21 horas) – 3 Percursos de Pequena Rota • Sessão Nº 2 – PR 15 – Viagem à Pré-História – Arouca Geopark • Sessão Nº 3 – PR 1 – Rota dos Rios e das Levadas – Vila Chã, Oliveira de Frades • Sessão Nº 4 - PR2 - Um Olhar Sobre o Mundo Rural – Carvalhal de Vermilhas e Vouzela No início de todas as sessões práticas será feito o enquadramento de âmbito

Metodologias

A ação terá um carácter maioritariamente prático, realizado em meio ambiente natural, aproveitando os diferentes tipos de percurso depequena rota (PR), nomeadamente os de âmbito paisagístico, natural e histórico. Será composta por 4 sessões, em que a primeira, de 4 horas, será teórica. As restantes serão eminentemente práticas, e terão o seguinte “programa tipo” 1. Viagem até ao local 2. Breefing sobre os assuntos relativos ao PR em causa, nomeadamente: Enquadramento natural/geológico/histórico e social – entrega de desdobrável 3. Realização da 1º parte do percurso 4. Pausa para almoço 5. Realização da 2ª parte do percurso 6. Final do percurso – reflexão sobre a atividade.

Avaliação

Os formandos serão avaliados na escala de 1 a 10, de acordo com o despacho nº 4595/2015, do Secretário de Estado do Ensino e daAdministração Escolar. A avaliação dos formandos depende da frequência mínima de 2/3 das horas de formação presencial.

Modelo

Critérios de avaliação: Empenho e participação nas sessões – 60% Realização e apresentação de um trabalho individual de reflexão sobre a formação vivenciada – 40%

Bibliografia

Programas de Educação Física (ensino básico e ensino secundário)(2001) . Direção Geral da Educação. Tovar, Z. (2010)Carvalho, P. (2010). Pedestrianismo e percursos pedestres. Cadernos de Geografia, Nº 28/29. Centro de estudos degeografia e ordenamento do território. Carvalho, P. (2010). Pedestrianismo



Ref. 14001B I T1 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-106822/19

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 28-04-2022

Fim: 12-07-2022

Regime: Presencial

Local: Castelo Branco

Formador

Joaquim José Manteigas Picado

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE AltoTejo

Razões

A avaliação pedagógica tem assumido uma centralidade inegável nas políticas educativas e curriculares, com efeitos concretos nas práticas de ensino e aprendizagem, designadamente na promoção do “sucesso escolar”. A publicação do Decreto-Lei nº 55/2018, de 6 de julho, consagra mudanças significativas ao nível do currículo, assumindo um dos seus princípios orientadores: a “afirmação da avaliação das aprendizagens como parte integrante da gestão do currículo enquanto instrumento ao serviço do ensino e das aprendizagens”. Refere ainda o caráter formativo da avaliação pedagógica como um dos pilares da melhoria da qualidade do ensino e da aprendizagem. Importa, pois, que os professores consolidem estas mudanças de modo contextualizado e que aprofundem competências e conhecimentos inerentes ao processo de avaliação das aprendizagens, nomeadamente, através de desenvolvimento de projetos pedagógicos e didáticos em torno de práticas de avaliação formativa, feedback e participação, critérios de avaliação e processos de recolha de informação. Deste modo, visa-se capacitar e apoiar os docentes para a construção dos recursos inovadores necessários e ajustados aos seus contextos educativos específicos, promovendo-se ainda a implementação e análise dos mesmos, tendo em vista o seu aperfeiçoamento ou reformulação.

Objetivos

- Contribuir para o desenvolvimento de competências e conhecimentos no domínio da avaliação, em geral, e da avaliação pedagógica, em particular, congruentes com o real conteúdo das orientações constantes nos documentos legais; - Promover práticas de trabalho colaborativo e cooperativo na construção e desenvolvimento de projetos de avaliação pedagógica em contexto de sala de aula; - Elaborar recursos educativos de suporte ao desenvolvimento dos projetos de avaliação pedagógica; - Permitir a troca de materiais e experiências, o esclarecimento de dúvidas e a geração de ideias e projetos de natureza pedagógica e didática; - Incrementar práticas de formação de natureza investigativa que confiram competências aos professores para lidar com a mudança e a inovação no âmbito da avaliação pedagógica.

Conteúdos

1. Enquadramento curricular: documentos de referência – 3 horas; 2. Natureza e Fundamentos da Avaliação - 1 hora; 3. Avaliação formativa e avaliação sumativa - 4 horas; 4. Feedback: natureza, distribuição e utilização por alunos e professores- 4 horas; 5.Aprendizagens Essenciais, Critérios de avaliação, Descritores de Níveis de Desempenho e de Standards. - 4 horas; 6. Processos de recolha de informação - 4 horas; 7. Apresentação, discussão e avaliação dos projetos e materiais desenvolvidos no âmbito da oficina - 5 horas.

Metodologias

sessões presenciais Neste âmbito, os formandos desenvolverão trabalho colaborativo e cooperativo, com o devido enquadramento teórico, em torno da construção de projetos e de materiais para a respetiva implementação em contexto real de aprendizagem, assim como a reflexão crítica, a par e passo, sobre os resultados obtidos e as mudanças que deverão ser adotadas. Sessões autónomas Estas sessões serão realizadas em contexto real de aprendizagem com o desenvolvimento e a aplicação dos projetos pedagógicos e didáticos, assim como dos materiais elaborados numa lógica de investigação-ação, sendo criada uma comunidade de prática.

Avaliação

De acordo com o RJFCP – Decreto-Lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro - e nos termos dos nºs 5 e 6, do artigo 4.º do Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio, valorizando-se uma lógica formativa e de acompanhamento. Assim, a avaliação dos formandos terá incidência: (1) Na participação e no trabalho contínuo realizado ao longo das sessões presenciais; (2) Na componente de trabalho individual, tendo em conta a qualidade dos projetos e materiais produzidos e apresentados em plenário.

Modelo

Assim, a avaliação dos formandos terá incidência: (1) Na participação e no trabalho contínuo realizado ao longo das sessões presenciais; (2) Na componente de trabalho individual, tendo em conta a qualidade dos projetos e materiais produzidos e apresentados em plenário.

Bibliografia

Brookhardt, S. (2013). How to create rubrics for formative assessment and grading. ASCD: Alexandria, Virginia. Brookhardt, S. (2008). How to give effective feedback to your students. ASCD: Alexandria, Virginia. Fernandes, D. (2011). Articulação da aprendizagem, da avaliação e do ensino: Questões teóricas, práticas e metodológicas. J. M. DeKetele & M. P. Alves (Orgs.), Do currículo à avaliação, da avaliação ao currículo, pp. 131-142. Porto: Porto Editora. [http://repositorio.ul.pt/handle/10451/6988] Fernandes, D. (2004). Avaliação das aprendizagens: Uma agenda, muitos desafios. Cacém: Texto Editores. [http://repositorio.ul.pt/handle/10451/5509]


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 28-04-2022 (Quinta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
2 10-05-2022 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
3 24-05-2022 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
4 31-05-2022 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
5 07-06-2022 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
6 21-06-2022 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
7 05-07-2022 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
8 12-07-2022 (Terça-feira) 18:00 - 22:00 4:00 Online síncrona

Ref. 16101I 22.23 I Concluída

Registo de acreditação: 01 I 22.23 I CFAE AltoTejo

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 13-09-2022

Fim: 13-09-2022

Regime: e-learning

Local: Online - Plataforma MS Teams

Formador

Carla Manuela Henriques Roque Nunes

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

A. E. Afonso de Paiva

Conteúdos

1. Introdução ao MS Teams: a) Equipas/ Turmas (normas de conduta, criação e definições das equipas); b) Reuniões – Principais funcionalidades (conversas, videoconferência, chamada, notas ...); c) Separadores (identificação, criação e definições): d) Publicações (anúncios, conversas, respostas…); e) Ficheiros (pasta material de aula, pastas e sincronização com Sharepoint, edição de documentos online); f) Home Page (site…); g) Bloco de Notas Escolares; h) Tarefas (criação, agendamento, reutilização; Progress Reading;…); i) Avaliações (rubricas…); j) Reflect (SEL); k) Insights (monitorização); l) Canais (adicionar canais/ membros e definições e funcionalidades dos canais, …); m) Calendário (Agendamento de uma reunião e opções da reunião, …);


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 13-09-2022 (Terça-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona

Ref. 12803CFAE21.22/T2 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-110621/21

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 15.0 horas

Início: 28-03-2022

Fim: 28-04-2022

Regime: Presencial

Local: CFAE Altotejo

Formador

Joaquim José Manteigas Picado

Destinatários

Educadores de Infância; Professores do 1º Ciclo; Professores do 2º Ciclo; Professores do 3º Ciclo/Ensino Secundário; Professores da Educação Especial;

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância; Professores do 1º Ciclo; Professores do 2º Ciclo; Professores do 3º Ciclo/Ensino Secundário; Professores da Educação Especial;. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 17 de fevereiro, a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE AltoTejo

Razões

De acordo com o estabelecido no Estatuto da Carreira Docente, na redação que lhe é conferida pelo Decreto-Lei n.º 41/2012, de 21 de fevereiro, a avaliação do desempenho do pessoal docente visa a melhoria da qualidade do serviço educativo e da aprendizagem dos alunos, bem como o desenvolvimento pessoal e profissional dos docentes. O sistema de avaliação instituído pelo Decreto Regulamentar n.º 26/2012, de 21 de fevereiro, introduziu alterações face aos sistemas anteriores, designadamente quanto à simplificação de procedimentos, à promoção de ciclos mais longos de avaliação e à introdução de uma dimensão externa centrada na observação de aulas.

Objetivos

Melhorar a qualificação dos avaliadores externos no âmbito do processo de avaliação externa do desempenho docente; Proporcionar uma leitura reflexiva e convergente do quadro normativo da avaliação externa do desempenho docente; Promover o desenvolvimento de competências de avaliação externa no âmbito do quadro nacional de referência; Desenvolver competências no âmbito da observação de aulas, designadamente na aplicação de instrumentos de registo e utilização dos parâmetros nacionais de avaliação externa; Explicitar o processo de classificação no âmbito da avaliação externa, tendo em conta a articulação entre os instrumentos de registo da observação de aulas e os parâmetros nacionais da dimensão científica e pedagógica; Promover o trabalho colaborativo e a partilha de experiências entre avaliadores externos.

Conteúdos

Quadro normativo da avaliação do desempenho docente: uma perspetiva global e integrada – 2 horas Princípios orientadores Componentes da avaliação de desempenho docente Dimensões da avaliação Elementos de referência (componente interna e componente externa) Intervenientes e respetiva articulação Procedimentos de avaliação: projeto docente, observação de aulas e autoavaliação A componente externa da avaliação do desempenho docente: orientações e procedimentos – 1 hora Competências do avaliador externo Observação de aulas Instrumentos de apoio: guião de observação, parâmetros e níveis de desempenho Procedimentos: preparação, observação, autoavaliação e classificação. Intervenção do avaliador externo – 12 horas Ética e deontologia na avaliação do desempenho docente – 1 hora Quadro ético-deontológico da profissionalidade docente Princípios gerais da avaliação de desempenho Relação avaliador-avaliado: deveres mútuos. Referencial de avaliação externa: parâmetros nacionais da avaliação da componente científica e pedagógica – 2 horas Os quadros de referência na avaliação da prática profissional O quadro de referência da avaliação externa: parâmetros e níveis de desempenho Lógica de operacionalização do quadro de referência da avaliação externa Observação de aulas: instrumentos, intervenientes e técnicas – 6 horas Componentes da observação: interação observador-observado, postura do observador, métodos de observação, objeto de observação e instrumentos de observação Observação de aulas no atual regime de avaliação de desempenho docente: quadro de referência, frequência, duração, metodologia e instrumentos de registo. Objetividade e subjetividade da observação de aulas Observação, colaboração e reflexão Avaliação e classificação – 3 horas Avaliação do desempenho docente: articulação entre o referido (instrumentos de registo) e o referente (parâmetros e níveis de desempenho) Análise e interpretação dos instrumentos de registo em função do referencial de avaliação Operacionalização da classificação: relação entre os parâmetros e os níveis de desempenho

Metodologias

Metodologia teórico-prática combinando momentos de exposição de conteúdos com reflexão participada a partir de tarefas realizadas individualmente ou em grupo. Na componente teórica 1 metodologia mais expositiva centrada na transmissão de conteúdos de referência e estruturantes e a leitura orientada de textos de natureza científica e normativa. As exposições teóricas far-se-ão com o recurso a suportes audiovisuais e a textos previamente selecionados mas assumindo 1 metodologia dialógica e interação permanente entre formador e formandos. Na componente prática 1 dinâmica mais ativa centrada na discussão partilha e reflexão entre os formandos através de discussão em pequeno grupo ou em pares sobre os conteúdos e materiais selecionados incutindo interações reflexivas no contexto da formação aplicação de instrumentos de registos em situações de simulação suscitando a avaliação mútua entre pares elaboração e apresentação de materiais documentos e instrumentos reformulados ou produzidos em trabalho de grupo. Cada sessão de formação será enquadrada por 1 guião de trabalho que contribuirá para promover a harmonização das metodologias nas diversas turmas.

Avaliação

O resultado da avaliação dos formandos será expresso quantitativamente, na escala de 1 a 10, e qualitativamente, de acordo com a seguinte formulação: 1 a 4,9 Insuficiente; 5 a 6,4 Regular; 6,5 a 7,9 Bom 8 a 8,9 Muito Bom 9 a 10 Excelente

Modelo

Trabalhos realizados ao longo das sessões Relatório final por parte dos formandos Pelos formandos: Resposta a inquérito elaborado para o efeito; Pelos formadores; Resposta a inquérito elaborado para o efeito. Relatório Critico do Formador

Bibliografia

Alves, M. P. & Machado, E. A. (2010). O pólo de excelência. Caminhos para a avaliação do desempenho docente. Porto: Areal Editores. Day, C. (1999). Avaliação do desenvolvimento profissional dos professores. In A. Estrela, & A. Nóvoa, Avaliação em educação: novas perspectivas (pp. 95-114). Porto: Porto Editora. Estrela, A (1994). Teoria e prática de observação de classes: Uma estratégia de formação de professores. Porto: Porto Editora. Machado, E. A., Alves, M. P., & Ribeiro Gonçalves, F. (2011). Observar e avaliar práticas docentes. Santo Tirso: De Facto Editores. Reis, P. (2011). Observação de aulas e avaliação do desempenho docente. Cadernos do CCAP-2. Ministério de Educação: CCAP.


Observações

Despacho n.º 2053/2021 - Releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente dos docentes pertencentes à bolsa de avaliadores externos do CFAE AltoTejo.