OFERTA FORMATIVA

Ref. 17304/T1 Inscrições abertas até 12-12-2022

Registo de acreditação: ACD12I22.23ICFAEAltoTejo-04IPOCH 000053

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 13-12-2022

Fim: 14-12-2022

Regime: e-learning

Local: Plataforma Digital_a disponibilizar acesso oportunamente

Formador

Joaquim José Manteigas Picado

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Associação de Escolas AltoTejo

Razões

A avaliação, a aprendizagem e o ensino são três processos pedagógicos incontornáveis e fundamentais que devem ser devidamente compreendidos por todos os intervenientes nos sistemas educativos (e.g., docentes, gestores escolares, decisores políticos, encarregados de educação). A avaliação, em qualquer nível de ensino, só fará real sentido se estiver fortemente articulada, ou mesmo integrada, com o ensino e com a aprendizagem. (…). A avaliação não pode nem deve ser encarada como um processo isolado ou desligado do currículo e do desenvolvimento curricular. Nestes termos, as conceções e práticas de avaliação estão intimamente associadas às conceções curriculares e, concomitantemente, às conceções que se sustentam acerca do ensino e da aprendizagem. Isto significa que o entendimento que temos sobre a educação em geral e sobre o papel das escolas, assim como as nossas ideias sobre a aprendizagem e o ensino, influenciam fortemente o que pensamos acerca da avaliação das aprendizagens e das suas práticas. Estas são ideias que deverão orientar as tomadas de decisão a qualquer nível dos sistemas educativos, desde o nível político, passando pelo nível da administração da educação, até ao nível pedagógico no contexto das escolas e das salas de aula. No contexto de mudanças significativas ao nível da gestão do currículo, e face à necessidade de apoiar os professores e as escolas no processo de melhoria das práticas de avaliação pedagógica, foi definido o Projeto MAIA que visa contribuir para um incremento das competências e conhecimentos inerentes ao processo de avaliação das aprendizagens por parte dos professores e apoiar e acompanhar as escolas no desenvolvimento de projetos pedagógicos e didáticos em torno de práticas de avaliação formativa, feedback e participação, critérios de avaliação e processos de recolha de informação.

Objetivos

- Compreender a natureza, os processos e as finalidades do Projeto MAIA; - Explicitar os princípios e fundamentos da avaliação pedagógica; - Justificar a importância da avaliação pedagógica para a melhoria das a aprendizagens dos alunos; - Contribuir para a literacia no âmbito da avaliação das aprendizagens.

Conteúdos

1. Objetivos, organização e relevância do Projeto MAIA - 1h; 2. Natureza e fundamentos da avaliação– 1h; 3. Processos de avaliação pedagógica – 4h: 3.1. Práticas de avaliação pedagógica (formativa e sumativa); 3.2. Feedback: natureza, distribuição e utilização pelos alunos e professores; 3.3. Aprendizagens Essenciais, critérios de avaliação, descrição de níveis de desempenho e Standards; 3.4. Processos de recolha de informação

Metodologias

Sugere-se a adoção de uma dinâmica reflexiva e interativa, através da qual seja possível potenciar diversas perspetivas e as diferentes experiências. Sendo certo que os AE/ENA estarão em fases diferentes, importa dar tempo e voz para a partilha das diversas experiências. O recurso aos materiais deve servir para apoiar e ilustrar o percurso temático proposto, sem nenhum carácter exaustivo e/ou meramente expositivo. As folhas do Projeto MAIA dispõem de diversas atividades de formação que podem ser adotadas neste contexto e com as devidas adaptações.


Observações

A ação só será desenvolvida com pelo menos 20 formandos.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 13-12-2022 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
2 14-12-2022 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona

INSCREVER-ME

256

Ref. 169ACD 09 I T01 Inscrições abertas até 09-12-2022

Registo de acreditação: ACD09 I 22.23 I CFAE AltoTejo

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 15-12-2022

Fim: 15-12-2022

Regime: e-learning

Local: Sala Virtual via plataforma Digital: Zoom Colibri FCT – Vi

Formador

Ernesto Martins

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Conteúdos

A relação escola-família na inclusão e sucesso escolar; O envolvimento parental dos pais com a escola e bem-estar das crianças/jovens; A mediação socioeducativa na promoção de uma cultura de convivência escolar; Mediação cultural e animação; Mediação Positiva de Conflitos Escolares como estratégia de promoção do sucesso escolar.


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 15-12-2022 (Quinta-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona

INSCREVER-ME

Ref. 176ACD14/T1 Inscrições abertas até 06-01-2023

Registo de acreditação: ACD14 I 22.23 I CFAE AltoTejo

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 18-01-2023

Fim: 25-01-2023

Regime: b-learning

Local: Amato Lusitano e Plataforma Digital

Formador

Deolinda Maria Adónis Barata

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

A. E. Amato Lusitano

Objetivos

- Utilização da comunicação aumentativa em contexto escolar; - Sistemas aumentativos e alternativos de comunicação: o que são, vantagens e desvantagens; - Apresentação do Software Verbo; - Desenvolvimento de tabelas de comunicação na ferramenta apresentada.


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 18-01-2023 (Quarta-feira) 16:30 - 19:30 3:00 Online síncrona
2 25-01-2023 (Quarta-feira) 15:30 - 18:30 3:00 Presencial

INSCREVER-ME

Ref. 177ACD 05/T1 Inscrições abertas até 27-01-2023

Registo de acreditação: ACD05 I 22.23 I CFAE AltoTejo

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 31-01-2023

Fim: 31-01-2023

Regime: e-learning

Local: Plataforma Digital_a disponibilizar acesso oportunamente

Formador

Carla Manuela Henriques Roque Nunes

Destinatários

Educadores e professores do Agrupamento de escolas Afonso de Paiva

Releva

Despacho n.º 5741/2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

A. E. Afonso de Paiva

Objetivos

1. MS Forms: a) Modelos; temas; pastas; b) Tipos de questões; secções e ramificações; avaliação; e) Definições; opções de partilha. 2. Questões, dúvidas e esclarecimentos.


Observações

Adiamento do desenvolvimento da ação.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 06-12-2022 (Terça-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona

INSCREVER-ME

Ref. 18301/T01MTI2223 A decorrer

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-118257/22

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 18.0 horas

Início: 05-12-2022

Fim: 21-12-2022

Regime: e-learning

Local: plataforma digital a disponibilizar

Formador

Bruna Tapada

Ana Margarida Pacheco Teixeira

Destinatários

Educadores de Infância e Professores do Ensino Básico e Professores de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores do Ensino Básico e Professores de Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Associação Igualdade.pt e Centro de Formação Associação de Escolas AltoTejo

Razões

Esta ação de formação é a segunda de um conjunto de 3 ações, de 18 horas cada, dinamizadas com o intuito de trabalhar com o pessoal docente as temáticas da igualdade, da não discriminação, da não violência e da promoção dos direitos humanos. Estas ações de formação serão realizadas no âmbito do projeto menin@s – igualdade e não violência, projeto que tem como desígnios as mesmas áreas temáticas da formação proposta. Visto esta ação de formação estar inserida no conjunto de atividades do projeto menin@s – igualdade e não violência, será dada prioridade ao pessoal docente do pré-escolar e 1º ciclo do ensino básico dos 8 agrupamentos de escolas que participam no projeto(Alcanena, Artur Gonçalves em Torres Novas, Constância, Ferreira do Zêzere, Ourém, Sardoal, Vila Nova da Barquinha e Vila de Rei).

Objetivos

● Promover a visão transversal e integrada do pessoal docente sobre as temáticas da Violência de Género ● Promover a importância da sensibilização, prevenção e educação para a Violência de Género ● Potenciar o conhecimento e a aquisição de competências acerca das temáticas da Violência de Género Objetivos Específicos: ● Adquirir e aprofundar competências na área da Violência de Género ● Refletir sobre as diferentes temáticas da Violência de Género ● Colmatar e identificar as principais dificuldades sentidas pelo pessoal docente quanto à prevenção e combate à violência de géneronas suas práticas ● Ampliar a compreensão do impacto da introdução de mudanças nas práticas profissionais com vista a uma intervenção que promova um contexto mais igualitário e menos violento

Conteúdos

1. Enquadramento Geral – 2h 1.1. Conceptualizar violência doméstica e violência de género 1.2. Enquadramento histórico e cultural das questões da violência doméstica e da violência de género 1.3. Definição e formas de violência doméstica 1.4. Perspetivas explicativas da violência doméstica 2. Dinâmicas e processos associados à Violência Doméstica – 2h 2.1. Ciclo da violência 2.2. Poder e Controlo 2.3. Razões para a manutenção da relação abusiva 3. Dados epidemiológicos, incidência e prevalência – 2h 4. A lei e o combate à violência doméstica – 2h 5. Violência doméstica: princípios da intervenção – 6h 5.1 Princípios orientadores do modelo em crise 5.2 Avaliação e Gestão de Risco 5.3 Planos de Segurança Pessoal 5.4 Trabalho em rede 5.5 Role play 6. Contributo da escola em situações de violência doméstica: intervenção/prevenção- 4h

Metodologias

Recurso essencialmente a metodologias participativas; Uso da metodologia expositiva apenas para sistematizar, no final, os conteúdos essenciais abordados na atividade participativa dinamizada sobre determinado tema do programa.

Avaliação

Ponderação dos elementos de avaliação: 20% Participação ativa nas atividades; 50% Trabalhos realizados ao longo das sessões; 30% Trabalho final escrito. As classificações finais serão de 1 a 10, sendo 1 mau e 10 excelente.

Bibliografia

“Estratégia Nacional de Educação para a Cidadania” (2017). XXI Governo Constitucional “Guiões de Educação: Género e Cidadania”, Comissão Cidadania e Igualdade de género Estratégias Nacionais e Internacionais de promoção dos Direitos das Mulheres, Igualdade de Género, Não-Discriminação e Não-Violência Manuais de educação não formal para a igualdade de género, não discriminação, promoção de direitos humanos “Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória” (2017). Despacho n.º 6478/2017, 26 de julho. Ministério da Educação


Observações

Apenas para os docentes em exercício de funções nos Agrupamentos dos concelhos pertencentes à comunidade intermunicipal do medio tejo e associados do CFAE AltoTejo.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 05-12-2022 (Segunda-feira) 17:00 - 20:00 3:00 Online síncrona
2 07-12-2022 (Quarta-feira) 17:00 - 20:00 3:00 Online síncrona
3 12-12-2022 (Segunda-feira) 17:00 - 20:00 3:00 Online síncrona
4 15-12-2022 (Quinta-feira) 17:00 - 20:00 3:00 Online síncrona
5 19-12-2022 (Segunda-feira) 17:00 - 20:00 3:00 Online síncrona
6 21-12-2022 (Quarta-feira) 17:00 - 20:00 3:00 Online síncrona


276

Ref. 175PND01 I 22.23 A decorrer

Registo de acreditação: DGAE/821/2022

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 15.0 horas

Início: 15-11-2022

Fim: 17-01-2023

Regime: Presencial

Local: Escola sede do Agrupamento de Escolas Afonso de Paiva

Formador

Carla Manuela Henriques Roque Nunes

Destinatários

Pessoal não docente;

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

A. E. Afonso de Paiva

Razões

A escola como organização pressupõe uma coordenação planeada de atividades de uma série de pessoas, de acordo com as funções que desempenham, com vista à consecução de alguns propósitos ou objetivos comuns. Assim, pode explicitamente, através da divisão de tarefas atribuir-se responsabilidades diferentes. As pessoas necessitam de ser tratadas de acordo com as suas características, interesses, dificuldades e isso requer grande disponibilidade psicológica por parte de quem com eles interage. A partilha de uma determinada finalidade terá como objetivo a criação de uma imagem organizacional que se desenvolve em ambiente escolar. A ação terá o objetivo de fornecer informação e trabalhando determinados aspetos relativos à comunicação favorecer processos de mudança através da criação de novas ideias e adoção de diferentes procedimentos os ajudem (formandos) na manutenção da motivação e a uma adaptação ao meio mais satisfatória.

Objetivos

Desenvolver competências no domínio das relações interpessoais; Aprofundar o autoconhecimento e o conhecimento dos outros; Desenvolver competências pessoais e sociais com o objetivo de proporcionar melhorias de vida e também, no desempenho de funções enquadradas no dia-a-dia profissional.

Conteúdos

1. Comunicação – 4 horas (2 teóricas, 2 práticas) O que é comunicar? Podemos não comunicar? A comunicação é fundamental para a sobrevivência do indivíduo? Comunicação: processo estático ou dinâmico? Elementos e tipos de comunicação Objetivos de comunicação A importância da comunicação: comunicação verbal e não verbal 2. Desenvolvimento interpessoal – 4 horas (3 teóricas, 1 práticas) Processo de construção da perceção do mundo pelo sujeito Fatores que influenciam os diferentes tipos de relações interpessoais A autoestima e o autoconceito A motivação (Teoria motivacional de Maslow e de Herzberg) Os estilos de comunicação – 7 horas (2 teóricas, 5 práticas) Estilo passivo Estilo agressivo Estilo manipulador Estilo assertivo (autodeterminação) Análise das tendências comportamentais adotadas e suas implicações nas relações estabelecidas Promoção de atitudes comunicacionais assertivas

Bibliografia

Bothwell, L. (1991). A Arte da Liderança. Lisboa: Editorial Presença Goleman, G. Boyatzis, R.Mckee, A.(2007). Os novos líderes, a Inteligência Emocional nas organizações. Lisboa: Gradiva Publicações Leyens, J.P., (1985). Teorias da personalidade na dinâmica social. Lisboa: Verbo


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 15-11-2022 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
2 29-11-2022 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
3 06-12-2022 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
4 03-01-2023 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
5 17-01-2023 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial

Ref. 13101CFAE22.23/T4 A decorrer

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-118452/22

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 35.0 horas

Início: 09-11-2022

Fim: 19-12-2022

Regime: e-learning

Local: Plataforma Digital a disponibilizar pela Coolabora/CFAE Alto

Formador

Maria Elisa Rosa de Albergaria Seixas

Rosa Maria de Paiva Carreira

Destinatários

Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico e Secundário e Professores de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico e Secundário e Professores de Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

COOLABORA I Comunidade Intermunicipal da Beira Baixa I CFAE AltoTejo

Razões

Os professores são atores-chave estratégicos na mudança social necessária para valores e padrões culturais que promovam aigualdade de oportunidades entre homens e mulheres, pois é através da educação que se podem desconstruir muitos dos estereótiposde género vigentes. A Estratégia Nacional de Educação para a Cidadania introduziu a disciplina “Cidadania e Desenvolvimento” queintegra na sua estrutura curricular o tema da Igualdade de Género, obrigatoriamente abordado nos níveis e ciclos de escolaridade noâmbito desta disciplina. Atualmente já está plenamente implementada e é fundamental reforçar as competências dos docentes paraabordar a temática da igualdade de género nas escolas, fundamental para promover uma sociedade mais justa e igualitária. Esta ação vem reforçar o disposto no Decreto-Lei nº 55/2018 sobre a autonomia e flexibilidade curricular já que nos seus princípiosorientadores se prevê a garantia de uma escola inclusiva, que promove a igualdade e a não discriminação; se reconhece os professoresenquanto agentes principais do desenvolvimento do currículo, com um papel fundamental na sua avaliação, na reflexão sobre as opçõesa tomar, na sua exequibilidade e adequação aos contextos de cada comunidade escolar. Entre as prioridades e opções curriculares estruturantes deste Decreto-Lei reconhece-se a educação para a cidadania como forma depreparar os jovens para uma participação ativa e informada sobre matérias da atualidade.

Objetivos

Objetivo geral: Contribuir para a construção de uma sociedade mais igualitária, onde as pessoas - homens e mulheres - se possam realizar em funçãodas suas potencialidades e aspirações, sem as limitações de estereótipos que estabelecem e condicionam a sua liberdade de escolha ede realização individual. Objetivo específico: Reforçar as competências dos/as educadores/as e professores/as enquanto actores-chave na promoção de uma cultura de igualdade enão discriminação.

Conteúdos

1. A ORDEM SOCIAL DE GÉNERO ‐ 6h a. Conceitos de sexo e de género: descrever e compreender a realidade de homens e de mulheres b. Estereótipos de género e representações sociais de homens e de mulheres c. Papéis sociais de género e organização social d. Relações de género: hierarquias e relações de poder entre mulheres e homens; discriminações sexuais diretas e indiretas; violênciade género 2. GÉNERO, EDUCAÇÃO E CURRÍCULO – 6h a. As diferentes dimensões do currículo (formal, informal, oculto, nulo... Descrição b. Comunicação, linguagem e recursos pedagógicos: (in)visibilidades e estereotipias c. Género, saberes e competências: conhecimento e memória 3. ÁREAS E DIMENSÕES DE INTERVENÇÃO EDUCATIVA –3h a. Género, espaços, ambientes e interações entre os sexos b. Género, corpo, saúde e cuidado 4. GÉNERO E CONHECIMENTO NAS DIFERENTES ÁREAS CURRICULARES/CIENTÍFICAS – 10h 5. EDUCAR PARA A IGUALDADE: DESAFIOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA E DA ORGANIZAÇÃO ESCOLAR – 10h a. Guiões de educação género e cidadania: o caminho da integração curricular coerente e continuada da igualdade entre mulheres ehomens b. Escolhas vocacionais e o desafio da desconstrução dos estereótipos sexistas

Metodologias

Nesta formação, em regime de frequência e-learning, serão abordados os conteúdos recorrendo a metodologias ativas de ensino e deaprendizagem. Será privilegiado o trabalho em pequeno e grande grupo com momentos de reflexão e de discussão restrita e alargada. Ocurso assenta em sessões teóricas. Em cada uma destas sessões serão apresentados os conceitos e princípios fundamentais de cadatemática. Com base na apresentação e discussão destes conceitos e princípios, será promovida a reflexão em grupo. No módulo 5 e com base naexploração dos Guiões de Educação, Género e Cidadania da Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género, será solicitado aos/às formandos/as que concebam propostas estratégicas para melhoria da sua intervenção em matéria de igualdade de género na escola.Ainda neste módulo, cada formando e formanda partilhará com o restante grupo as suas propostas. Elaboração de trabalho/reflexão final individual em função dos interesses e preferências dos formandos.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro,conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de FormaçãoContínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 demaio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho finalindividual elaborado pelos formandos.

Modelo

Avaliação contínua: participação dos formandos, qualidade das intervenções. Avaliação final: Elaboração de trabalho/reflexão final individual em função dos interesses e preferências dos formandos. Permitida avaliação em videoconferência.

Bibliografia

CARDONA, Maria João (coord.) et al. (2015), Guião de Educação. Género e Cidadania. Pré-escolar, Lisboa, CIG CARDONA, Maria João (coord.) et al. (2015), Guião de Educação. Género e Cidadania. 1º ciclo, Lisboa, CIG POMAR, Clarinda (Coord.) et al. (2012), Guião de Educação. Género e Cidadania.2º Ciclo, Lisboa CIG Pinto, Teresa (Coord.) (2015), Guião de Educação. Género e Cidadania. 3º ciclo, Lisboa, 2ª ed., CIG Vieira, Cristina (Coord.) et al. (2017), Conhecimento, Género e Cidadania no ensino secundário, CIG


Observações

Apenas para docentes em exercício de funções nos Agrupamentos de Escolas dos Concelhos pertencentes à Comunidade Intermunicipal da Beira Baixa (Castelo Branco, Idanha a Nova, Penamacor, Proença a Nova, Oleiros e Vila Velha de Ródão). Aguarda-se acreditação do CCPFC no regime e-learning. A ação só será desenvolvida com pelo menos 15 formandos.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 09-11-2022 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
2 14-11-2022 (Segunda-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
3 16-11-2022 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
4 21-11-2022 (Segunda-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
5 23-11-2022 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
6 28-11-2022 (Segunda-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
7 30-11-2022 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
8 05-12-2022 (Segunda-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
9 07-12-2022 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
10 12-12-2022 (Segunda-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
11 14-12-2022 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
12 19-12-2022 (Segunda-feira) 18:00 - 20:00 2:00 Online síncrona

Ref. 16307B/T1.22.23 A decorrer

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-115789/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 05-11-2022

Fim: 27-05-2023

Regime: b-learning

Local: Escola Superior de Educação de Castelo Branco do IPCB

Formador

Paulo José Martins Afonso

Destinatários

Professores do 2º Ciclo_Grupo 230

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do 2º Ciclo_Grupo 230. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do 2º Ciclo_Grupo 230.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Razões

No âmbito do projeto Contexto e Visão para a revisão curricular das Aprendizagens Essenciais em Matemática, em agosto de 2021 foram homologadas as novas Aprendizagens Essenciais de Matemática para o Ensino Básico (Despacho n.º 8209/2021, de 19 de agosto) que entrarão em vigor a partir do ano letivo: a) 2022/2023, no que respeita aos 1.º, 3.º, 5.º e 7.º anos de escolaridade; b) 2023/2024, no que respeita aos 2.º, 4.º, 6.º e 8.º anos de escolaridade; c) 2024/2025, no que respeita ao 9.º ano de escolaridade. Tendo consciência da necessidade de formação dos professores do grupo 230 para a operacionalização destes novos documentos curriculares em Matemática do Ensino Básico procurar-se-á desenvolver uma formação focada em aspetos específicos das novas AE de Matemática para o Ensino Básico, destacando o que de mais significativo e novo existe nestes documentos curriculares.

Objetivos

No final da formação, os professores participantes devem ser capazes de: • Compreender, de forma aprofundada, as orientações curriculares expressas nas novas AE de Matemática para o Ensino Básico, o seu racional e as consequências para o ensino da Matemática; • Estar capacitados com o conhecimento didático e o conhecimento matemático requeridos para o ensino orientado pelas novas AE de Matemática para o Ensino Básico; • Realizar experiências de ensino de Matemática que contemplem a planificação de aulas, a sua concretização e consequente reflexão, em contextos de trabalho colaborativo, tornando-se sensíveis e alertados para os problemas que possam surgir na prática de ensino das novas AE de Matemática para o 2.º ciclo do Ensino Básico.

Conteúdos

Orientações curriculares para o ensino da Matemática no Ensino Básico expressas nas novas AE 2021 (2 sessões de 2,5h cada): - Caracterização das novas AE de Matemática - Articulação entre os temas nas novas AE de Matemática - Reflexos dos princípios nas opções curriculares das novas AE de Matemática Serão propostas tarefas que permitirão trabalhar as novas AE segundo diversos ângulos. Articulação entre diferentes temas matemáticos e capacidades matemáticas transversais, incorporando as capacidades e atitudes gerais transversais (5 sessões de 2,5h cada): - Conteúdos de aprendizagem (conhecimentos, capacidades matemáticas, capacidades e atitudes gerais) que uma dada tarefa preferencialmente pode promover - Análise de produções de alunos - Feedback oral e escrito a fornecer pelo professor - Recursos, em particular tecnológicos, e suas potencialidades Serão propostas tarefas de formação constituídas por tarefas a propor aos alunos, e um conjunto de questões que incidem sobre o ensino da Matemática, a partir das características da tarefa dos alunos, de produções de alunos, de episódios de sala de aula, de notas de campo de aulas realizadas no âmbito da operacionalização destas novas AE. Práticas de ensino promotoras do desenvolvimento integrado de temas matemáticos, capacidades matemáticas transversais e capacidades e atitudes gerais transversais (3 sessões de 2,5h cada): - Planificação (objetivos de aprendizagem, tarefas, formas de as explorar e recursos, em particular ferramentas tecnológicas) - Operacionalização (dinâmica da aula; papel do professor e dos alunos, discussão em grande grupo) - Reflexão (aprendizagens realizadas, dificuldades reveladas pelos alunos e ações do professor, identificação de aspetos a melhorar, causas e aperfeiçoamentos para futuro). A primeira sessão será dedicada ao início da planificação da aula a lecionar, e as duas restantes decorrerão após o término do trabalho autónomo e destinar-se-ão à apresentação e reflexão da intervenção na prática letiva. Para o trabalho autónomo propor-se-á a leitura de textos que sustentem teoricamente algumas ideias chave das orientações curriculares consideradas nos documentos curriculares, assim como a leitura de textos de apoio sobre os temas trabalhados. Prevê-se ainda que o trabalho autónomo incida na conclusão da planificação, na realização da aula e na preparação da apresentação aos restantes formandos desta intervenção na prática letiva.

Metodologias

A periodicidade deverá ser variável: começando de forma mais concentrada, passando a ser mais espaçada a partir de 2/3 da formação. Sessões presenciais (momentos em pequenos e em grande grupo): análise e discussão das orientações curriculares das AE e de textos teóricos que as suportam e apresentação e discussão da intervenção na prática letiva. Sessões síncronas: resolução e discussão de tarefas de formação e planificação e reflexão de uma intervenção na prática. As tarefas de formação a propor nessas sessões poderão incluir a resolução de tarefas para alunos, o seu enquadramento curricular, a análise de produções matemáticas e de episódios de sala de aula. Trabalho autónomo: leitura das AE e de textos disponibilizados para: planificação, concretização e reflexão da intervenção na prática, preparação da apresentação, em pequenos grupos, dessa intervenção e na elaboração de um trabalho final individual.

Avaliação

A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a realização e discussão das tarefas propostas nas sessões presenciais e nas sessões síncronas, a planificação de tarefas para os alunos e análise da sua realização na sala de aula, e o trabalho final elaborado pelos formandos. O trabalho final deverá ser uma reflexão escrita individual sobre a formação, as aprendizagens realizadas e capacidades desenvolvidas, e a sua participação na formação.

Bibliografia

Educação e Matemática, 158 Educação e Matemática, 162 NCTM (2017). Princípios para a ação. Lisboa: APM. Ponte, J. P., Quaresma, M., & Mata Pereira, J. (2020). Como desenvolver o raciocínio matemático na sala de aula? Educação e Matemática, 156, 7-11. Veloso, E. (2012). Simetria e transformações geométricas. Lisboa: APM.


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 05-11-2022 (Sábado) 10:00 - 12:30 2:30 Presencial
2 19-11-2022 (Sábado) 10:00 - 12:30 2:30 Presencial
3 03-12-2022 (Sábado) 10:00 - 12:30 2:30 Online síncrona
4 07-01-2023 (Sábado) 10:00 - 12:30 2:30 Online síncrona
5 04-03-2023 (Sábado) 10:00 - 12:30 2:30 Online síncrona
6 18-03-2023 (Sábado) 10:00 - 12:30 2:30 Online síncrona
7 15-04-2023 (Sábado) 10:00 - 12:30 2:30 Online síncrona
8 29-04-2023 (Sábado) 10:00 - 12:30 2:30 Online síncrona
9 13-05-2023 (Sábado) 10:00 - 12:30 2:30 Presencial
10 27-05-2023 (Sábado) 10:00 - 12:30 2:30 Presencial


244

Ref. 13903 I T4 A decorrer

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-110070/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 04-11-2022

Fim: 12-12-2022

Regime: Presencial

Local: A. E. Afonso de Paiva-Sala de Informática

Formador

Ana Sofia Barros Teixeira

Destinatários

Professores do 1º Ciclo; Professores do 2º Ciclo; Professores do 3º Ciclo/Ensino Secundário; Professores da Educação Especial;

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do 1º Ciclo; Professores do 2º Ciclo; Professores do 3º Ciclo/Ensino Secundário; Professores da Educação Especial;. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE AltoTejo

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as competências digitais dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 3) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de CD dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Pretende-se desenvolver com os docentes de nível 3 (C1/C2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e de processos que lhes permita potenciar as suas competências digitais na promoção de estratégias e ações inovadoras na comunidade educativa. São objetivos específicos: - formular estratégias pedagógicas inovadoras e promotoras das CD dos docentes e alunos; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - promover o desenvolvimento de ações que contribuam para os Plano de Ação para o Desenvolvimento Digital das suas escolas; - promover e estimular a reflexão, a partilha e a utilização crítica das tecnologias digitais em contexto educativo.

Conteúdos

Os conteúdos da ação surgem, em sentido articulado e incremental, com os conteúdos da formação de nível 1 e 2. - Exploração de documentos de enquadramento das políticas educativas. - Discussão, renovação e inovação na prática profissional. - Reflexão em torno de conceitos relacionados com escolas, professores e alunos digitalmente competentes. - Utilização das tecnologias digitais na colaboração e inovação pedagógica ao serviço da comunidade educativa. - Estratégias e metodologias relacionadas com o desenvolvimento curricular através de ambientes e ferramentas digitais. - Estratégias digitais de caráter científico-pedagógico promotoras do desenvolvimento profissional dos docentes. - Planeamento de atividades didático-pedagógicas promotoras do desenvolvimento da competência digital dos alunos. - Conceção de Planos de Ação para o Desenvolvimento Digital: conceitos, metodologias de desenvolvimento, implementação, monitorização, avaliação.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do referencial DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas inovadoras num ambiente colaborativo, de partilha e de reflexão; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação, partilha e avaliação; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento da componente de trabalho autónomo. Ao longo das sessões conjuntas estimular-se-á a criação e/ou participação e colaboração em comunidades de prática neste âmbito. Trabalho Autónomo: No trabalho autónomo pretende-se estimular a planificação e conceção de ações que contribuam para a criação dos Planos de Ação de Desenvolvimento Digital, bem como para a sua regular monitorização e posterior avaliação. Na última sessão presencial os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se momentos para a partilha e reflexão.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm; Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN; EU Science Hub (2018). Self-reflection tool for digitally capable schools (SELFIE). Disponível em: https://ec.europa.eu/jrc/en/digcomporg/selfie-tool; Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora; Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf.


Observações

Despacho n.º 2053/2021 - dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente. - aprovada por unanimidade a sua relevância, em sede de reunião do conselho de diretores do CFAE AltoTejo, realizada em de 27/10/2022

A ação só será desenvolvida com pelo menos 10 formandos. A ação foi adiada (inscrições e inicio) por forma a tentar cumprir com o numero mínimo de formandos. Findo o prazo definido a ação será suspensa e não se realizará.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 04-11-2022 (Sexta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
2 07-11-2022 (Segunda-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
3 14-11-2022 (Segunda-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
4 21-11-2022 (Segunda-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
5 25-11-2022 (Sexta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
6 28-11-2022 (Segunda-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
7 05-12-2022 (Segunda-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
8 12-12-2022 (Segunda-feira) 18:00 - 22:00 4:00 Presencial


231

Ref. 13601 I T15 A decorrer

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-110072/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 03-11-2022

Fim: 13-12-2022

Regime: Presencial

Local: A.E. Amato Lusitano_sala Inf. 1

Formador

Cristina dos Santos Carvalho de Castro

Destinatários

Professores do 1º Ciclo; Professores do 2º Ciclo; Professores do 3º Ciclo/Ensino Secundário; Professores da Educação Especial;

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do 1º Ciclo; Professores do 2º Ciclo; Professores do 3º Ciclo/Ensino Secundário; Professores da Educação Especial;. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores da Comissão Europeia (doravante DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 1) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se, assim, criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de CD dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 1 (A1/A2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (B1/B2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes na utilização significativa de ambientes e ferramentas digitais e definição de estratégias diversificadas de integração destes em contexto educativo; - capacitar os docentes para a implementação de atividades promotoras da aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos.

Conteúdos

1. Documentos enquadradores das políticas educativas atuais associados ao Plano nacional de Transição Digital. 2. Envolvimento profissional: Exploração de opções digitais para colaboração e comunicação institucional e melhoria da prática profissional. 3. Recursos Digitais: Exploração, seleção e adequação de RED ao contexto de aprendizagem. Utilização de RED interativos. 4. Ensino e Aprendizagem: Exploração de estratégias de ensino e de aprendizagem digital. Integração significativa de RED na melhoria de atividades de ensino e aprendizagem. 5. Avaliação das aprendizagens: Exploração de estratégias de avaliação digital. Melhoria das abordagens de avaliação através de soluções digitais. 6. CD dos Alunos: Exploração de estratégias de promoção e uso pedagógico de tecnologias digitais. Utilização de ferramentas e estratégias para suporte ao desenho e implementação de atividades de promoção da CD dos alunos. 7. Planificação de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Trabalho Autónomo: Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm; Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN; Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora; Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf; Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME;


Observações

Despacho n.º 2053/2021 - dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente. - aprovada por unanimidade a sua relevância, em sede de reunião do conselho de diretores do CFAE AltoTejo, realizada em de 27/10/2022

A ação só será desenvolvida com pelo menos 10 formandos.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 03-11-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 10-11-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
3 14-11-2022 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
4 17-11-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
5 24-11-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
6 29-11-2022 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
7 06-12-2022 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
8 15-12-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 22:30 4:00 Presencial


174

Ref. 13802 I T32 A decorrer

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-110071/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 27-10-2022

Fim: 15-12-2022

Regime: Presencial

Local: A. E. Amato Lusitano_sala 32

Formador

Filipe Manuel da Conceição Franco

Destinatários

Professores do 1º Ciclo; Professores do 2º Ciclo; Professores do 3º Ciclo/Ensino Secundário; Professores da Educação Especial;

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do 1º Ciclo; Professores do 2º Ciclo; Professores do 3º Ciclo/Ensino Secundário; Professores da Educação Especial;. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE AltoTejo

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 2) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de competências digitais dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 2 (B1/B2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (C1/C2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento, aprofundamento e densificação das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes para a implementação de atividades que promovam a aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos; - estimular a reflexão, partilha e utilização crítica das tecnologias em contexto educativo.

Conteúdos

Os conteúdos da ação surgem, em sentido articulado e incremental, com os conteúdos da formação de nível 1. - Documentos de enquadramento das políticas educativas. - Envolvimento profissional: Discussão, renovação e inovação na prática profissional. Processos de liderança na era digital. - Recursos Educativos Digitais (RED): Utilização de estratégias e RED avançados de forma abrangente. Promoção da utilização de RED de forma colaborativa. - Ensino e Aprendizagem: Renovação da prática de ensino de forma estratégica e intencional. Inovação no processo de ensino e de aprendizagem em diferentes modalidades de ensino. - Avaliação das aprendizagens: Reflexão crítica sobre estratégias de avaliação digital. Inovação na avaliação das aprendizagens com recursos a soluções digitais. - CD dos Alunos: Promoção da CD dos alunos de forma abrangente e crítica. Inovação no envolvimento dos alunos utilizando formatos inovadores para promover a sua CD. - Planeamento da formação e aprendizagem ao longo da vida.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Trabalho Autónomo: Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Modelo

Relevância para dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente - novamente aprovada por unanimidade em sede de reunião do conselho de diretores do CFAE AltoTejo, realizada em de 27/10/2022

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm; Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN; Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora.; Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_E; Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME.


Observações

Despacho n.º 2053/2021 - dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente. - aprovada por unanimidade a sua relevância, em sede de reunião do conselho de diretores do CFAE AltoTejo, realizada em de 27/10/2022

A ação só será desenvolvida com pelo menos 10 formandos.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 27-10-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 10-11-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
3 14-11-2022 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
4 17-11-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
5 24-11-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
6 29-11-2022 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
7 06-12-2022 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
8 15-12-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 22:30 4:00 Presencial


192

Ref. 13802 I T36 A decorrer

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-110071/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 27-10-2022

Fim: 15-12-2022

Regime: Presencial

Local: A. E. Amato Lusitano_sala30

Formador

Vítor Hugo de Brito Alves Ângelo

Destinatários

Professores do 1º Ciclo; Professores do 2º Ciclo; Professores do 3º Ciclo/Ensino Secundário; Professores da Educação Especial;

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do 1º Ciclo; Professores do 2º Ciclo; Professores do 3º Ciclo/Ensino Secundário; Professores da Educação Especial;. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE AltoTejo

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 2) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de competências digitais dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 2 (B1/B2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (C1/C2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento, aprofundamento e densificação das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes para a implementação de atividades que promovam a aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos; - estimular a reflexão, partilha e utilização crítica das tecnologias em contexto educativo.

Conteúdos

Os conteúdos da ação surgem, em sentido articulado e incremental, com os conteúdos da formação de nível 1. - Documentos de enquadramento das políticas educativas. - Envolvimento profissional: Discussão, renovação e inovação na prática profissional. Processos de liderança na era digital. - Recursos Educativos Digitais (RED): Utilização de estratégias e RED avançados de forma abrangente. Promoção da utilização de RED de forma colaborativa. - Ensino e Aprendizagem: Renovação da prática de ensino de forma estratégica e intencional. Inovação no processo de ensino e de aprendizagem em diferentes modalidades de ensino. - Avaliação das aprendizagens: Reflexão crítica sobre estratégias de avaliação digital. Inovação na avaliação das aprendizagens com recursos a soluções digitais. - CD dos Alunos: Promoção da CD dos alunos de forma abrangente e crítica. Inovação no envolvimento dos alunos utilizando formatos inovadores para promover a sua CD. - Planeamento da formação e aprendizagem ao longo da vida.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Trabalho Autónomo: Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Modelo

Relevância para dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente - novamente aprovada por unanimidade em sede de reunião do conselho de diretores do CFAE AltoTejo, realizada em de 27/10/2022

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm; Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN; Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora.; Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_E; Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME.


Observações

Despacho n.º 2053/2021 - dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente. - aprovada por unanimidade a sua relevância, em sede de reunião do conselho de diretores do CFAE AltoTejo, realizada em de 27/10/2022

A ação só será desenvolvida com pelo menos 10 formandos.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 27-10-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 10-11-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
3 14-11-2022 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
4 17-11-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
5 24-11-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
6 29-11-2022 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
7 13-12-2022 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
8 15-12-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 22:30 4:00 Presencial


195

Ref. 13802 I T31 A decorrer

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-110071/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 24-10-2022

Fim: 12-12-2022

Regime: Presencial

Local: Agrupamento de Escolas Afonso de Paiva

Formador

Teresa Isabel dos Santos Mota Saraiva

Destinatários

Professores do 1º Ciclo; Professores do 2º Ciclo; Professores do 3º Ciclo/Ensino Secundário; Professores da Educação Especial;

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do 1º Ciclo; Professores do 2º Ciclo; Professores do 3º Ciclo/Ensino Secundário; Professores da Educação Especial;. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE AltoTejo

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 2) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de competências digitais dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 2 (B1/B2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (C1/C2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento, aprofundamento e densificação das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes para a implementação de atividades que promovam a aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos; - estimular a reflexão, partilha e utilização crítica das tecnologias em contexto educativo.

Conteúdos

Os conteúdos da ação surgem, em sentido articulado e incremental, com os conteúdos da formação de nível 1. - Documentos de enquadramento das políticas educativas. - Envolvimento profissional: Discussão, renovação e inovação na prática profissional. Processos de liderança na era digital. - Recursos Educativos Digitais (RED): Utilização de estratégias e RED avançados de forma abrangente. Promoção da utilização de RED de forma colaborativa. - Ensino e Aprendizagem: Renovação da prática de ensino de forma estratégica e intencional. Inovação no processo de ensino e de aprendizagem em diferentes modalidades de ensino. - Avaliação das aprendizagens: Reflexão crítica sobre estratégias de avaliação digital. Inovação na avaliação das aprendizagens com recursos a soluções digitais. - CD dos Alunos: Promoção da CD dos alunos de forma abrangente e crítica. Inovação no envolvimento dos alunos utilizando formatos inovadores para promover a sua CD. - Planeamento da formação e aprendizagem ao longo da vida.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Trabalho Autónomo: Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Modelo

Relevância para dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente - novamente aprovada por unanimidade em sede de reunião do conselho de diretores do CFAE AltoTejo, realizada em de 27/10/2022

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm; Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN; Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora.; Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_E; Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME.


Observações

Despacho n.º 2053/2021 - dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente. - aprovada por unanimidade a sua relevância, em sede de reunião do conselho de diretores do CFAE AltoTejo, realizada em de 27/10/2022

A ação só será desenvolvida com pelo menos 10 formandos.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 24-10-2022 (Segunda-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
2 31-10-2022 (Segunda-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
3 07-11-2022 (Segunda-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
4 14-11-2022 (Segunda-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
5 21-11-2022 (Segunda-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
6 28-11-2022 (Segunda-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
7 05-12-2022 (Segunda-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
8 12-12-2022 (Segunda-feira) 18:00 - 22:00 4:00 Presencial


191

Ref. 16206B/T1.22.23 A decorrer

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-115784/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 22-10-2022

Fim: 18-03-2023

Regime: b-learning

Local: A. E. Afonso de Paiva_Sala de Informática

Formador

José Manuel Sousa Mariano Filipe

Destinatários

Professores do 1º Ciclo;

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do 1º Ciclo;. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do 1º Ciclo;.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

DGE/CFAE AltoTejo

Razões

No âmbito do projeto Contexto e Visão para a revisão curricular das Aprendizagens Essenciais em Matemática, em agosto de 2021 foram homologadas as novas Aprendizagens Essenciais de Matemática para o Ensino Básico (Despacho n.º 8209/2021, de 19 de agosto) que entrarão em vigor a partir do ano letivo: a) 2022/2023, no que respeita aos 1.º, 3.º, 5.º e 7.º anos de escolaridade; b) 2023/2024, no que respeita aos 2.º, 4.º, 6.º e 8.º anos de escolaridade; c) 2024/2025, no que respeita ao 9.º ano de escolaridade. Tendo consciência da necessidade de formação dos professores do grupo 110 para a operacionalização destes novos documentos curriculares em Matemática no Ensino Básico, procurar-se-á desenvolver uma formação focada em aspetos específicos das novas AE de Matemática para o Ensino Básico (AE, 2021), destacando o que de mais significativo e novo existe nestes documentos curriculares.

Objetivos

No final da formação, os professores participantes devem: - Compreender, de forma aprofundada, as orientações curriculares expressas nas novas AE de Matemática para o Ensino Básico, o seu racional e as consequências para o ensino da Matemática; - Estar dotados do conhecimento didático e o conhecimento matemático requeridos para o ensino orientado pelas novas AE de Matemática para o Ensino Básico; - Realizar práticas de ensino de Matemática que contemplem a planificação de aulas, a sua concretização e consequente reflexão, em contextos de trabalho colaborativo, tornando-se sensíveis e capazes de resolução para os problemas que possam surgir na prática de ensino das novas AE de Matemática para o 1.º ciclo do Ensino Básico.

Conteúdos

Orientações curriculares para o ensino da Matemática no Ensino Básico expressas nas novas AE 2021 (2 sessões de 2,5h cada): - Caracterização das novas AE de Matemática - Articulação entre os temas nas novas AE de Matemática - Reflexos dos princípios nas opções curriculares das novas AE de Matemática Serão propostas tarefas que permitirão trabalhar as novas AE segundo diversos ângulos. Articulação entre diferentes temas matemáticos e capacidades matemáticas transversais, incorporando as capacidades e atitudes gerais transversais (5 sessões de 2,5h cada): - Conteúdos de aprendizagem (conhecimentos, capacidades matemáticas, capacidades e atitudes gerais) que uma dada tarefa preferencialmente pode promover - Análise de produções de alunos - Feedback oral e escrito a fornecer pelo professor - Recursos, em particular tecnológicos, e suas potencialidades Serão propostas tarefas de formação constituídas por tarefas a propor aos alunos, e um conjunto de questões que incidem sobre o ensino da Matemática, a partir das características da tarefa dos alunos, de produções de alunos, de episódios de sala de aula, de notas de campo de aulas realizadas no âmbito da operacionalização destas novas AE. Práticas de ensino promotoras do desenvolvimento integrado de temas matemáticos, capacidades matemáticas transversais e capacidades e atitudes gerais transversais (3 sessões de 2,5h cada): - Planificação (objetivos de aprendizagem, tarefas, formas de as explorar e recursos, em particular ferramentas tecnológicas) - Operacionalização (dinâmica da aula; papel do professor e dos alunos, discussão em grande grupo) - Reflexão (aprendizagens realizadas, dificuldades reveladas pelos alunos e ações do professor, identificação de aspetos a melhorar, causas e aperfeiçoamentos para futuro). A primeira sessão será dedicada ao início da planificação da aula a lecionar, e as duas restantes decorrerão após o término do trabalho autónomo e destinar-se-ão à apresentação e reflexão da intervenção na prática letiva. Para o trabalho autónomo propor-se-á a leitura de textos que sustentem teoricamente algumas ideias chave das orientações curriculares consideradas nos documentos curriculares, assim como a leitura de textos de apoio sobre os temas trabalhados. Prevê-se ainda que o trabalho autónomo incida na conclusão da planificação, na realização da aula e na preparação da apresentação aos restantes formandos desta intervenção na prática letiva.

Metodologias

A periodicidade deverá ser variável: começando de forma mais concentrada, passando a ser mais espaçada decorridos cerca de 2/3 da formação. Sessões presenciais (momentos em pequenos e em grande grupo): análise e discussão das orientações curriculares das AE e de textos teóricos que as suportam e apresentação e discussão da intervenção na prática letiva. Sessões síncronas: resolução e discussão de tarefas de formação e planificação e reflexão de uma intervenção na prática. As tarefas de formação a propor nessas sessões poderão incluir a resolução de tarefas para alunos, o seu enquadramento curricular, a análise de produções matemáticas e de episódios de sala de aula. Trabalho autónomo: leitura das AE e de textos disponibilizados, na planificação, concretização e reflexão da intervenção na prática, preparação da apresentação, em pequenos grupos, dessa intervenção e elaboração de um trabalho final individual.

Avaliação

A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a realização e discussão das tarefas propostas nas sessões presenciais e nas sessões síncronas, a planificação de tarefas para os alunos e análise da sua realização na sala de aula, e o trabalho final elaborado pelos formandos. O trabalho final deverá ser uma reflexão escrita individual sobre a formação, as aprendizagens realizadas e capacidades desenvolvidas, e a sua participação na formação.

Bibliografia

Canavarro, A. P. (2009). O pensamento algébrico na aprendizagem da Matemática dos primeiros anos. Quadrante, 16(2), 81-118. Canavarro, A. P., Oliveira, H., & Menezes, L. (2012). Práticas de ensino exploratório da matemática: O caso de Célia. In A. P. Canavarro, L. Santos, A. Boavida, H. Oliveira, L. Menezes, & S. Carreira (Eds.), Investigação em Educação Matemática – Práticas de ensino da Matemática, Livro de Atas do Encontro de Investigação em Educação Matemática EIEM2012 (pp. 255-266). Castelo de Vide: SPIEM. Educação e Matemática, 2022, nº 162 (número temático sobre pensamento computacional) Henriques, A., & Oliveira, H. (2012). Investigações estatísticas. Um caminho a seguir? Educação e Matemática, 120, 3-8. NCTM (2017). Princípios para a Ação. Lisboa: APM.


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 22-10-2022 (Sábado) 10:00 - 12:30 2:30 Presencial
2 05-11-2022 (Sábado) 10:00 - 12:30 2:30 Presencial
3 19-11-2022 (Sábado) 10:00 - 12:30 2:30 Online síncrona
4 03-12-2022 (Sábado) 10:00 - 12:30 2:30 Online síncrona
5 17-12-2022 (Sábado) 10:00 - 12:30 2:30 Online síncrona
6 14-01-2023 (Sábado) 10:00 - 12:30 2:30 Online síncrona
7 28-01-2023 (Sábado) 10:00 - 12:30 2:30 Online síncrona
8 11-02-2023 (Sábado) 10:00 - 12:30 2:30 Online síncrona
9 04-03-2023 (Sábado) 10:00 - 12:30 2:30 Presencial
10 18-03-2023 (Sábado) 10:00 - 12:30 2:30 Presencial


243

Ref. 16408/T1.22.23 A decorrer

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-115788/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 22-10-2022

Fim: 18-03-2023

Regime: b-learning

Local: A. E. Afonso de Paiva_Sala16

Formador

Joaquim Manuel Antunes Faustino

Destinatários

Professores do 3º Ciclo, Grupo 500

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do 3º Ciclo, Grupo 500. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do 3º Ciclo, Grupo 500.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE AltoTejo

Razões

No âmbito do projeto Contexto e Visão para a revisão curricular das Aprendizagens Essenciais em Matemática, em agosto de 2021 foram homologadas as novas Aprendizagens Essenciais de Matemática para o Ensino Básico (Despacho n.º 8209/2021, de 19 de agosto) que entrarão em vigor a partir do ano letivo: a) 2022/2023, no que respeita aos 1.º, 3.º, 5.º e 7.º anos de escolaridade; b) 2023/2024, no que respeita aos 2.º, 4.º, 6.º e 8.º anos de escolaridade; c) 2024/2025, no que respeita ao 9.º ano de escolaridade. Tendo consciência da necessidade de formação dos professores do grupo 500, para a operacionalização destes novos documentos curriculares em Matemática do Ensino Básico procurar-se-á desenvolver uma formação focada em aspetos específicos das novas AE de Matemática para o Ensino Básico (AE, 2021), destacando o que de mais significativo e novo existe nestes documentos curriculares.

Objetivos

No final da formação, os professores participantes devem: • Compreender, de forma aprofundada, as orientações curriculares expressas nas novas AE de Matemática para o Ensino Básico, o seu racional e as consequências para o ensino da Matemática; • Estar dotados com o conhecimento didático e o conhecimento matemático requeridos para o ensino orientado pelas novas AE de Matemática para o Ensino Básico; • Realizar experiências de ensino de Matemática que contemplem a planificação de aulas, a sua concretização e consequente reflexão, em contextos de trabalho colaborativo, tornando-se sensíveis e capazes de resolução para os problemas que possam surgir na prática de ensino das novas AE de Matemática para o 3.º ciclo do Ensino Básico.

Conteúdos

Orientações curriculares para o ensino da Matemática no Ensino Básico expressas nas novas AE 2021 (2 sessões de 2,5h cada): - Caracterização das novas AE de Matemática - Articulação entre os temas nas novas AE de Matemática - Reflexos dos princípios nas opções curriculares das novas AE de Matemática Serão propostas tarefas que permitirão trabalhar as novas AE segundo diversos ângulos. Articulação entre diferentes temas matemáticos e capacidades matemáticas transversais, incorporando as capacidades e atitudes gerais transversais (5 sessões de 2,5h cada): - Conteúdos de aprendizagem (conhecimentos, capacidades matemáticas, capacidades e atitudes gerais) que uma dada tarefa preferencialmente pode promover - Análise de produções de alunos - Feedback oral e escrito a fornecer pelo professor - Recursos, em particular tecnológicos, e suas potencialidades Serão propostas tarefas de formação constituídas por tarefas a propor aos alunos, e um conjunto de questões que incidem sobre o ensino da Matemática, a partir das características da tarefa dos alunos, de produções de alunos, de episódios de sala de aula, de notas de campo de aulas realizadas no âmbito da operacionalização destas novas AE. Práticas de ensino promotoras do desenvolvimento integrado de temas matemáticos, capacidades matemáticas transversais e capacidades e atitudes gerais transversais (3 sessões de 2,5h cada): - Planificação (objetivos de aprendizagem, tarefas, formas de as explorar e recursos, em particular ferramentas tecnológicas) - Operacionalização (dinâmica da aula; papel do professor e dos alunos, discussão em grande grupo) - Reflexão (aprendizagens realizadas, dificuldades reveladas pelos alunos e ações do professor, identificação de aspetos a melhorar, causas e aperfeiçoamentos para futuro). A primeira sessão será dedicada ao início da planificação da aula a lecionar, e as duas restantes decorrerão após o término do trabalho autónomo e destinar-se-ão à apresentação e reflexão da intervenção na prática letiva. Para o trabalho autónomo propor-se-á a leitura de textos que sustentem teoricamente algumas ideias chave das orientações curriculares consideradas nos documentos curriculares, assim como a leitura de textos de apoio sobre os temas trabalhados. Prevê-se ainda que o trabalho autónomo incida na conclusão da planificação, na realização da aula e na preparação da apresentação aos restantes formandos desta intervenção na prática letiva.

Metodologias

A periodicidade deverá ser variável: começando de forma mais concentrada, passando a ser mais espaçada a partir de 2/3 da formação. Sessões presenciais (momentos em pequenos e em grande grupo): análise e discussão das orientações curriculares das AE e de textos teóricos que as suportam e apresentação e discussão da intervenção na prática letiva. Sessões síncronas: resolução e discussão de tarefas de formação e planificação e reflexão de uma intervenção na prática. As tarefas de formação a propor nessas sessões poderão incluir a resolução de tarefas para alunos, o seu enquadramento curricular, a análise de produções matemáticas e de episódios de sala de aula. Trabalho autónomo: leitura das AE e de textos disponibilizados para: planificação, concretização e reflexão da intervenção na prática, preparação da apresentação, em pequenos grupos, dessa intervenção e elaboração de um trabalho final individual.

Avaliação

A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a realização e discussão das tarefas propostas nas sessões presenciais e nas sessões síncronas, a planificação de tarefas para os alunos e análise da sua realização na sala de aula, e o trabalho final elaborado pelos formandos. O trabalho final deverá ser uma reflexão escrita individual sobre a formação, as aprendizagens realizadas e capacidades desenvolvidas, e a sua participação na formação.

Bibliografia

Educação e Matemática, 158 Educação e Matemática, 162 NCTM (2017). Princípios para a ação. Lisboa: APM. Ponte, J. P., Quaresma, M., & Mata Pereira, J. (2020). Como desenvolver o raciocínio matemático na sala de aula? Educação e Matemática, 156, 7-11. Veloso, E. (2012). Simetria e transformações geométricas. Lisboa: APM


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 22-10-2022 (Sábado) 10:00 - 12:30 2:30 Presencial
2 05-11-2022 (Sábado) 10:00 - 12:30 2:30 Presencial
3 18-11-2022 (Sexta-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
4 02-12-2022 (Sexta-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
5 16-12-2022 (Sexta-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
6 06-01-2023 (Sexta-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
7 20-01-2023 (Sexta-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
8 03-02-2023 (Sexta-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
9 04-03-2023 (Sábado) 10:00 - 12:30 2:30 Presencial
10 18-03-2023 (Sábado) 10:00 - 12:30 2:30 Presencial


245

Ref. 184ACD16 I 22.23 Em avaliação

Registo de acreditação: 16 I 22.23 I CFAE Altotejo

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 07-12-2022

Fim: 07-12-2022

Regime: e-learning

Local: Plataforma Digital a Disponibilizar

Formador

Pedro Rafael Neto Gomes

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Biblioteca Municipal José Baptista Martins – Vila Velha de Ródão /RBE

Conteúdos

Partilha e desenvolvimento de práticas no âmbito das bibliotecas. Proposta de dinâmicas e ações. Troca e reflexão de experiências entre os participantes.


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 06-12-2022 (Terça-feira) 15:00 - 18:00 3:00 Online síncrona

Ref. 17205T02 Em avaliação

Registo de acreditação: ACD13I22.23ICFAEAltoTejo-05IPOCH 000053

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 30-11-2022

Fim: 30-11-2022

Regime: Presencial

Local: Auditório do A.E. Verde Horizonte - Mação

Formador

Joaquim José Manteigas Picado

Destinatários

Direções e Estruturas intermédias de Gestão a indicar pelas direções do A. E. Associados

Releva

Despacho n.º 5741/2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Associação de Escolas AltoTejo

Razões

A avaliação, a aprendizagem e o ensino são três processos pedagógicos incontornáveis e fundamentais que devem ser devidamente compreendidos por todos os intervenientes nos sistemas educativos (e.g., docentes, gestores escolares, decisores políticos, encarregados de educação). A avaliação, em qualquer nível de ensino, só fará real sentido se estiver fortemente articulada, ou mesmo integrada, com o ensino e com a aprendizagem. No contexto de mudanças significativas ao nível da gestão do currículo, e face à necessidade de apoiar os professores e as escolas no processo de melhoria das práticas de avaliação pedagógica, foi definido o Projeto MAIA que visa contribuir para um incremento das competências e conhecimentos inerentes ao processo de avaliação das aprendizagens por parte dos professores e apoiar e acompanhar as escolas no desenvolvimento de projetos pedagógicos e didáticos em torno de práticas de avaliação formativa, feedback e participação, critérios de avaliação e processos de recolha de informação. No processo de operacionalização do Projeto MAIA, quer no âmbito dos CFAE, quer no âmbito de cada escola, as lideranças desempenham uma função indispensável e decisiva, pelo que importa enquadrar e explicitar os processos e dinâmicas de formação e de melhoria das práticas pedagógicas que são propostas aos professores e às escolas.

Objetivos

- Compreender a natureza, os processos e as finalidades do Projeto MAIA; - Clarificar a dinâmica de formação, designadamente a conceção, discussão e implementação dos Projetos de Intervenção; - Analisar o papel das lideranças no âmbito das dinâmicas de formação e de melhoria das práticas pedagógicas; - Explicitar os princípios e fundamentos da avaliação pedagógica, designadamente no âmbito na definição de uma política de avaliação e de classificação.

Conteúdos

1. Projeto MAIA (3 horas) 1.1. Natureza, os processos e as finalidades do Projeto MAIA (1 hora) 1.2. Princípios, dinâmicas e processos de formação (1 hora) 1.3. Enquadramento legal das práticas de avaliação e de classificação (1 hora) 2. Avaliação pedagógica (3 horas) 2.1. A aprendizagem, o ensino e a avaliação (1 hora) 2.2. Princípios e fundamentos da avaliação pedagógica (1 hora) 2.3. Política de avaliação e de classificação: natureza,

Metodologias

Sugere-se a adoção de uma dinâmica reflexiva e interativa, através da qual seja possível potenciar diversas perspetivas e as diferentes experiências. Sendo certo que os AE/ENA estarão em fases diferentes, importa dar tempo e voz para a partilha das diversas experiências. O recurso aos materiais deve servir para apoiar e ilustrar o percurso temático proposto, sem nenhum carácter exaustivo e/ou meramente expositivo. As folhas do Projeto MAIA dispõem de diversas atividades de formação que podem ser adotadas neste contexto e com as devidas adaptações.


Observações

Ação adiada de 23 de novembro para 30 de novembro por questões de logística.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 30-11-2022 (Quarta-feira) 09:30 - 12:30 3:00 Presencial
2 30-11-2022 (Quarta-feira) 14:00 - 17:00 3:00 Presencial


255

Ref. 17205T01 Em avaliação

Registo de acreditação: ACD13I22.23ICFAEAltoTejo-05IPOCH 000053

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 23-11-2022

Fim: 23-11-2022

Regime: Presencial

Local: Auditório do A.E. Afonso de Paiva

Formador

Joaquim José Manteigas Picado

Destinatários

Direções e Estruturas intermédias de Gestão a indicar pelas direções do A. E. Associados

Releva

Despacho n.º 5741/2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Associação de Escolas AltoTejo

Razões

A avaliação, a aprendizagem e o ensino são três processos pedagógicos incontornáveis e fundamentais que devem ser devidamente compreendidos por todos os intervenientes nos sistemas educativos (e.g., docentes, gestores escolares, decisores políticos, encarregados de educação). A avaliação, em qualquer nível de ensino, só fará real sentido se estiver fortemente articulada, ou mesmo integrada, com o ensino e com a aprendizagem. No contexto de mudanças significativas ao nível da gestão do currículo, e face à necessidade de apoiar os professores e as escolas no processo de melhoria das práticas de avaliação pedagógica, foi definido o Projeto MAIA que visa contribuir para um incremento das competências e conhecimentos inerentes ao processo de avaliação das aprendizagens por parte dos professores e apoiar e acompanhar as escolas no desenvolvimento de projetos pedagógicos e didáticos em torno de práticas de avaliação formativa, feedback e participação, critérios de avaliação e processos de recolha de informação. No processo de operacionalização do Projeto MAIA, quer no âmbito dos CFAE, quer no âmbito de cada escola, as lideranças desempenham uma função indispensável e decisiva, pelo que importa enquadrar e explicitar os processos e dinâmicas de formação e de melhoria das práticas pedagógicas que são propostas aos professores e às escolas.

Objetivos

- Compreender a natureza, os processos e as finalidades do Projeto MAIA; - Clarificar a dinâmica de formação, designadamente a conceção, discussão e implementação dos Projetos de Intervenção; - Analisar o papel das lideranças no âmbito das dinâmicas de formação e de melhoria das práticas pedagógicas; - Explicitar os princípios e fundamentos da avaliação pedagógica, designadamente no âmbito na definição de uma política de avaliação e de classificação.

Conteúdos

1. Projeto MAIA (3 horas) 1.1. Natureza, os processos e as finalidades do Projeto MAIA (1 hora) 1.2. Princípios, dinâmicas e processos de formação (1 hora) 1.3. Enquadramento legal das práticas de avaliação e de classificação (1 hora) 2. Avaliação pedagógica (3 horas) 2.1. A aprendizagem, o ensino e a avaliação (1 hora) 2.2. Princípios e fundamentos da avaliação pedagógica (1 hora) 2.3. Política de avaliação e de classificação: natureza,

Metodologias

Sugere-se a adoção de uma dinâmica reflexiva e interativa, através da qual seja possível potenciar diversas perspetivas e as diferentes experiências. Sendo certo que os AE/ENA estarão em fases diferentes, importa dar tempo e voz para a partilha das diversas experiências. O recurso aos materiais deve servir para apoiar e ilustrar o percurso temático proposto, sem nenhum carácter exaustivo e/ou meramente expositivo. As folhas do Projeto MAIA dispõem de diversas atividades de formação que podem ser adotadas neste contexto e com as devidas adaptações.


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 23-11-2022 (Quarta-feira) 09:30 - 12:30 3:00 Presencial
2 23-11-2022 (Quarta-feira) 14:00 - 17:00 3:00 Presencial


254

Ref. 12504/T3 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-110303/21

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 30.0 horas

Início: 16-11-2022

Fim: 30-11-2022

Regime: Presencial

Local: Afonso de Paiva

Formador

Catarina de Jesus Martins Dias

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico e Secundário

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Ensinos Básico e Secundário. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE AltoTejo

Razões

A indústria, a economia e a sociedade dependem cada vez mais de tecnologias nos domínios da Programação e Robótica, sendo indispensável que os alunos possam adquirir conhecimentos e competências nestas áreas. A programação e a robótica também promovem o desenvolvimento de competências como a criatividade, o pensamento crítico, a capacidade de análise, de planear, de organizar ideias, de detetar erros e de resolver problemas. Estas competências podem ser desenvolvidas através de projetos, problemas, jogos, histórias, animações ou outras atividades que envolvam processos simples de programação e que sejam realizadas em articulação com as áreas curriculares e/ou transversais. Nesta oficina, pretende-se que os docentes criem e apliquem cenários de aprendizagem recorrendo à Programação e Robótica.

Objetivos

Compreender os processos do pensamento computacional; Programar através de blocos de comandos; Construir e programar objetos que utilizam motores e sensores; Construir e programar robôs para se deslocarem em percursos específicos; Implementar cenários de aprendizagem inovadores com atividades de Programação e Robótica.

Conteúdos

Durante a presente ação de formação serão abordados os seguintes conteúdos: • Resolução de problemas recorrendo aos processos do pensamento computacional - dividir o problema em partes mais simples (decomposição), identificar repetições (reconhecimento de padrões), utilizar operações lógicas e algoritmos (ações, ciclos, condições e variáveis), recolher e analisar dados, avaliar soluções (implementar possíveis soluções para o problema com o objetivo de criar a forma mais eficiente de o resolver), identificar e corrigir erros; • Desenvolvimento do pensamento computacional sem usar computadores (jogos corporais, CodyRoby, Blue-Bot, BeeBot, Dash&Dot e Ozobot); • Desenvolvimento do pensamento computacional recorrendo à programação visual por blocos de comandos (Blockly Games, Run Marco!, Bits and Bricks, Lightbot, Code.org, Hour of Code, Tynker e ubbu); • Criação de animações, histórias e jogos (Scratch); • Construção e programação de objetos e máquinas simples que utilizam motores e sensores para interagirem com o ambiente que os rodeia (Makey Makey, micro:bit e LEGO); • Construção e programação de robôs e drones com sensores, para se deslocarem em percursos específicos sequencialmente, seguindo linhas e desviando-se de obstáculos (mBot, micro:bit, LEGO, Parrot e Sphero); • Implementação de cenários de aprendizagem inovadores com atividades de Programação e Robótica.

Metodologias

As atividades desenvolvidas nas sessões presenciais têm por base a realização de trabalho individual e de grupo, no sentido de criar contextos de aprendizagem motivadores, inovadores e facilitadores do processo de ensino/aprendizagem. Os formandos irão utilizar diferentes ferramentas relacionadas com a Programação e Robótica visando o desenho de cenários de aprendizagem que serão aplicados em contexto de sala de aula. Será promovida a partilha de boas práticas e a reflexão sobre as ferramentas e os conteúdos abordados durante a ação. O trabalho realizado com os alunos será apresentado e avaliado, reforçando-se tanto os aspetos positivos como a criação de uma envolvência propícia à resolução de dificuldades. Trabalho Autónomo Durante os momentos de trabalho autónomo os formandos irão concretizar a abordagem iniciada nas sessões presenciais, aprofundando os conteúdos aí apresentados, testando as diferentes ferramentas, e produzindo instrumentos de trabalho e recursos que permitam a criação de cenários de aprendizagem que serão aplicados e desenvolvidos com os alunos, de acordo com planos de aula adequados.

Avaliação

Os formandos devem frequentar, pelo menos, 2/3 do número de horas da ação. A classificação dos formandos será feita por níveis de desempenho na escala de 1 a 10, com a menção qualitativa de: 1 a 4,9 valores – Insuficiente; 5 a 6,4 valores – Regular; 6,5 a 7,9 valores – Bom; 8 a 8,9 valores – Muito Bom; 9 a 10 valores - Excelente.

Bibliografia

Iniciação à Programação no 1.º Ciclo do Ensino Básico - Linhas Orientadoras para a Robótica. Retirado de: http://www.erte.dge.mec.pt/sites/default/files/linhas_orientadoras_para_a_robotica.pdf Learn to Code, Code to Learn. Retirado de: https://www.edsurge.com/news/2013-05-08-learn-to-code-code-to-learn Ramos, J. & Espadeiro, R. (2014). Os futuros professores e os professores do futuro. Os desafios da introdução ao pensamento computacional na escola, no currículo e na aprendizagem. Retirado de: http://eft.educom.pt/index.php/eft/article/view/462/208 Wing, J. (2006). Computational Thinking. In Communications of the ACM. Volume 49, n.º 3. Retirado de: https://www.cs.cmu.edu/~15110-s13/Wing06-ct.pdf Pair Programing-in-a-Box: The power of collaborative learning. National Center for Women & information technology (2009). Retirado de: www.ncwit.org/pairprogramming


Observações

Despacho n.º 2053/2021 - dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente. - aprovada por unanimidade a sua relevância, em sede de reunião do conselho de diretores do CFAE AltoTejo, realizada em de 27/10/2022

A ação só será desenvolvida com pelo menos 10 formandos. Ação adiada por insuficiência de inscritos. Findo o novo prazo de inscrição (09/11/2022) se continuar a não cumprir os critérios de execução definidos não se realizará.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 16-11-2022 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
2 23-11-2022 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
3 28-11-2022 (Segunda-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
4 30-11-2022 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
5 07-12-2022 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial


227

Ref. 166ACD08/T01 Em avaliação

Registo de acreditação: ACD08 I 22.23 I CFAE AltoTejo

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 27-10-2022

Fim: 27-10-2022

Regime: e-learning

Local: Sala Virtual via plataforma Digital: Zoom Colibri FCT

Formador

Ernesto Martins

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

IPCB/ESECB/CFAEAltoTejo

Conteúdos

1- O Sistema de Promoção e Proteção de Crianças/Jovens em Risco e as especificidades do Acolhimento Residencial; 2-As grandes problemáticas e as respostas socioeducativas à volta dos jovens em risco ex- acolhidos: acompanhar e orientar na construção dos seus projetos de vida; 2-Questões jurídicas envolventes ao acolhimento institucional e acompanhamento jovens em risco e a residencialização. 3- Boas práticas promotoras da autonomização bem-sucedida: Referência Casos práticos de acolhimento/orientação de jovens ex- acolhidos e a Plataforma Paje e a sua (re)inserção socioeducativa.


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 27-10-2022 (Quinta-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona

Ref. 165CFAE02T01 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-106748/19

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 30.0 horas

Início: 26-10-2022

Fim: 23-11-2022

Regime: Presencial

Local: AE Proença a Nova

Formador

Mário Jorge Ventura Catanas

Destinatários

Professores do Ensino Básico, do Ensino Secundário e Professores de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do Ensino Básico, do Ensino Secundário e Professores de Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 24 de fevereiro, a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente..

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

A.E. Proença a Nova

Razões

A aprendizagem ativa é 1 processo de ensino que tem como objetivo envolver os alunos nas atividades de aprendizagem levando-os a pensar sobre aquilo que estão a fazer As estratégias de interação entre professor e alunos ou entre alunos (por exemplo “Think-pair-share”), de aprendizagem cooperativa e de aprendizagem colaborativa de avaliação formativa ou de trabalho de projeto são exemplos de estratégias que envolvem ativamente os alunos e que podem ser incorporadas nas práticas de sala de aula Da reflexão de cada escola/agrupamento sobre as suas práticas locais e o desenvolvimento de práticas que possam permitir antecipar e prevenir o insucesso através de estratégias inovadoras e indutoras de mudança surge esta oficina de formação que pretende dar resposta às necessidades formativas identificadas pelas escolas.

Objetivos

Compreender a pertinência do desenvolvimento de práticas pedagógicas apoiadas em processos de aprendizagem ativa centradas no aluno no contexto atual de ensino e de aprendizagem Aplicar nas suas salas de aula os princípios de aprendizagem ativa Reconhecer os benefícios e os desafios das abordagens de aprendizagem ativa em contexto escolar Conhecer métodos e estratégias para a integração de abordagens de aprendizagem ativa em sala de aula e utilizá-los nas suas aulas Conhecer atividades de aprendizagem ativa inspiradas nas 6 zonas:interagir,apresentar, investigar,colaborar,desenvolver,criar Experimentar tecnologias e recursos digitais passíveis de apoiar atividades de aprendizagem ativa Organizar e implementar atividades de aprendizagem ativa para utilização em sala de aula com os alunos Contribuir para criar dinâmicas de trabalho colaborativo na escola que favoreçam a partilha de práticas pedagógicas promotoras da integração da filosofia da aprendizagem ativa nas práticas da sala de aula e/ou na escola.

Conteúdos

Módulo 1: Aprendizagem ativa (5 horas) Conceito de aprendizagem ativa Exemplos de ambientes de aprendizagem centrados no aluno. Discussão e debate sobre as principais diferenças entre aprendizagem ativa e aprendizagem passiva Principais benefícios da pedagogia de aprendizagem ativa Atividades/Tarefas: Apresentação dos participantes – formandos/formadores Apresentação da oficina e entrada nos sistemas tecnológicos de suporte à oficina de formação Discussão e debate sobre as principais diferenças entre aprendizagem ativa e aprendizagem passiva Reflexão conjunta sobre os principais benefícios da aprendizagem Módulo 2: Estratégias de aprendizagem ativa (5 horas) Métodos e estratégias de aprendizagem ativa Desafios das abordagens de aprendizagem ativa e formas de os ultrapassar Exemplos práticos de aprendizagem ativa Atividades/Tarefas Experimentar estratégias de aprendizagem ativa Análise SWOT das estratégias experimentadas Reflexão e discussão sobre os principais desafios da aprendizagem ativa e possíveis caminhos para os ultrapassar Módulo 3: Organização de atividades de aprendizagem ativa para a sala de aula (5 horas) Planificação de atividades de aprendizagem ativa para utilização em sala de aula com os alunos Experimentação em contexto de uma atividade de aprendizagem ativa no contexto de sala de aula Reflexão crítica sobre a experimentação realizada relativamente à aprendizagem dos alunos e desenvolvimento das suas competências Atividades/Tarefas: Planificação de atividades de aprendizagem ativa para utilização em sala de aula com os alunos. Experimentação em contexto de uma atividade de aprendizagem ativa no contexto de sala de aula. Apresentação e partilha final da atividade implementada. Avaliação da ação de formação

Metodologias

Será utilizada a metodologia de aprendizagem por execução de tarefas que os formandos realizam ao longo da formação As tarefas a realizar na formação decorrem tanto nas sessões conjuntas como nas sessões de trabalho autónomo durante as quais os formandos têm que desenvolver recursos, atividades e materiais de acordo com as ferramentas e conteúdos apresentados Terão caráter teórico-prático e as atividades propostas encontram-se projetadas para uma possível experimentação prática pelos formandos nos seus contextos educativos Será apresentada a organização da oficina de formação (objetivos, metodologia, assiduidade e avaliação dos formandos, obtenção de creditação, entre outros). Planificar atividades e construir recursos, tendo em vista a sua aplicação com os alunos em contexto curricular e educativo, utilizando as ferramentas exploradas nas sessões conjuntas. Experimentar no seu contexto educativo (sala de aula e/ou escola) algumas das atividades planificadas e recursos construídos Refletir criticamente sobre a aplicação prática e interesse educativo das possibilidades do desenvolvimento da aprendizagem ativa com os seus alunos, nas suas salas de aulas/escolas e/ou outros contextos educativos. Será apoiada numa plataforma de aprendizagem Moodle, nomeadamente para acesso aos conteúdos das sessões, atividades a realizar, recursos e ferramentas, manuais, tutoriais ou documentos de apoio, e ainda para acesso a fóruns de discussão, de reflexão e de partilha, entre outros sistemas de comunicação/interação estabelecidos entre os formandos e formadores.

Avaliação

Os formandos serão classificados nas escola de 1 a 10, conforme indicado no Despacho 4595/2015 de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua, com base em: Qualidade da realização das tarefas propostas e reflexões efetuadas. Cumprimento dos prazos de realização das atividades de aprendizagem propostas: Realização das tarefas propostas Participação nas atividades de discussão/reflexão propostas Realização da planificação de atividades de aprendizagem ativa para utilização em sala de aula com os alunos Experimentação em contexto de uma atividade de aprendizagem ativa no contexto de sala de aula Apresentação e partilha final do trabalho desenvolvido. Reflexão final sobre a ação de formação

Bibliografia

Coldwell, J., Craig, A. & Goold, A. (2011) Using eTechnologies for Active Learning. Interdisciplinary Journal of Information, Knowledge, and Management, 6, 95-106. Retirado de http://bit.ly/2jbIj33 Gauci, S. A., Dantas, A. M., Williams, D. A. & Kemm, R. E. (2009). Promoting student-centered active learning in lectures with a personal response system. Advances Physiology Education, 33(1), 60-71. Retirado de http://bit.ly/2jwMODJ Learning Classroom: Strategies for Active Learning Course Design Using Tablet Technology. Global Education Journal, 2012, Issue 4, 91-114. Retirado de http://bit.ly/2jlWKg4 Michael J. (2006). Where’s the evidence that active learning works? Advances Physiology Education, 30(4), 159-167. Retirado de http://bit.ly/2jlZY3l Prince, M. (2004). Does Active Learning Work? A Review of the Research. Journal of Engineering Education, 93(3), 223- 231. Retirado de http://bit.ly/2jbNMXJ


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 26-10-2022 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
2 02-11-2022 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
3 09-11-2022 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
4 16-11-2022 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
5 23-11-2022 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial

Ref. 13903 I T5 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-110070/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 20-10-2022

Fim: 30-11-2022

Regime: Presencial

Local: ES Sertã - Sala 42

Formador

Pedro José Fernandes Vitorino Coelho

Destinatários

Professores do 1º Ciclo; Professores do 2º Ciclo; Professores do 3º Ciclo/Ensino Secundário; Professores da Educação Especial;

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do 1º Ciclo; Professores do 2º Ciclo; Professores do 3º Ciclo/Ensino Secundário; Professores da Educação Especial;. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE AltoTejo

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as competências digitais dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 3) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de CD dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Pretende-se desenvolver com os docentes de nível 3 (C1/C2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e de processos que lhes permita potenciar as suas competências digitais na promoção de estratégias e ações inovadoras na comunidade educativa. São objetivos específicos: - formular estratégias pedagógicas inovadoras e promotoras das CD dos docentes e alunos; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - promover o desenvolvimento de ações que contribuam para os Plano de Ação para o Desenvolvimento Digital das suas escolas; - promover e estimular a reflexão, a partilha e a utilização crítica das tecnologias digitais em contexto educativo.

Conteúdos

Os conteúdos da ação surgem, em sentido articulado e incremental, com os conteúdos da formação de nível 1 e 2. - Exploração de documentos de enquadramento das políticas educativas. - Discussão, renovação e inovação na prática profissional. - Reflexão em torno de conceitos relacionados com escolas, professores e alunos digitalmente competentes. - Utilização das tecnologias digitais na colaboração e inovação pedagógica ao serviço da comunidade educativa. - Estratégias e metodologias relacionadas com o desenvolvimento curricular através de ambientes e ferramentas digitais. - Estratégias digitais de caráter científico-pedagógico promotoras do desenvolvimento profissional dos docentes. - Planeamento de atividades didático-pedagógicas promotoras do desenvolvimento da competência digital dos alunos. - Conceção de Planos de Ação para o Desenvolvimento Digital: conceitos, metodologias de desenvolvimento, implementação, monitorização, avaliação.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do referencial DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas inovadoras num ambiente colaborativo, de partilha e de reflexão; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação, partilha e avaliação; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento da componente de trabalho autónomo. Ao longo das sessões conjuntas estimular-se-á a criação e/ou participação e colaboração em comunidades de prática neste âmbito. Trabalho Autónomo: No trabalho autónomo pretende-se estimular a planificação e conceção de ações que contribuam para a criação dos Planos de Ação de Desenvolvimento Digital, bem como para a sua regular monitorização e posterior avaliação. Na última sessão presencial os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se momentos para a partilha e reflexão.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm; Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN; EU Science Hub (2018). Self-reflection tool for digitally capable schools (SELFIE). Disponível em: https://ec.europa.eu/jrc/en/digcomporg/selfie-tool; Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora; Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf.


Observações

Despacho n.º 2053/2021 - dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente. - aprovada por unanimidade a sua relevância, em sede de reunião do conselho de diretores do CFAE AltoTejo, realizada em de 27/10/2022

A ação só será desenvolvida com pelo menos 10 formandos.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 20-10-2022 (Quinta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
2 27-10-2022 (Quinta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
3 29-10-2022 (Sábado) 09:30 - 12:30 3:00 Presencial
4 03-11-2022 (Quinta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
5 10-11-2022 (Quinta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
6 17-11-2022 (Quinta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
7 24-11-2022 (Quinta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
8 30-11-2022 (Quarta-feira) 18:00 - 22:00 4:00 Presencial

Ref. 168ACD 03 I T01 Em avaliação

Registo de acreditação: ACD03 I 22.23 I CFAE AltoTejo

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 19-10-2022

Fim: 19-10-2022

Regime: Presencial

Local: Auditório AE Afonso de Paiva

Formador

Basilina Aurora Carvalho Oliveira

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

A. E. Afonso de Paiva

Objetivos

1. Legislação aplicável 2. Tipologia das Medidas de suporte à Aprendizagem e à Inclusão 3. Modelos da EMAEI utilizados no Agrupamento 4. Processo de Identificação de Necessidades de Medidas de suporte à Aprendizagem e à Inclusão/Procedimentos 5. Acompanhamento/monitorização/avaliação das medidas

Conteúdos

A formação preconiza a adoção de uma metodologia predominantemente ativa, em que serão utilizados os métodos expositivo participado e demonstrativo para a transmissão dos conteúdos programáticos e das técnicas básicas, privilegiando-se a realização de exercícios práticos para operacionalização dos conhecimentos.


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 19-10-2022 (Quarta-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Presencial

Ref. 167ACD 02 I T01 Em avaliação

Registo de acreditação: ACD02 I 22.23 I CFAE AltoTejo

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 17-10-2022

Fim: 17-10-2022

Regime: e-learning

Local: Online - Plataforma MS Teams_17h30-20h30

Formador

Carla Manuela Henriques Roque Nunes

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial do A.E. Afonso de Paiva

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

A.E. Afonso de Paiva

Conteúdos

1. Introdução ao Book Creator: a) Painel de trabalho e funcionalidades; b) Exploração da ferramenta e propostas de trabalho. 2. Questões, dúvidas e esclarecimentos.

Metodologias

Metodologia: A formação preconiza a adoção de uma metodologia predominantemente ativa, em que serão utilizados os métodos expositivo participado e demonstrativo para a transmissão dos conteúdos programáticos e das técnicas básicas, privilegiando-se a realização de exercícios práticos para operacionalização dos conhecimentos.


Observações

Reunião MS Teams agendada. VÍDEOCONFERÊNCIA Dia e Hora: 17 outubro 2022 17:30 PM Castelo Branco (Total: 3 horas)

Oportunamente será enviado link aos formandos. Apenas para docentes em exercício de funções no A.E. Afonso de Paiva.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 17-10-2022 (Segunda-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona

Ref. 160CFAE01/22.23 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-112567/21

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 10-09-2022

Fim: 12-10-2022

Regime: Presencial

Local: Proença a Nova

Formador

João Paulo Ramos Ramalho

Destinatários

Grupos de recrutamento 260 e 620

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Grupos de recrutamento 260 e 620. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Grupos de recrutamento 260 e 620.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

APEFCB/CFAE AltoTejo

Razões

O contacto com a natureza revela trazer benefícios para a saúde, tais como a capacidade de recuperação dos níveis de concentração ouaté mesmo para contrariar os comportamentos sedentários trazidos pelas tecnologias não móveis (ex.: consolas de jogos,computadores, entre outros). Neste momento podemos encontrar, em Portugal, percursos pedestres balizados, sinalizados e com standards de segurança, que nospermitem caminhar e simultaneamente estar em contacto com a natureza sem perturbar o ambiente circundante Cria-se assim umaalternativa a exercícios físicos mais complexos, e seguros para qualquer um. O pedestrianismo é, pois, a actividade desportiva, turísticae ambiental que consiste em percorrer percursos a pé ao longo de caminhos e trilhos, preferencialmente tradicionais ou históricos, nanatureza ou em meio urbano. Ao contrário de outras actividades de ar livre, a prática de pedestrianismo não envolve grandesdificuldades técnicas

Objetivos

• Apreender os conceitos base do pedestrianismo. • Estabelecer redes de cooperação, estimulando o trabalho colaborativo entre docentes de vários estabelecimentos de ensino. • Desenvolver práticas inovadoras de desenvolvimento da educação física, tendo por base as atividades de exploração da natureza e emparticular o pedestrianismo, dinamizadas fundamentalmente através de atividades de grupo no exterior. • Sintetizar normas que viabilizem a execução dos percursos, com manutenção da segurança e do respeito pelo meio ambiente. • Selecionar/utilizar as aplicações existentes para dispositivos móveis. • Orientar-se no espaço, recorrendo ao GPS. • Dominar os conceitos base de ORIENTAÇÃO • Interpretar a legislação e regulamentação específica da atividade. • Reconhecer e analisar as exigências técnicas, físicas e psicológicas predomiinantes da modalidade

Conteúdos

SESSÕES TEÓRICAS (4 horas) • Sessão nº 1 (4 horas) – Apresentação dos formadores. Apresentação do Curso de Formação. • Caraterização generalizada das atividades de exploração da natureza, com ênfase no pedestrianismo. • Reflexão sobre os contributos destas atividades (e da sua abordagem), para o desenvolvimento global do aluno, bem como asinterligações possíveis com as restantes disciplinas curriculares. • A didática e a pedagogia, “sempre de mão dada”, no ensino das atividades de exploração da natureza. SESSÕES PRÁTICAS (21 horas) – 3 Percursos de Pequena Rota • Sessão Nº 2 – PR 15 – Viagem à Pré-História – Arouca Geopark • Sessão Nº 3 – PR 1 – Rota dos Rios e das Levadas – Vila Chã, Oliveira de Frades • Sessão Nº 4 - PR2 - Um Olhar Sobre o Mundo Rural – Carvalhal de Vermilhas e Vouzela No início de todas as sessões práticas será feito o enquadramento de âmbito

Metodologias

A ação terá um carácter maioritariamente prático, realizado em meio ambiente natural, aproveitando os diferentes tipos de percurso depequena rota (PR), nomeadamente os de âmbito paisagístico, natural e histórico. Será composta por 4 sessões, em que a primeira, de 4 horas, será teórica. As restantes serão eminentemente práticas, e terão o seguinte “programa tipo” 1. Viagem até ao local 2. Breefing sobre os assuntos relativos ao PR em causa, nomeadamente: Enquadramento natural/geológico/histórico e social – entrega de desdobrável 3. Realização da 1º parte do percurso 4. Pausa para almoço 5. Realização da 2ª parte do percurso 6. Final do percurso – reflexão sobre a atividade.

Avaliação

Os formandos serão avaliados na escala de 1 a 10, de acordo com o despacho nº 4595/2015, do Secretário de Estado do Ensino e daAdministração Escolar. A avaliação dos formandos depende da frequência mínima de 2/3 das horas de formação presencial.

Modelo

Critérios de avaliação: Empenho e participação nas sessões – 60% Realização e apresentação de um trabalho individual de reflexão sobre a formação vivenciada – 40%

Bibliografia

Programas de Educação Física (ensino básico e ensino secundário)(2001) . Direção Geral da Educação. Tovar, Z. (2010)Carvalho, P. (2010). Pedestrianismo e percursos pedestres. Cadernos de Geografia, Nº 28/29. Centro de estudos degeografia e ordenamento do território. Carvalho, P. (2010). Pedestrianismo


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 10-09-2022 (Sábado) 09:30 - 13:30 4:00 Presencial
2 10-09-2022 (Sábado) 15:00 - 18:00 3:00 Presencial
3 18-09-2022 (Domingo) 08:30 - 13:30 5:00 Presencial
4 18-09-2022 (Domingo) 15:00 - 17:00 2:00 Presencial
5 08-10-2022 (Sábado) 08:30 - 13:30 5:00 Presencial
6 08-10-2022 (Sábado) 15:00 - 18:00 3:00 Presencial
7 12-10-2022 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial

Ref. 161ACD01I 22.23 I Concluída

Registo de acreditação: ACD01 I 22.23 I CFAE AltoTejo

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 13-09-2022

Fim: 13-09-2022

Regime: e-learning

Local: Online - Plataforma MS Teams

Formador

Carla Manuela Henriques Roque Nunes

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

A. E. Afonso de Paiva

Conteúdos

1. Introdução ao MS Teams: a) Equipas/ Turmas (normas de conduta, criação e definições das equipas); b) Reuniões – Principais funcionalidades (conversas, videoconferência, chamada, notas ...); c) Separadores (identificação, criação e definições): d) Publicações (anúncios, conversas, respostas…); e) Ficheiros (pasta material de aula, pastas e sincronização com Sharepoint, edição de documentos online); f) Home Page (site…); g) Bloco de Notas Escolares; h) Tarefas (criação, agendamento, reutilização; Progress Reading;…); i) Avaliações (rubricas…); j) Reflect (SEL); k) Insights (monitorização); l) Canais (adicionar canais/ membros e definições e funcionalidades dos canais, …); m) Calendário (Agendamento de uma reunião e opções da reunião, …);


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 13-09-2022 (Terça-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona

Ref. 12605/T3 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-106753/19

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 14-06-2022

Fim: 11-07-2022

Regime: Presencial

Local: Plataforma Digital

Formador

Pedro Rafael Neto Gomes

Destinatários

Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE AltoTejo

Razões

As tecnologias ubíquas constituem um meio em constante mutação e, consequentemente, capazes de produzir inúmeras inovações. Entendemos, por isso, que urge repensar a integração em contexto educativo de ferramentas emergentes, como por exemplo os smartphones ou tablets, acompanhadas de metodologias inovadoras . A metodologia da aula invertida altera o paradigma da sala de aula habitual, utilizando ferramentas educacionais online. A ideia principal é passar o conhecimento básico para fora da sala de aula e usar o tempo de aula para atividades que aprofundam esse conhecimento. De entre as vantagens associadas a esta nova abordagem destacam-se o envolvimento mais ativo dos alunos nas suas aprendizagens e em atividades mais significativas, o respeito pelo ritmo de aprendizagem de cada aluno e o facto do uso da tecnologia ser flexível e apropriada para a aprendizagem do séc. XXI.; O aluno envolve-se mais na sua própria aprendizagem e torna-se mais autónomo quando sabe exatamente quais os desafios de aprendizagem que tem que superar. O facto de esses dispositivos permitirem armazenar uma grande e diversificada quantidade de informação, associada de uma maior flexibilidade, possibilita que o aluno possa aprender ao seu próprio ritmo, seguir os seus próprios interesses e, potencialmente, aumentar a sua motivação na procura de oportunidades de aprendizagem. É necessário que sejam criadas condições globais para que os professores possam responder aos desafios que a escola atual lhes coloca. Potenciando os benefícios das tecnologias, e desta em particular, em reais contextos de mudança, poder-se-á contribuir para uma melhoria significativa da educação, indo ao encontro dos interesses dos alunos.

Objetivos

Conhecer teorias de aprendizagem, metodologias e modelos para a implementação da aula invertida;Identificar os fatores de natureza concetual e operacional e refletir sobre os efeitos e implicações da utilização da aula invertida, Apps e mobile-learning na vida escolar;Conhecer os desafios inerentes à integração do mobile-learning nas instituições educativas;Favorecer a emergência de novas práticas pedagógicas ao nível dos professores potenciando os benefícios da utilização da metodologia da aula invertida na renovação dos contextos de aprendizagem e eficiência do processo educativo;Refletir, conhecer e utilizar as potencialidades das Apps, do mobile-learning e da metodologia da aula invertida nas didáticas específicas de cada grupo de docentes;Promover a divulgação e partilha de materiais, metodologias e práticas no âmbito da integração, em contexto educativo, fomentando a divulgação e utilização de materiais segundo os princípios dos Recursos Educativos Abertos (Open Educational Resources - OER);Desenvolver competências pessoais, sociais e profissionais de forma a gerar respostas inovadoras às necessidades da sociedade atual.

Conteúdos

Conteúdos do trabalho presencial (16 horas presenciais, em sala de aula, e 9 horas presenciais síncronas, com recurso à plataforma moodle do CFAE): 1.A aula invertida como uma metodologia (2 horas);1.1.Conceitos;1.2.Princípios gerais;1.3. Condicionantes e estratégias de implementação. 2. O mobile-learning (3 horas);2.1.Conceitos;2.2.Princípios gerais;2.3.Bring Your Own Device (BYOD) como forma de integração do mobile-learning;2.4. Condicionantes e estratégias de integração. 3. A utilização pedagógica de Apps (9 horas - 3 horas presenciais e 6 horas síncronas, a distância);3.1.O paradigma digital e as dinâmicas da comunicação e interação;3.2. Suportes de informação multimédia;3.3.As Apps e a aprendizagem colaborativa;3.4. As Apps em contexto educativo;3.5. As Apps e a renovação dos espaços e tempos dos contextos de aprendizagem;3.6. Exploração de recursos educacionais disponíveis na Internet - OER;3.7. A Formação Contínua de Docentes no âmbito da integração das Apps nos contextos de aprendizagem dos diferentes grupos de docentes;3.8. Prática – Elaboração de recursos educativos para a implementação de uma aula invertida. 4. A aula invertida, as Apps e o mobile-learning learning (8 horas - 5 horas presenciais e 3 horas síncronas, a distância);4.1.Nas didáticas específicas de cada grupo de docentes;4.2. Prática – Apresentação de recursos criados e propostas metodológicas adotadas pelos formandos;a..Avaliação dos produtos da Oficina (2 horas);b.Avaliação da Ação e dos Formandos. Trabalho autónomo (25 horas assíncronas supervisionadas pelos formadores)

Metodologias

A formação decorre na modalidade de blended-learning, apoiada na plataforma Moodle do CFAE Altotejo ou outra, contempla a comunicação síncrona (sessões presenciais conforme calendarização) e assíncrona (horas decorrentes do trabalho autónomo dos formandos) através da participação em chats e fóruns; a criação de um glossário com termos relacionados com a temática da formação. Em todos estes espaços de formação é intuito dos formadores promover momentos de debate, partilha de ideias e de experiências com vista a uma reflexão crítica da utilização das Apps e do mobile-learning em contexto educativo, com particular destaque para a aula invertida e teorias, modelos e abordagens pedagógicas, efeitos produzidos e desafios emergentes. Apresentação da Oficina, dos efeitos pretendidos e discussão dos conteúdos e trabalho autónomo esperado (1 hora).

Avaliação

A avaliação dos formandos será feita de uma forma quantitativa, numa escala de 1 a 10 e tendo em conta o disposto na Circular CCPFC-3/2007, bem como o constante do Dec-Lei nº 15/2007, de 19 de janeiro, no que se refere ao sistema de avaliação e classificação dos docentes .

Modelo

A avaliação dos formandos terá ainda em conta o seguinte : . elaboração de dois produtos de formação - projeto/plano de atividade/planificação de aula - a serem implementados em contexto educativo, com recurso a diferentes ferramentas apresentadas e utilizadas na formação, envolvendo a utilização de Apps, a modalidade de mobile-learning no âmbito da metodologia da aula invertida. Todos os trabalhos realizados no decorrer da formação, tal como o relatório deverão ser desenvolvidos em formato digital e submetidos como “Trabalho” na disciplina criada, no Moodle do CFAE, para apoio à respetiva formação.

Bibliografia

Santos, I., Guimarães, D, e Carvalho, A. A. A. (2014). Flipped Classroom: Uma Experiência Com Alunos do 8º Ano na Unidade de Sólidos Geométricos. In Miranda, G. L., Matos, J. F., Pedro, N., Costa F. A., Runa, A., Nunes, C., Coelho J., Monteiro M. E., Brás, P. (Orgs). ticEduca'2104 - III Congresso Internacional TIC e Educação, pp. 338-342. Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa. Santos, I., Guimarães, D., e Carvalho, A. A. (2014a). A aula invertida em Matemática: uma experiência com alunos do 8º ano no estudo de Geometria. In M. Pinto (Orgs.), Livro de resumos do II Encontro Internacional da Casa das Ciências. Porto: Instituto Superior de Engenharia do Porto, pp. 43-44. Attewell, J., Savill-Smith, C., e Douch, R. (2009). The impact of mobile learning: Examining what it means for teaching and learning. London: LSN. Bergmann. J., e Sams, A. (2012a). How the Flipped Classroom Is Radically Transforming Learning. Retirado de http://goo.gl/Puhi1D. Fulton, K. (2012). Upside Down and Inside Out: Flip Your Classroom to Improve Student Learning. Learning and Leading With Technology, June-July, pp. 13-17, ISTE. Retirado de http://files.eric.ed.gov/fulltext/EJ982840.pdf.


Observações

Despacho n.º 2053/2021 - dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente. - aprovada por unanimidade a sua relevância, em sede de reunião do conselho de diretores do CFAE AltoTejo, realizada em de 27/10/2022


Ref. 14001B I T2 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-106822/19

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 02-05-2022

Fim: 13-07-2022

Regime: Presencial

Local: Proença a Nova/Sertã

Formador

Joaquim Manuel Antunes Faustino

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE AltoTejo

Razões

A avaliação pedagógica tem assumido uma centralidade inegável nas políticas educativas e curriculares, com efeitos concretos nas práticas de ensino e aprendizagem, designadamente na promoção do “sucesso escolar”. A publicação do Decreto-Lei nº 55/2018, de 6 de julho, consagra mudanças significativas ao nível do currículo, assumindo um dos seus princípios orientadores: a “afirmação da avaliação das aprendizagens como parte integrante da gestão do currículo enquanto instrumento ao serviço do ensino e das aprendizagens”. Refere ainda o caráter formativo da avaliação pedagógica como um dos pilares da melhoria da qualidade do ensino e da aprendizagem. Importa, pois, que os professores consolidem estas mudanças de modo contextualizado e que aprofundem competências e conhecimentos inerentes ao processo de avaliação das aprendizagens, nomeadamente, através de desenvolvimento de projetos pedagógicos e didáticos em torno de práticas de avaliação formativa, feedback e participação, critérios de avaliação e processos de recolha de informação. Deste modo, visa-se capacitar e apoiar os docentes para a construção dos recursos inovadores necessários e ajustados aos seus contextos educativos específicos, promovendo-se ainda a implementação e análise dos mesmos, tendo em vista o seu aperfeiçoamento ou reformulação.

Objetivos

- Contribuir para o desenvolvimento de competências e conhecimentos no domínio da avaliação, em geral, e da avaliação pedagógica, em particular, congruentes com o real conteúdo das orientações constantes nos documentos legais; - Promover práticas de trabalho colaborativo e cooperativo na construção e desenvolvimento de projetos de avaliação pedagógica em contexto de sala de aula; - Elaborar recursos educativos de suporte ao desenvolvimento dos projetos de avaliação pedagógica; - Permitir a troca de materiais e experiências, o esclarecimento de dúvidas e a geração de ideias e projetos de natureza pedagógica e didática; - Incrementar práticas de formação de natureza investigativa que confiram competências aos professores para lidar com a mudança e a inovação no âmbito da avaliação pedagógica.

Conteúdos

1. Enquadramento curricular: documentos de referência – 3 horas; 2. Natureza e Fundamentos da Avaliação - 1 hora; 3. Avaliação formativa e avaliação sumativa - 4 horas; 4. Feedback: natureza, distribuição e utilização por alunos e professores- 4 horas; 5.Aprendizagens Essenciais, Critérios de avaliação, Descritores de Níveis de Desempenho e de Standards. - 4 horas; 6. Processos de recolha de informação - 4 horas; 7. Apresentação, discussão e avaliação dos projetos e materiais desenvolvidos no âmbito da oficina - 5 horas.

Metodologias

sessões presenciais Neste âmbito, os formandos desenvolverão trabalho colaborativo e cooperativo, com o devido enquadramento teórico, em torno da construção de projetos e de materiais para a respetiva implementação em contexto real de aprendizagem, assim como a reflexão crítica, a par e passo, sobre os resultados obtidos e as mudanças que deverão ser adotadas. Sessões autónomas Estas sessões serão realizadas em contexto real de aprendizagem com o desenvolvimento e a aplicação dos projetos pedagógicos e didáticos, assim como dos materiais elaborados numa lógica de investigação-ação, sendo criada uma comunidade de prática.

Avaliação

De acordo com o RJFCP – Decreto-Lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro - e nos termos dos nºs 5 e 6, do artigo 4.º do Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio, valorizando-se uma lógica formativa e de acompanhamento. Assim, a avaliação dos formandos terá incidência: (1) Na participação e no trabalho contínuo realizado ao longo das sessões presenciais; (2) Na componente de trabalho individual, tendo em conta a qualidade dos projetos e materiais produzidos e apresentados em plenário.

Modelo

Assim, a avaliação dos formandos terá incidência: (1) Na participação e no trabalho contínuo realizado ao longo das sessões presenciais; (2) Na componente de trabalho individual, tendo em conta a qualidade dos projetos e materiais produzidos e apresentados em plenário.

Bibliografia

Brookhardt, S. (2013). How to create rubrics for formative assessment and grading. ASCD: Alexandria, Virginia. Brookhardt, S. (2008). How to give effective feedback to your students. ASCD: Alexandria, Virginia. Fernandes, D. (2011). Articulação da aprendizagem, da avaliação e do ensino: Questões teóricas, práticas e metodológicas. J. M. DeKetele & M. P. Alves (Orgs.), Do currículo à avaliação, da avaliação ao currículo, pp. 131-142. Porto: Porto Editora. [http://repositorio.ul.pt/handle/10451/6988] Fernandes, D. (2004). Avaliação das aprendizagens: Uma agenda, muitos desafios. Cacém: Texto Editores. [http://repositorio.ul.pt/handle/10451/5509]


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 02-05-2022 (Segunda-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
2 18-05-2022 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
3 26-05-2022 (Quinta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
4 01-06-2022 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
5 08-06-2022 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
6 22-06-2022 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
7 06-07-2022 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
8 13-07-2022 (Quarta-feira) 18:00 - 22:00 4:00 Online síncrona

Ref. 14001B I T1 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-106822/19

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 28-04-2022

Fim: 12-07-2022

Regime: Presencial

Local: Castelo Branco

Formador

Joaquim José Manteigas Picado

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE AltoTejo

Razões

A avaliação pedagógica tem assumido uma centralidade inegável nas políticas educativas e curriculares, com efeitos concretos nas práticas de ensino e aprendizagem, designadamente na promoção do “sucesso escolar”. A publicação do Decreto-Lei nº 55/2018, de 6 de julho, consagra mudanças significativas ao nível do currículo, assumindo um dos seus princípios orientadores: a “afirmação da avaliação das aprendizagens como parte integrante da gestão do currículo enquanto instrumento ao serviço do ensino e das aprendizagens”. Refere ainda o caráter formativo da avaliação pedagógica como um dos pilares da melhoria da qualidade do ensino e da aprendizagem. Importa, pois, que os professores consolidem estas mudanças de modo contextualizado e que aprofundem competências e conhecimentos inerentes ao processo de avaliação das aprendizagens, nomeadamente, através de desenvolvimento de projetos pedagógicos e didáticos em torno de práticas de avaliação formativa, feedback e participação, critérios de avaliação e processos de recolha de informação. Deste modo, visa-se capacitar e apoiar os docentes para a construção dos recursos inovadores necessários e ajustados aos seus contextos educativos específicos, promovendo-se ainda a implementação e análise dos mesmos, tendo em vista o seu aperfeiçoamento ou reformulação.

Objetivos

- Contribuir para o desenvolvimento de competências e conhecimentos no domínio da avaliação, em geral, e da avaliação pedagógica, em particular, congruentes com o real conteúdo das orientações constantes nos documentos legais; - Promover práticas de trabalho colaborativo e cooperativo na construção e desenvolvimento de projetos de avaliação pedagógica em contexto de sala de aula; - Elaborar recursos educativos de suporte ao desenvolvimento dos projetos de avaliação pedagógica; - Permitir a troca de materiais e experiências, o esclarecimento de dúvidas e a geração de ideias e projetos de natureza pedagógica e didática; - Incrementar práticas de formação de natureza investigativa que confiram competências aos professores para lidar com a mudança e a inovação no âmbito da avaliação pedagógica.

Conteúdos

1. Enquadramento curricular: documentos de referência – 3 horas; 2. Natureza e Fundamentos da Avaliação - 1 hora; 3. Avaliação formativa e avaliação sumativa - 4 horas; 4. Feedback: natureza, distribuição e utilização por alunos e professores- 4 horas; 5.Aprendizagens Essenciais, Critérios de avaliação, Descritores de Níveis de Desempenho e de Standards. - 4 horas; 6. Processos de recolha de informação - 4 horas; 7. Apresentação, discussão e avaliação dos projetos e materiais desenvolvidos no âmbito da oficina - 5 horas.

Metodologias

sessões presenciais Neste âmbito, os formandos desenvolverão trabalho colaborativo e cooperativo, com o devido enquadramento teórico, em torno da construção de projetos e de materiais para a respetiva implementação em contexto real de aprendizagem, assim como a reflexão crítica, a par e passo, sobre os resultados obtidos e as mudanças que deverão ser adotadas. Sessões autónomas Estas sessões serão realizadas em contexto real de aprendizagem com o desenvolvimento e a aplicação dos projetos pedagógicos e didáticos, assim como dos materiais elaborados numa lógica de investigação-ação, sendo criada uma comunidade de prática.

Avaliação

De acordo com o RJFCP – Decreto-Lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro - e nos termos dos nºs 5 e 6, do artigo 4.º do Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio, valorizando-se uma lógica formativa e de acompanhamento. Assim, a avaliação dos formandos terá incidência: (1) Na participação e no trabalho contínuo realizado ao longo das sessões presenciais; (2) Na componente de trabalho individual, tendo em conta a qualidade dos projetos e materiais produzidos e apresentados em plenário.

Modelo

Assim, a avaliação dos formandos terá incidência: (1) Na participação e no trabalho contínuo realizado ao longo das sessões presenciais; (2) Na componente de trabalho individual, tendo em conta a qualidade dos projetos e materiais produzidos e apresentados em plenário.

Bibliografia

Brookhardt, S. (2013). How to create rubrics for formative assessment and grading. ASCD: Alexandria, Virginia. Brookhardt, S. (2008). How to give effective feedback to your students. ASCD: Alexandria, Virginia. Fernandes, D. (2011). Articulação da aprendizagem, da avaliação e do ensino: Questões teóricas, práticas e metodológicas. J. M. DeKetele & M. P. Alves (Orgs.), Do currículo à avaliação, da avaliação ao currículo, pp. 131-142. Porto: Porto Editora. [http://repositorio.ul.pt/handle/10451/6988] Fernandes, D. (2004). Avaliação das aprendizagens: Uma agenda, muitos desafios. Cacém: Texto Editores. [http://repositorio.ul.pt/handle/10451/5509]


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 28-04-2022 (Quinta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
2 10-05-2022 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
3 24-05-2022 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
4 31-05-2022 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
5 07-06-2022 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
6 21-06-2022 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
7 05-07-2022 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
8 12-07-2022 (Terça-feira) 18:00 - 22:00 4:00 Online síncrona