Contactos
Escola Secundária Nuno Álvares - Av. Nuno Álvares 6000-083 Castelo Branco
TEL: 272321133 TLM: 964688244

Oferta Formativa

Consulte informações sobre a oferta formativa

Documentos

Consulta e download de documentos e formulários.

Legislação

Consulte a legislação em vigor

PÁGINA ELETRÓNICA DO CFAE ALTOTEJO

 

PLANO DE TRANSIÇÃO DIGITAL

NOTA: Sendo este o último ano do Plano de Transição Digital, informamos que poderão inscrever-se nas ações de formação correspondentes ao vosso nível de capacitação, independentemente dos locais onde estas se realizem.

Pretende-se assim que todos os docentes possam frequentar as referidas ações de Capacitação Digital.

DIVULGAÇÃO

233

Capacitação Digital de Docentes – Nível 3
Professores do 1º Ciclo; Professores do 2º Ciclo; Professores do 3º Ciclo e Secundário;

Oficina

 

50.0 horas

 

Presencial

 

Professores do 1º Ciclo; Professores do 2º Ciclo; Professores do 3º Ciclo/Ensino Secundário; Professores da Educação Especial;

A. E. Amato Lusitano

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa ...
Ler mais Ler menos

Ref. 13903 I T6 Inscrições abertas até 03-02-2023

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-110070/20

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 08-02-2023

Fim: 29-03-2023

Regime: Presencial

Local: A. E. Amato Lusitano

Formador

Filipe Manuel da Conceição Franco

Destinatários

Professores do 1º Ciclo; Professores do 2º Ciclo; Professores do 3º Ciclo/Ensino Secundário; Professores da Educação Especial;

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do 1º Ciclo; Professores do 2º Ciclo; Professores do 3º Ciclo/Ensino Secundário; Professores da Educação Especial;. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE AltoTejo

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as competências digitais dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 3) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de CD dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Pretende-se desenvolver com os docentes de nível 3 (C1/C2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e de processos que lhes permita potenciar as suas competências digitais na promoção de estratégias e ações inovadoras na comunidade educativa. São objetivos específicos: - formular estratégias pedagógicas inovadoras e promotoras das CD dos docentes e alunos; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - promover o desenvolvimento de ações que contribuam para os Plano de Ação para o Desenvolvimento Digital das suas escolas; - promover e estimular a reflexão, a partilha e a utilização crítica das tecnologias digitais em contexto educativo.

Conteúdos

Os conteúdos da ação surgem, em sentido articulado e incremental, com os conteúdos da formação de nível 1 e 2. - Exploração de documentos de enquadramento das políticas educativas. - Discussão, renovação e inovação na prática profissional. - Reflexão em torno de conceitos relacionados com escolas, professores e alunos digitalmente competentes. - Utilização das tecnologias digitais na colaboração e inovação pedagógica ao serviço da comunidade educativa. - Estratégias e metodologias relacionadas com o desenvolvimento curricular através de ambientes e ferramentas digitais. - Estratégias digitais de caráter científico-pedagógico promotoras do desenvolvimento profissional dos docentes. - Planeamento de atividades didático-pedagógicas promotoras do desenvolvimento da competência digital dos alunos. - Conceção de Planos de Ação para o Desenvolvimento Digital: conceitos, metodologias de desenvolvimento, implementação, monitorização, avaliação.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do referencial DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas inovadoras num ambiente colaborativo, de partilha e de reflexão; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação, partilha e avaliação; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento da componente de trabalho autónomo. Ao longo das sessões conjuntas estimular-se-á a criação e/ou participação e colaboração em comunidades de prática neste âmbito. Trabalho Autónomo: No trabalho autónomo pretende-se estimular a planificação e conceção de ações que contribuam para a criação dos Planos de Ação de Desenvolvimento Digital, bem como para a sua regular monitorização e posterior avaliação. Na última sessão presencial os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se momentos para a partilha e reflexão.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm; Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN; EU Science Hub (2018). Self-reflection tool for digitally capable schools (SELFIE). Disponível em: https://ec.europa.eu/jrc/en/digcomporg/selfie-tool; Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora; Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf.


Observações

Despacho n.º 2053/2021 - dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente. - aprovada por unanimidade a sua relevância, em sede de reunião do conselho de diretores do CFAE AltoTejo, realizada em de 27/10/2022

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 08-02-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 15-02-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
3 22-02-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
4 01-03-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
5 08-03-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
6 15-03-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
7 22-03-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
8 29-03-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 22:30 4:00 Presencial

INSCREVER-ME

233
287

Indisciplina(s) na escola: Para uma prática integrada e sustentada de intervenção
A ação só será desenvolvida com pelo menos 10 formandos.

Oficina

 

50.0 horas

 

Presencial

 

Professores do 1º Ciclo; Professores do 2º Ciclo; Professores do 3º Ciclo/Ensino Secundário;

Castelo Branco

A indisciplina e violência nas escolas são sentidas como fatores que contribuem para o aumento dos índices de mal-estar e stress nos diferentes agentes educativos e nos alunos. De acordo com a literatura no domínio, a problemática tende a agravar-se, o que justifica uma leitura e intervenção integradas por ...
Ler mais Ler menos

Ref. 19120/T1_POCH Inscrições abertas até 06-02-2023

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-117253/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 09-02-2023

Fim: 03-05-2023

Regime: Presencial

Local: Castelo Branco

Formador

Andreia Sofia Rodrigues Balas

Destinatários

Professores do 1º Ciclo; Professores do 2º Ciclo; Professores do 3º Ciclo/Ensino Secundário;

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do 1º Ciclo; Professores do 2º Ciclo; Professores do 3º Ciclo/Ensino Secundário;. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE AltoTejo/POCH

Razões

A indisciplina e violência nas escolas são sentidas como fatores que contribuem para o aumento dos índices de mal-estar e stress nos diferentes agentes educativos e nos alunos. De acordo com a literatura no domínio, a problemática tende a agravar-se, o que justifica uma leitura e intervenção integradas por parte das escolas e dos diferentes intervenientes no processo educativo. Trata-se de um fenómeno complexo que se manifesta de diversos modos e graus de intensidade, com génese em múltiplos fatores de ordem social, familiar, pessoal e escolar (Amado, 2000; Amado & Freire, 2009; Lopes, 2009; Menezes, 2003).

Objetivos

• Aprofundar conhecimentos sobre os fenómenos de indisciplina, bullying e violência escolar; • Desenvolver competências de comunicação, relacionamento interpessoal e gestão de conflitos; • Reforçar uma atitude proativa na resolução de situações-problema e promocional do clima psicossocial das respetivas escolas; • Desenvolver estratégias de intervenção dirigidas à promoção do clima psicossocial das respetivas escolas e à prevenção e tratamentode situações de indisciplina; • Privilegiar práticas integradas e sustentadas de intervenção nos fenómenos de indisciplina, bullying e violência escolar;

Conteúdos

• A formação recorrerá a metodologias expositivas, interrogativas e ativas. Pretende-se iniciar a exposição de conteúdos com umlevantamento dos conhecimentos e experiências prévios dos formandos, de forma a valorizar os conhecimentos e competências jáadquiridos em contexto real. Sempre que possível, serão privilegiadas metodologias ativas na abordagem aos conteúdos da ação, • Sessões teórico-práticas (exposição de conteúdos, debate de temáticas, análise de casos e acompanhamento da componente prática); • Sessões de trabalho autónomo e participativo (concepção, execução e avaliação de projeto);

Metodologias

Trabalho presencial I. Contextualização da problemática (6 horas ) Definição e caracterização de indisciplina, bullying e violência escolar; Tipologias associadas (alunos problemáticos; comportamentos problemáticos; níveis de indisciplina);Formas típicas de atuação; II. Estratégias de intervenção nos fenómenos de indisciplina, bullying e violência escolar Prevenção daindisciplina (ao nível da sala de aula, ao nível da escola) (3 horas); Correção da indisciplina (integração/estimulação, dominação/imposição, dominação/ressocialização)( 3horas ); Punição da indisciplina (2 horas); III. Projetos de intervenção nos fenómenos de indisciplina, bullying e violência escolar Prevenção da indisciplina (e.g., Ser+ - Programa de Promoção do Clima Psicossocial) ( 4 horas); Correção daindisciplina (e.g., Vamos cooperar! - Programa de tutoria de pares e de mediação de conflitos) ( 4horas); Outros projetos de intervenção (3 horas) Trabalho autónomo • Análise de projetos de intervenção na indisciplina; • Elaboração de projeto de intervenção na indisciplina a aplicar na respetiva escola/turma; • Implementação do projeto, ou parte do mesmo, na respetiva escola/turma; • Avaliação dos projetos desenvolvidos;

Avaliação

A avaliação da oficina é feita: a) pelos formandos: resposta a um inquérito elaborado para o efeito e pela reflexão crítica. b) pelo formador: Um relatório elaborado para o efeito c) pelo centro de formação: elaboração de um relatório global de avaliação com base nos instrumentos avaliativos utilizados por formandos e formador

Bibliografia

Amado, J. (2000). A construção da disciplina na escola. Suportes teórico-práticos. Porto: CRIAP/ASA. Amado, J. & Freire, I. (2009). A(s) indisciplina(s) na escola. Compreender para prevenir. Coimbra: Almedina. Carvalho, M. (2008/2009).


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 09-02-2023 (Quinta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
2 16-02-2023 (Quinta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
3 02-03-2023 (Quinta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
4 09-03-2023 (Quinta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
5 16-03-2023 (Quinta-feira) 18:00 - 21:30 3:30 Presencial
6 22-03-2023 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
7 23-03-2023 (Quinta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
8 29-03-2023 (Quarta-feira) 18:00 - 21:30 3:30 Presencial

INSCREVER-ME

287
234

As narrativas digitais em contexto educativo
grupos 100, 110 e 120. Só será desenvolvida com pelo menos 10 formandos.

Oficina

 

50.0 horas

 

b-learning

 

grupos 100, 110 e 120

A. E. Nuno Álvares

A ação só se será desenvolvida com um mínimo de 10 formandos.
Ler mais Ler menos

Ref. 15707 I T1 Inscrições abertas até 08-02-2023

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-116774/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 13-02-2023

Fim: 27-03-2023

Regime: b-learning

Local: A. E. Nuno Álvares

Formador

Pedro Rafael Neto Gomes

Destinatários

grupos 100, 110 e 120

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de grupos 100, 110 e 120. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE AltoTejo

Razões

Através das ferramentas digitais disponíveis, é possibilitada a implementação de diferentes estratégias que colocam o aluno no centro do processo, permitindo que a utilização das TIC se faça numalógica de produção, e não, de consumo da informação disponível na web. Ao longo do tempo, têm surgido diversas ferramentas capazes de animar estórias e personagens. Esses recursos permitemque estas estórias saltem do mundo imaginário para um mundo real, colorido e animado. No decorrer da formação, será possível definir ações estratégicas de ensino, promotoras de situações deaprendizagem significativa, que convoquem os quatro domínios de trabalho enunciados no documento Orientações Curriculares (Comunicar e Colaborar, bem como Criar e Inovar).

Objetivos

Estimular os docentes para a utilização de estratégias pedagógicas promotoras de metodologias diversificadas e inovadoras; Promover boas práticas na planificação e produção de narrativas digitais; Dotar os docentes de conhecimentos essenciais para a criação de narrativas digitais; Utilizar hardware de captação (imagem, áudio e vídeo); Operar um software de edição (imagem, áudio e vídeo).

Conteúdos

Módulo I – As narrativas digitais em contexto educativo (3 horas – presencial) As potencialidades das narrativas digitais em contexto educativo; O estudo da narrativa, a escrita da narrativa e a construção da narrativa digital; A importância dos cenários: organização estética, observativa e planos da câmara; Visualização de diferentes tipos de narrativas digitais; Som e imagem: a importância na narrativa digital; Storyboard / guião; Direitos de autor e Regulamento Geral para a Proteção de Dados (RGPD) (cuidados e recomendações). Módulo II - Ferramentas de captação e de edição de imagem (4 horas – 2 horas síncronas +2 horas assíncronas) Formatos e suportes de imagem; Hardware e software de aquisição de imagem; Apresentação de ferramentas de edição de imagem; Exploração de ferramentas de edição de imagem. Módulo III - Ferramentas de captação e de edição de áudio (4 horas – 2 h síncronas + 2h assíncronas) Hardware e software de captura de som; Técnicas de captura de áudio; Utilização de camadas em composição multipista; Edição e transformação de pistas de áudio; Transições e efeitos de áudio; Edição de áudio; Formatos de exportação do projeto áudio para o ficheiro final. Módulo IV – Ferramentas de edição de vídeo (7 horas - 3 horas presencial + 2 horas síncronas + 2 horas assíncronas) Visualização de vídeos sobre a temática; Formatos e suportes de vídeo; Hardware e software de captura de vídeo; Noções sobre a captação de imagem e de áudio; Técnicas de composição de sequências com múltiplos planos; Transições e sequências de vídeo Técnicas de Render. Módulo V – Ferramentas para criar narrativas digitais (4horas –2 horas síncronas+2 horas assíncronas) O guião como elemento de apoio à produção de narrativas digitais; Apresentação e exploração de ferramentas de narrativas digitais; Integração dos vários elementos multimédia no projeto (peças de áudio e vídeo). Módulo VI – Projeto (3 horas presencial) Criação de uma narrativa digital; Apresentação e partilha do projeto.

Metodologias

Sessões Presenciais: A oficina irá decorrer na modalidade de b-Learning com sessões presenciais, síncronas e assíncronas, coma seguinte distribuição: 9h presenciais, 8h síncronas e 8h assíncronas. O formador irá recorrer a plataformas Moodle ede videoconferência para dinamizar as sessões. As sessões terão um caráter teórico-prático, tendo por basemetodologias maioritariamente ativas, recorrendo-se às seguintes técnicas pedagógicas: exposição, brainstorming,reflexão em grupo, seleção e análise das ideias. Incluirão ainda, e após demonstração dos diferentes sofwtares eferramentas, a sua testagem por parte dos formandos através da realização de tarefas. Na última sessão presencial,será realizada a apresentação dos projetos e respetiva discussão. Trabalho autónomo: 25h de trabalho autónomo para planificar atividades econstruir recursos, tendo em vista a sua aplicação com as crianças e os alunosem contexto educativo, utilizando os conteúdos explorados nas sessões;experimentar em contexto educativo atividades planificadas; refletir sobre aaplicação prática e o interesse educativo da utilização das narrativas digitaisem contexto educativo. Irá existir uma grande ligação entre as sessõespresenciais, síncronas e o trabalho que é realizado autonomamente.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o“Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos desenvolvidos pelos formandos, bem como a elaboração de um trabalho finalindividual (em formato multimédia) por parte dos formandos. Excelente (de 9 a 10 valores) Muito Bom (de 8 a 8,9 valores) Bom (de 6,5 a 7,9 valores) Regular (de 5 a 6,4 valores) Insuficiente (de 1 a 4,9 valores) Os formandos serão avaliados com os seguintes critérios: Participação e contributos demonstrados ao longo das sessões: 40% Trabalho de aplicação de conteúdos: 60%

Bibliografia

Carvalho, A.A. (org.), (2020) Aplicações para dispositivos móveis e estratégias inovadoras na educação Ministério da Educação, Direcão- Geral da Educação, disponível emhttps://www.dge.mec.pt/noticias/aplicacoes-para-dispositivos-moveis-e-estrategias-inovadoras-na-educação. Martins, G. O., Gomes, C. A. S., Brocado, J. M. L., Pedroso, J. V., Carrillo, J. L. A., Silva, L. M. U., Encarnação, M. M. G. A., Horta, M. J. V., Calçada, M. T. C. S., Nery, R. F. V, & Rodrigues, S. M. C. V.(2017). Perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatória. Lisboa: Ministério da Educação e Ciência. Freire, E. P. A. (2013). Conceito educativo de Podcast: um olhar para além do foco técnico. Educação, Formação & Tecnologias, 6 (1), 35-51. ORIENTAÇÕES CURRICULARES PARA AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÁO, 1.º Ciclo do ENsino Básico, disponível em https://erte.dge.mec.pt/sites/default/files/oc_1_tic_1.pdf Podcast para Ensinar e Aprender em Contexto de Cristina Alexandra de Almeida Aguiar e Ana Amelia Amorim Carvalho


Observações

Distribuição de horas Nº de horas presenciais: 9 Nº de horas online síncrono: 8 Nº de horas online assíncrono: 8 Demonstração da existência de uma equipa técnico-pedagógica que assegure o manuseamento das ferramentas e procedimentos do formação a distância A formação será dinamizada por uma equipa de formadores acreditados na área das tecnologias na educação, detentores de vasta experiência em formação no regime a distância, bem como na configuração e manuseamento de sistemas de formação a distância. De igual modo, vários elementos da equipa de formadores estiveram envolvidos em iniciativas nacionais, tais como, o concurso “Conta-nos uma história!”, nomeadamente na dinamização de workshops com diferentes temáticas, entre outros. Demonstração da implementação de um Sistema de Gestão da Aprendizagem / Learning Management System adequado Será utilizada a plataforma moodle da Direção-Geral da Educação (DGE), para a disponibilização e partilha de recursos e para a realização de atividades por parte dos formandos. As ações de formação dinamizadas neste LMS têm o suporte de técnicos e especialistas da DGE. De igual modo, para as sessões síncronas, tirar-se-á partido da plataforma ZOOM, igualmente sob utilização deste organismo. Demonstração da avaliação presencial (permitida a avaliação em videoconferência) O registo de assiduidade nas sessões assíncronas será realizado na plataforma moodle. Nas sessões síncronas a assiduidade será comprovada pelo acesso e permanência nas salas zoom criadaspara o efeito. A avaliação será suportada pela submissão na plataforma moodle de um trabalho final. (acompanhado por declaração de autenticidade e legitimidade da autoria). Demonstração da distribuição da carga horária pelas diversas tarefas Módulo I – As narrativas digitais em contexto educativo (3horas – presencial) Módulo II - Ferramentas de captação e de edição de imagem (4horas – 2 horas síncronas + 2 horas assíncronas) Módulo III- Ferramentas de captação e de edição de áudio Módulo IV – Ferramentas de edição de vídeo (7horas - 3 horas presencial + 2 horas síncronas + 2 horas assíncronas) Módulo V – Ferramentas para criar narrativas digitais (4 horas – 2 horas síncronas + 2 horas assíncronas) MóduloVI – Projeto (3 horas presencial)

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 13-02-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 27-02-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Online síncrona
3 27-02-2023 (Segunda-feira) 20:30 - 22:30 2:00 Online assíncrona
4 06-03-2023 (Segunda-feira) 18:00 - 20:00 2:00 Online síncrona
5 06-03-2023 (Segunda-feira) 20:30 - 22:30 2:00 Online assíncrona
6 13-03-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
7 20-03-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Online síncrona
8 20-03-2023 (Segunda-feira) 20:30 - 22:30 2:00 Online assíncrona
9 22-03-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Online síncrona
10 22-03-2023 (Quarta-feira) 20:30 - 22:30 2:00 Online assíncrona
11 27-03-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial

INSCREVER-ME

234
286

PREVENÇÃO DE PATOLOGIAS DA VOZ NA CLASSE DOCENTE
A ação só será desenvolvida com pelo menos 10 formandos. Desenvolvimento adiado. Oportunamente divulgaremos novo cronograma.

Curso

 

15.0 horas

 

Presencial

 

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário

Castelo Branco

No desempenho da atividade profissional docente, a voz surge como um instrumento de trabalho com tanto de precioso como de ignorado. Esta formação tem como objetivo colmatar uma grande lacuna existente na classe docente no que diz respeito à prevenção das patologias vocais tão frequentes no seio deste ...
Ler mais Ler menos

Ref. 19019/T1_POCH Inscrições abertas até 07-02-2023

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-117256/22

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 15.0 horas

Início: 14-02-2023

Fim: 28-02-2023

Regime: Presencial

Local: Castelo Branco

Formador

Liliana Isabel Ventura Lucas

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE AltoTejo/POCH

Razões

No desempenho da atividade profissional docente, a voz surge como um instrumento de trabalho com tanto de precioso como de ignorado. Esta formação tem como objetivo colmatar uma grande lacuna existente na classe docente no que diz respeito à prevenção das patologias vocais tão frequentes no seio deste grupo profissional. Os profissionais da voz são um grupo profissional que apresenta um elevado risco vocal em virtude do tempo e condições de utilização a que diariamente expõem a sua voz. Esta formação tem como finalidade informar e contribuir para a prevenção do uso profissional da voz através da informação sobre o seu mecanismo, sinais e sintomas de patologia, e estratégias de prevenção e aquecimento vocal.

Objetivos

No final desta Oficina de Formação, os formandos deverão ser capazes de: - Conhecer o funcionamento do aparelho fonador e mecanismos básicos de produção vocal, com referência às patologias vocais mais comuns, tipos de disfonia, sintomas e fatores causais; - Dotar o profissional da voz de estratégias de prevenção de mau u so e abuso vocal; - Dotar o profissional da voz de técnicas vocais com o objectivo de potenciar o seu aparelho vocal e prevenir o aparecimento de perturbações vocais; - Por em prática um programa de aquecimento e arrefecimento vocal.

Conteúdos

- Apresentação; 0,5h - Funcionamento do a parelho fonador; 1h - Tipos de disfonia / Patologias vocais; 1h - Sintomas vocais; 1h - Estratégias de prevenção de mau uso e abuso vocal;1h - Sinais de risco/alerta de patologia vocal;1h - Impacto da patologia vocal no desempenho da profissão; 1h - Padrões de postura, respiração e projeção vocal; 2h - Técnicas facilitadoras para a promoção de uma melhor qualidade vocal; 2h - Avaliação funcional de voz; 4h - Avaliação final 0,5h

Metodologias

No início da ação de formação irá ser re alizada uma avaliação funcional de voz a cada um dos formandos. Ao longo das sessões de formação, os formandos irão ser dotados de conhecimentos que lhe permitirão melhorar o desempenho vocal individual. No final da formação irão ser realizadas novas avaliações funcionais. Cada formando será avaliado segundo a evolução da sua capacidade vocal que demonstrou adquirir no decorrer da ação de formação

Avaliação

Trabalhos práticos e reflexões efetuadas a partir das e nas sessões presenciais de acordo com os critérios previamente estabelecidos, classificados na escala de 1 a 10, conforme indicado na Carta Circular CCPFC – 3/2007 – Setembro 2007.Os formandosdeverão elaborar um relatório final.

Bibliografia

Doenças Relacionadas ao trabalho A voz do professor: um instrumento que precisa de cuidado SAÚDE VOCAL E O PROFESSOR DE ENSINO - Editora Realize



INSCREVER-ME

286
235

As narrativas digitais em contexto educativo
Grupos 100, 110 e 120. Só será desenvolvida com pelo menos 10 formandos.

Oficina

 

50.0 horas

 

b-learning

 

grupos 100, 110 e 120

Agrupamento de Escolas da Sertã

A ação só se será desenvolvida com um mínimo de 10 formandos.
Ler mais Ler menos

Ref. 15707 I T2 Inscrições abertas até 08-02-2023

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-116774/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 15-02-2023

Fim: 29-03-2023

Regime: b-learning

Local: Agrupamento de Escolas da Sertã

Formador

Pedro Rafael Neto Gomes

Destinatários

grupos 100, 110 e 120

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de grupos 100, 110 e 120. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE AltoTejo

Razões

Através das ferramentas digitais disponíveis, é possibilitada a implementação de diferentes estratégias que colocam o aluno no centro do processo, permitindo que a utilização das TIC se faça numalógica de produção, e não, de consumo da informação disponível na web. Ao longo do tempo, têm surgido diversas ferramentas capazes de animar estórias e personagens. Esses recursos permitemque estas estórias saltem do mundo imaginário para um mundo real, colorido e animado. No decorrer da formação, será possível definir ações estratégicas de ensino, promotoras de situações deaprendizagem significativa, que convoquem os quatro domínios de trabalho enunciados no documento Orientações Curriculares (Comunicar e Colaborar, bem como Criar e Inovar).

Objetivos

Estimular os docentes para a utilização de estratégias pedagógicas promotoras de metodologias diversificadas e inovadoras; Promover boas práticas na planificação e produção de narrativas digitais; Dotar os docentes de conhecimentos essenciais para a criação de narrativas digitais; Utilizar hardware de captação (imagem, áudio e vídeo); Operar um software de edição (imagem, áudio e vídeo).

Conteúdos

Módulo I – As narrativas digitais em contexto educativo (3 horas – presencial) As potencialidades das narrativas digitais em contexto educativo; O estudo da narrativa, a escrita da narrativa e a construção da narrativa digital; A importância dos cenários: organização estética, observativa e planos da câmara; Visualização de diferentes tipos de narrativas digitais; Som e imagem: a importância na narrativa digital; Storyboard / guião; Direitos de autor e Regulamento Geral para a Proteção de Dados (RGPD) (cuidados e recomendações). Módulo II - Ferramentas de captação e de edição de imagem (4 horas – 2 horas síncronas +2 horas assíncronas) Formatos e suportes de imagem; Hardware e software de aquisição de imagem; Apresentação de ferramentas de edição de imagem; Exploração de ferramentas de edição de imagem. Módulo III - Ferramentas de captação e de edição de áudio (4 horas – 2 h síncronas + 2h assíncronas) Hardware e software de captura de som; Técnicas de captura de áudio; Utilização de camadas em composição multipista; Edição e transformação de pistas de áudio; Transições e efeitos de áudio; Edição de áudio; Formatos de exportação do projeto áudio para o ficheiro final. Módulo IV – Ferramentas de edição de vídeo (7 horas - 3 horas presencial + 2 horas síncronas + 2 horas assíncronas) Visualização de vídeos sobre a temática; Formatos e suportes de vídeo; Hardware e software de captura de vídeo; Noções sobre a captação de imagem e de áudio; Técnicas de composição de sequências com múltiplos planos; Transições e sequências de vídeo Técnicas de Render. Módulo V – Ferramentas para criar narrativas digitais (4horas –2 horas síncronas+2 horas assíncronas) O guião como elemento de apoio à produção de narrativas digitais; Apresentação e exploração de ferramentas de narrativas digitais; Integração dos vários elementos multimédia no projeto (peças de áudio e vídeo). Módulo VI – Projeto (3 horas presencial) Criação de uma narrativa digital; Apresentação e partilha do projeto.

Metodologias

Sessões Presenciais: A oficina irá decorrer na modalidade de b-Learning com sessões presenciais, síncronas e assíncronas, coma seguinte distribuição: 9h presenciais, 8h síncronas e 8h assíncronas. O formador irá recorrer a plataformas Moodle ede videoconferência para dinamizar as sessões. As sessões terão um caráter teórico-prático, tendo por basemetodologias maioritariamente ativas, recorrendo-se às seguintes técnicas pedagógicas: exposição, brainstorming,reflexão em grupo, seleção e análise das ideias. Incluirão ainda, e após demonstração dos diferentes sofwtares eferramentas, a sua testagem por parte dos formandos através da realização de tarefas. Na última sessão presencial,será realizada a apresentação dos projetos e respetiva discussão. Trabalho autónomo: 25h de trabalho autónomo para planificar atividades econstruir recursos, tendo em vista a sua aplicação com as crianças e os alunosem contexto educativo, utilizando os conteúdos explorados nas sessões;experimentar em contexto educativo atividades planificadas; refletir sobre aaplicação prática e o interesse educativo da utilização das narrativas digitaisem contexto educativo. Irá existir uma grande ligação entre as sessõespresenciais, síncronas e o trabalho que é realizado autonomamente.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o“Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos desenvolvidos pelos formandos, bem como a elaboração de um trabalho finalindividual (em formato multimédia) por parte dos formandos. Excelente (de 9 a 10 valores) Muito Bom (de 8 a 8,9 valores) Bom (de 6,5 a 7,9 valores) Regular (de 5 a 6,4 valores) Insuficiente (de 1 a 4,9 valores) Os formandos serão avaliados com os seguintes critérios: Participação e contributos demonstrados ao longo das sessões: 40% Trabalho de aplicação de conteúdos: 60%

Bibliografia

Carvalho, A.A. (org.), (2020) Aplicações para dispositivos móveis e estratégias inovadoras na educação Ministério da Educação, Direcão- Geral da Educação, disponível emhttps://www.dge.mec.pt/noticias/aplicacoes-para-dispositivos-moveis-e-estrategias-inovadoras-na-educação. Martins, G. O., Gomes, C. A. S., Brocado, J. M. L., Pedroso, J. V., Carrillo, J. L. A., Silva, L. M. U., Encarnação, M. M. G. A., Horta, M. J. V., Calçada, M. T. C. S., Nery, R. F. V, & Rodrigues, S. M. C. V.(2017). Perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatória. Lisboa: Ministério da Educação e Ciência. Freire, E. P. A. (2013). Conceito educativo de Podcast: um olhar para além do foco técnico. Educação, Formação & Tecnologias, 6 (1), 35-51. ORIENTAÇÕES CURRICULARES PARA AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÁO, 1.º Ciclo do ENsino Básico, disponível em https://erte.dge.mec.pt/sites/default/files/oc_1_tic_1.pdf Podcast para Ensinar e Aprender em Contexto de Cristina Alexandra de Almeida Aguiar e Ana Amelia Amorim Carvalho


Observações

Distribuição de horas Nº de horas presenciais: 9 Nº de horas online síncrono: 8 Nº de horas online assíncrono: 8 Demonstração da existência de uma equipa técnico-pedagógica que assegure o manuseamento das ferramentas e procedimentos do formação a distância A formação será dinamizada por uma equipa de formadores acreditados na área das tecnologias na educação, detentores de vasta experiência em formação no regime a distância, bem como na configuração e manuseamento de sistemas de formação a distância. De igual modo, vários elementos da equipa de formadores estiveram envolvidos em iniciativas nacionais, tais como, o concurso “Conta-nos uma história!”, nomeadamente na dinamização de workshops com diferentes temáticas, entre outros. Demonstração da implementação de um Sistema de Gestão da Aprendizagem / Learning Management System adequado Será utilizada a plataforma moodle da Direção-Geral da Educação (DGE), para a disponibilização e partilha de recursos e para a realização de atividades por parte dos formandos. As ações de formação dinamizadas neste LMS têm o suporte de técnicos e especialistas da DGE. De igual modo, para as sessões síncronas, tirar-se-á partido da plataforma ZOOM, igualmente sob utilização deste organismo. Demonstração da avaliação presencial (permitida a avaliação em videoconferência) O registo de assiduidade nas sessões assíncronas será realizado na plataforma moodle. Nas sessões síncronas a assiduidade será comprovada pelo acesso e permanência nas salas zoom criadaspara o efeito. A avaliação será suportada pela submissão na plataforma moodle de um trabalho final. (acompanhado por declaração de autenticidade e legitimidade da autoria). Demonstração da distribuição da carga horária pelas diversas tarefas Módulo I – As narrativas digitais em contexto educativo (3horas – presencial) Módulo II - Ferramentas de captação e de edição de imagem (4horas – 2 horas síncronas + 2 horas assíncronas) Módulo III- Ferramentas de captação e de edição de áudio Módulo IV – Ferramentas de edição de vídeo (7horas - 3 horas presencial + 2 horas síncronas + 2 horas assíncronas) Módulo V – Ferramentas para criar narrativas digitais (4 horas – 2 horas síncronas + 2 horas assíncronas) MóduloVI – Projeto (3 horas presencial)

A decisão sobre o local de desenvolvimento da ação está diretamente relacionado com o numero de docentes/formandos por Agrupamento de escolas.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 15-02-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 01-03-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Online síncrona
3 01-03-2023 (Quarta-feira) 20:30 - 22:30 2:00 Online assíncrona
4 07-03-2023 (Terça-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Online síncrona
5 07-03-2023 (Terça-feira) 20:30 - 22:30 2:00 Online assíncrona
6 15-03-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
7 21-03-2023 (Terça-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Online síncrona
8 21-03-2023 (Terça-feira) 20:30 - 22:30 2:00 Online assíncrona
9 23-03-2023 (Quinta-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Online síncrona
10 23-03-2023 (Quinta-feira) 20:30 - 22:30 2:00 Online assíncrona
11 29-03-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:29 2:59 Presencial

INSCREVER-ME

235
282

MS Edge: novas funcionalidades
Apenas para docentes em exercício de funções no Agrupamento de Escolas Afonso de Paiva

ACD

 

3.0 horas

 

e-learning

 

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial do Agrupamento de Escolas Afonso de Paiva

Plataforma Digital


Ler mais Ler menos

Ref. 186ACD07 I 22.23 Inscrições abertas até 13-02-2023

Registo de acreditação: ACD 07 I 22.23 I CFAE Altotejo

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 21-02-2023

Fim: 21-02-2023

Regime: e-learning

Local: Plataforma Digital

Formador

Carla Manuela Henriques Roque Nunes

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial do Agrupamento de Escolas Afonso de Paiva

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial do Agrupamento de Escolas Afonso de Paiva. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Agrupamento de Escolas Afonso de Paiva

Conteúdos

1. MS Edge: a) Ferramentas e recursos do navegador: b) Novas funcionalidades. 2. Questões, dúvidas e esclarecimentos.

Metodologias

A formação preconiza a adoção de uma metodologia predominantemente ativa, em que serão utilizados os métodos expositivo participado e demonstrativo para a transmissão dos conteúdos programáticos e das técnicas básicas, privilegiando-se a realização de exercícios práticos para operacionalização dos conhecimentos.


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 21-02-2023 (Terça-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona

INSCREVER-ME
285

Inglês para Professores De Outras Disciplinas
A ação só será desenvolvida com pelo menos 10 formandos.

Curso

 

25.0 horas

 

Presencial

 

Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário

AE Afonso de Paiva/AE Nuno Álvares

A construção de uma cidadania global assume-se como condição sine qua non para a vivência plena da condição humana, para a consciencialização de direitos, deveres e para a criação de novos espaços de participação. A educação para a era planetária inclui a sensibilização para a diversidade linguística e ...
Ler mais Ler menos

Ref. 18917/T1_POCH Inscrições abertas até 08-02-2023

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-116542/22

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 22-02-2023

Fim: 17-05-2023

Regime: Presencial

Local: AE Afonso de Paiva/AE Nuno Álvares

Formador

Mário Jorge Ventura Catanas

Destinatários

Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE AltoTejo/POCH

Razões

A construção de uma cidadania global assume-se como condição sine qua non para a vivência plena da condição humana, para a consciencialização de direitos, deveres e para a criação de novos espaços de participação. A educação para a era planetária inclui a sensibilização para a diversidade linguística e cultural, devendo a escola cumprir a sua função de preparar os alunos para o exercício da cidadania. A Escola Secundária de Loulé tem vindo a integrar projetos educativos com escolas da União Europeia que se têm refletido positivamente em áreas de desempenho-chave da escola. Esta dinâmica tem cimentado nas estruturas de gestão de topo e intermédias o desejo de alargar o campo de ação a outras áreas e internacionalizar o seu projeto educativo. Associando este desejo à aglutinação das relações europeias entre escolas, através do Programa ERAMUS+, existe o propósito de sustentar o trabalho docente para a construção de parcerias entre escolas, empresas e entidades europeias. Assim, há que dotar os professores de outras disciplinas, comas ferramentas necessárias para comunicar e trabalhar com pares e alunos, através da língua inglesa, desenvolvendo projetos europeus nesta língua franca. Este curso parte de uma abordagem pedagógica plural, transversal às várias disciplinas, para desenvolver competências plurilingues e interculturais que potenciem o reconhecimento, a valorização e o desenvolvimento dos repertórios linguístico-comunicativos e didáticos de alunos e professores.

Objetivos

- Dotar os professores de ferramentas necessárias a uma cultura de sensibilização à diversidade linguística e cultural; - Promover, junto dos professores, a aquisição de competências plurilingue dos alunos, que estimulem uma educação plurilingue eintercultural; - Fomentar a produção, utilizando a língua inglesa, de instrumentos de trabalho e de planos de intervenção, visando uma maior eficáciadas funções exercidas; - Ampliar a motivação e a predisposição dos professores das várias disciplinas para a implementação de projetos colaborativos em que oInglês é a língua de trabalho; - Munir os docentes/formandos de algum vocabulário técnico de uso corrente destinado à situação de ensino-aprendizagem, em Inglês; - Favorecer a renovação conceptual, no âmbito da valorização plurilingue, e o desenvolvimento de atitudes facilitadoras da regulação dosprocessos de autoformação.

Conteúdos

Módulo I - 2 horas 1.1. Apresentação do Curso de Formação e organização do trabalho - Perfil pessoal e profissional dos participantes; - Apresentação da metodologia do trabalho; - Caracterização das práticas pedagógicas do grupo de formandos. Duração Horas presenciais : 25 Nº de horas acreditadas: 25 Cód. Dest. 17 Descrição Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário DCP Descrição 1.2. Paradigmas e práticas da Educação Intercultural - Educação plurilingue, literacia científica e educação para a cidadania; - O papel da aprendizagem do Inglês no currículo do Ensino Secundário. 1.3. Inteligências Múltiplas; - As vantagens para o ensino-aprendizagem da aplicação dos estudos em neurociência à prática letiva. Módulo II - 15 horas 2.1. Inglês Funcional - Inglês básico para comunicação; - Variedades mais comuns; - Ferramentas adequadas ao desenvolvimento da auto-aprendizagem da língua inglesa; - Inglês para utilização no dia-a-dia em sala de aula; - Inglês útil para os alunos; - Exemplos práticos de utilização da língua inglesa na situação de ensino-aprendizagem de outras disciplinas. Módulo III – 4 horas 3.1. CLIL - Aprendizagem Integrada de Conteúdo e Língua (CLIL); - Exploração de recursos CLIL (filmes, fichas, organizadores visuais); 3.2. Planificação de aulas em Inglês - Formulários (planificações); - Vocabulário e glossários de termos (por disciplina); - Seleção, adaptação e criação de materiais; 3.3. Atividades e instrumentos - Tarefas e atividades em Inglês; - Instrumentos de planeamento, registo e avaliação. Módulo V - 4 horas 4. Apresentação de trabalhos e avaliação do Curso de Formação.

Metodologias

Neste Curso de Formação adotar-se-ão metodologias teórico-práticas, potenciadoras de reflexão e de debate, que promovam aaquisição de conhecimentos, no âmbito do saber e do saber fazer, a partir da prática profissional e da metodologia CLIL, dando-seespecial ênfase à construção de materiais didáticos. O curso incluirá as seguintes componentes sequenciais: Sessão 1 - Teórica/Prática – presencial (2h) Sessões 2 a 6 - Teórico-práticas – presenciais (19h) Sessão 7 - Prática – presencial (4h) Cada sessão terá como ponto de partida uma agenda definida pelos conteúdos expressos que, conjugada com a experiência profissionaldos formandos, potenciará a planificação e a lecionação de aulas, usando para o efeito a língua inglesa. A última sessão será destinada à apresentação, análise e discussão das atividades desenvolvidas em trabalho de grupo (planificação de uma aula); à integração dos vários saberes construídos e à partilha de materiais.

Avaliação

Neste Curso de Formação adotar-se-ão metodologias teórico-práticas, potenciadoras de reflexão e de debate, que promovam a aquisição de conhecimentos, no âmbito do saber e do saber fazer, a partir da prática profissional e da metodologia CLIL, dando-se especial ênfase à construção de materiais didáticos. O curso incluirá as seguintes componentes sequenciais: Sessão 1 - Teórica/Prática – presencial (2h) Sessões 2 a 6 - Teórico-práticas – presenciais (19h) Sessão 7 - Prática – presencial (4h) Cada sessão terá como ponto de partida uma agenda definida pelos conteúdos expressos que, conjugada com a experiência profissional dos formandos, potenciará a planificação e a lecionação de aulas, usando para o efeito a língua inglesa. A última sessão será destinada à apresentação, análise e discussão das atividades desenvolvidas em trabalho de grupo (planificação de uma aula); à integração dos vários saberes construídos e à partilha de materiais. Regime de avaliação dos formandos A avaliação será contínua e formativa, através da valorização dos trabalhos desenvolvidos ao longo das sessões. No final do curso de formação, os formandos deverão realizar: - Uma pequena reflexão individual sobre o trabalho desenvolvido e as implicações do curso na sua prática letiva e na sua intervenção educativa (c. 3 páginas); - Apresentação por escrito, em suporte digital, e oralmente ao grupo-turma, da planificação de uma aula ou unidade, sobre conteúdos da(s) disciplina(s) lecionada(s), em inglês com as respetivas estratégias e recursos. A avaliação dos formandos basear-se-á na análise – quantitativa e qualitativa – da participação nas sessões, das tarefas diversas realizadas ao longo das mesmas, em regime presencial e autónomo, e do trabalho escrito que será apresentado na última sessão da ação. A avaliação final a atribuir aos formandos terá em conta os seguintes parâmetros e critérios de classificação: pontualidade, partilha de conhecimentos e participação nas sessões (30%); reflexão crítica (20%); trabalho escrito/oral apresentado na última sessão (50%).

Bibliografia

Andrade, A. I.; Espinha, A. (2009). Línguas e Educação: uma comunidade de desenvolvimento profissional em construção? (Livro deresumos). Aveiro: Universidade de Aveiro. Araújo, M. H.; Páscoa, T. (2002). Entre Línguas e Culturas: uma abordagem da competência de comunicação intercultural em contextoescolar. In Actas do colóquio: A Comunicação entre Culturas. Portugal: ADECI / Grupo Sietaz Byram, M. (2008). From Foreign Language Education to Education for Intercultural Citizenship: Essays and Reflections: MultilingualMatters Coyle, D.; Hood, P.; Marsh, D. (2010). Content and Language Integrated Learning. Cambridge University Press, Cambridge Deller, S.; Price, C. (2007). Teaching Other Subjects Through English. Oxford University Press, Oxford


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 22-02-2023 (Quarta-feira) 18:00 - 21:30 3:30 Presencial
2 01-03-2023 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
3 08-03-2023 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
4 15-03-2023 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
5 26-04-2023 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
6 03-05-2023 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
7 10-05-2023 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
8 17-05-2023 (Quarta-feira) 18:00 - 21:30 3:30 Presencial

INSCREVER-ME

285
295

Avaliação Externa do Desempenho Docente
Apenas para docentes pertencentes à bolsa de avaliadores Externos (SIGRHE da DGAE). Só será desenvolvida com um mínimo de 15 formandos.

ACD

 

3.0 horas

 

e-learning

 

Docentes avaliadores externos ( SIGRHE_Bolsa de Avaliadores Externos)

Plataforma Digital


Ler mais Ler menos

Ref. 196ACD19 I 22.23 Inscrições abertas até 16-02-2023

Registo de acreditação: 19 I 22.23 I CFAE Altotejo

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 23-02-2023

Fim: 23-02-2023

Regime: e-learning

Local: Plataforma Digital

Formador

Joaquim José Manteigas Picado

Destinatários

Docentes avaliadores externos ( SIGRHE_Bolsa de Avaliadores Externos)

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Docentes avaliadores externos ( SIGRHE_Bolsa de Avaliadores Externos). Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Docentes avaliadores externos ( SIGRHE_Bolsa de Avaliadores Externos).

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

CFAE AltoTejo

Conteúdos

• Quadro normativo da ADD. • Componente externa da ADD. • Ética e deontologia na avaliação do desempenho docente. • Referencial de avaliação externa: parâmetros nacionais da avaliação da componente científica e pedagógica. • Observação de aulas: instrumentos, intervenientes e técnicas. • Avaliação e classificação. • A.E.D.D. 20.21_Processo 22.23

Bibliografia

ECD _ Decreto-Lei Nº41/2012 de 21/02; ADD _ Decreto Regulamentar Nº26/2012 de 21/02; Despacho Nº13981/2012 de 26/10; Despacho Nº 12625/2012 de 27/09; Portaria Nº15/2013 de 15/01.


Observações

Apenas para os docentes pertencentes à bolsa de avaliadores externos

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 23-02-2023 (Quinta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona

INSCREVER-ME
236

Scratch como recurso educativo
A ação só será desenvolvida com pelo menos 10 formandos.

Oficina

 

30.0 horas

 

Presencial

 

Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico e Professores do Ensino Especial

A. E. Amato Lusitano

Existe a perceção generalizada de que os jovens parecem ser cada vez mais consumidores passivos pouco autónomos e menos motivados intrinsecamente para a aprendizagem em contexto escolar.A necessidade que gera o engenho a imaginação e a criatividade perdem-se para muitos ao longo do percurso escolar de 12 ...
Ler mais Ler menos

Ref. 15808 I T1 Inscrições abertas até 21-02-2023

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-116746/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 30.0 horas

Início: 28-02-2023

Fim: 28-03-2023

Regime: Presencial

Local: A. E. Amato Lusitano

Formador

Luís Paulo Afonso Gonçalves

Destinatários

Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico e Professores do Ensino Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico e Professores do Ensino Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Razões

Existe a perceção generalizada de que os jovens parecem ser cada vez mais consumidores passivos pouco autónomos e menos motivados intrinsecamente para a aprendizagem em contexto escolar.A necessidade que gera o engenho a imaginação e a criatividade perdem-se para muitos ao longo do percurso escolar de 12 anos. Como consequência os alunos não desenvolvem competências denível superior que lhes permitam transformar-se em cidadãos críticos criadores e construtores. Promove o desenvolvimento da autonomia e da criatividade a competência de resolução de problemas desenvolvendo o raciocínio lógico e o sentido crítico bem como a capacidade de cooperação comoutros. É também fundamental a exploração construção e partilha de recursos para utilizar em sala de aula (criação de situações de aprendizagem) para que todas as experiências possam frutificar e sergeneralizadas abrindo espaço à consolidação de uma comunidade de educadores já iniciada em http://eduscratch.dge.mec.pt/ (Projeto EduScratch – parceria entre a ERTE/DGE MEC, CCTIC daESE/IPS e SAPO Kids). É urgente desenvolver nas crianças e jovens a motivação para a criação antes da motivação para o consumo e promover uma utilização das TIC que coloque os alunos no centro da acão educativa inovando e recriando formas de aprender com elas e sobre elas e não perpetuando os modos de funcionar em sala de aula centrados no professor.

Objetivos

- Conhecer a ferramenta Scratch – princípios gerais de funcionamento - Dominar a utilização da ferramenta Scratch enquanto ambiente de programação para desenvolver projetos com animação de sprites, com sons e com recurso a variáveis. - Utilizar adequadamente os comandos e as estruturas de controlo da linguagem Scratch Reconhecer o potencial educativo do Scratch - Conceber situações de aprendizagem de natureza transversal para a sua área curricular em conexão com outras áreas.

Conteúdos

1. Contextualização e exploração da ferramenta Scratch 1.1 Breve história do Scratch (do MIT para Portugal). O projeto EduScratch e os recursos de apoio disponíveis online. 1.2 Apresentação e debate a partir de bons exemplos de projetos Scratch desenvolvidos em ambiente escolar e contextos educativos que os enquadraram. 1.3 Comandos da linguagem de programação Scratch: função e combinação na produção de blocos de programação (scripts) – Movimento, Aparência, Som, Caneta, Variáveis, Controlo, Operações, Sensores. 1.4 Outros elementos da ferramenta Scratch e sua utilização – Ciclos, Informação do “Sprite”, Editor de desenho. 1.5 Início do desenvolvimento de projetos Scratch que possam ser usados como Recursos Educativos Digitais (RED) e, posteriormente, desenvolvidos pelos próprios alunos em contexto de sala de aula. 2. O Scratch como ferramenta transversal ao currículo 2. 1 Potencialidades do Scratch nos processos de ensino/aprendizagem e estratégias de utilização educativa desta ferramenta em diferentes áreas curriculares, numa perspectiva transversal. 2.1.1 Desenvolvimento de competências transversais nos alunos, com recurso à exploração da ferramenta Scratch no contexto do Projeto Curricular de Turma. 2.1.2 Modelos de planificação/avaliação de situações de aprendizagem mais adequados (atividades com o Scratch em interação com outras ferramentas e com outras disciplinas). 2.2 Continuação do desenvolvimento de projetos Scratch que possam ser usados como Recursos Educativos Digitais (RED) e, posteriormente, desenvolvidos pelos próprios alunos em contexto de sala de aula. 3 – Cenários de aprendizagem, reflexão e partilha 3.1 Conceção de cenários de aprendizagem em diferentes contextos curriculares que promovem a articulação de conteúdos e a transversalidade das competências a desenvolver pelos alunos. 3.2 Partilha de reflexões e projetos desenvolvidos.

Metodologias

As sessões presenciais/síncronas são destinadas à exploração do SCRACHT e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração da ferramenta digital para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das competências digitais dos docente e, consequentemente, dos alunos. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se: - Assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o SCRACHT com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

A avaliação da atividade desenvolvida neste curso por cada formando é realizada de modo continuado pelo formador tendo como referência os objetivos da ação. Devem ser tomados em consideração os seguintes aspetos: - os trabalhos práticos e reflexões produzidos pelos formandos a partir das e nas sessões presenciais, de acordo com os critérios previamente estabelecidos (classificados na escala de 1 a 10, com a menção qualitativa de: 1 a 4,9 valores - Insuficiente 5 a 6,4 valores - Regular 6,5 a 7,9 valores - Bom 8 a 8,9 valores – Muito Bom 9 a 10 valores – Excelente Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos. Elaboração de relatório final por parte dos formandos.

Bibliografia

https://scratch.mit.edu/ http://eduscratch.dge.mec.pt/ https://caspae.pt/all-in-scratch/tutoriais-de-scratch/ Coding with scratch made easy - Carol Vorderman (Autor)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 28-02-2023 (Terça-feira) 18:15 - 21:15 3:00 Presencial
2 07-03-2023 (Terça-feira) 18:15 - 21:15 3:00 Presencial
3 14-03-2023 (Terça-feira) 18:15 - 21:15 3:00 Presencial
4 21-03-2023 (Terça-feira) 18:15 - 21:15 3:00 Presencial
5 28-03-2023 (Terça-feira) 18:15 - 21:15 3:00 Presencial

INSCREVER-ME
237

Scratch como recurso educativo

Oficina

 

30.0 horas

 

Presencial

 

Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico e Professores do Ensino Especial

Agrupamento de Escolas da Sertã

A ação só será desenvolvida com pelo menos 10 formandos.
Ler mais Ler menos

Ref. 15808 I T2 Inscrições abertas até 24-02-2023

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-116746/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 30.0 horas

Início: 01-03-2023

Fim: 29-03-2023

Regime: Presencial

Local: Agrupamento de Escolas da Sertã

Formador

Ilídio José Alves Naré Vicente

Destinatários

Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico e Professores do Ensino Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico e Professores do Ensino Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Razões

Existe a perceção generalizada de que os jovens parecem ser cada vez mais consumidores passivos pouco autónomos e menos motivados intrinsecamente para a aprendizagem em contexto escolar.A necessidade que gera o engenho a imaginação e a criatividade perdem-se para muitos ao longo do percurso escolar de 12 anos. Como consequência os alunos não desenvolvem competências denível superior que lhes permitam transformar-se em cidadãos críticos criadores e construtores. Promove o desenvolvimento da autonomia e da criatividade a competência de resolução de problemas desenvolvendo o raciocínio lógico e o sentido crítico bem como a capacidade de cooperação comoutros. É também fundamental a exploração construção e partilha de recursos para utilizar em sala de aula (criação de situações de aprendizagem) para que todas as experiências possam frutificar e sergeneralizadas abrindo espaço à consolidação de uma comunidade de educadores já iniciada em http://eduscratch.dge.mec.pt/ (Projeto EduScratch – parceria entre a ERTE/DGE MEC, CCTIC daESE/IPS e SAPO Kids). É urgente desenvolver nas crianças e jovens a motivação para a criação antes da motivação para o consumo e promover uma utilização das TIC que coloque os alunos no centro da acão educativa inovando e recriando formas de aprender com elas e sobre elas e não perpetuando os modos de funcionar em sala de aula centrados no professor.

Objetivos

- Conhecer a ferramenta Scratch – princípios gerais de funcionamento - Dominar a utilização da ferramenta Scratch enquanto ambiente de programação para desenvolver projetos com animação de sprites, com sons e com recurso a variáveis. - Utilizar adequadamente os comandos e as estruturas de controlo da linguagem Scratch Reconhecer o potencial educativo do Scratch - Conceber situações de aprendizagem de natureza transversal para a sua área curricular em conexão com outras áreas.

Conteúdos

1. Contextualização e exploração da ferramenta Scratch 1.1 Breve história do Scratch (do MIT para Portugal). O projeto EduScratch e os recursos de apoio disponíveis online. 1.2 Apresentação e debate a partir de bons exemplos de projetos Scratch desenvolvidos em ambiente escolar e contextos educativos que os enquadraram. 1.3 Comandos da linguagem de programação Scratch: função e combinação na produção de blocos de programação (scripts) – Movimento, Aparência, Som, Caneta, Variáveis, Controlo, Operações, Sensores. 1.4 Outros elementos da ferramenta Scratch e sua utilização – Ciclos, Informação do “Sprite”, Editor de desenho. 1.5 Início do desenvolvimento de projetos Scratch que possam ser usados como Recursos Educativos Digitais (RED) e, posteriormente, desenvolvidos pelos próprios alunos em contexto de sala de aula. 2. O Scratch como ferramenta transversal ao currículo 2. 1 Potencialidades do Scratch nos processos de ensino/aprendizagem e estratégias de utilização educativa desta ferramenta em diferentes áreas curriculares, numa perspectiva transversal. 2.1.1 Desenvolvimento de competências transversais nos alunos, com recurso à exploração da ferramenta Scratch no contexto do Projeto Curricular de Turma. 2.1.2 Modelos de planificação/avaliação de situações de aprendizagem mais adequados (atividades com o Scratch em interação com outras ferramentas e com outras disciplinas). 2.2 Continuação do desenvolvimento de projetos Scratch que possam ser usados como Recursos Educativos Digitais (RED) e, posteriormente, desenvolvidos pelos próprios alunos em contexto de sala de aula. 3 – Cenários de aprendizagem, reflexão e partilha 3.1 Conceção de cenários de aprendizagem em diferentes contextos curriculares que promovem a articulação de conteúdos e a transversalidade das competências a desenvolver pelos alunos. 3.2 Partilha de reflexões e projetos desenvolvidos.

Metodologias

As sessões presenciais/síncronas são destinadas à exploração do SCRACHT e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração da ferramenta digital para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das competências digitais dos docente e, consequentemente, dos alunos. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se: - Assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o SCRACHT com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

A avaliação da atividade desenvolvida neste curso por cada formando é realizada de modo continuado pelo formador tendo como referência os objetivos da ação. Devem ser tomados em consideração os seguintes aspetos: - os trabalhos práticos e reflexões produzidos pelos formandos a partir das e nas sessões presenciais, de acordo com os critérios previamente estabelecidos (classificados na escala de 1 a 10, com a menção qualitativa de: 1 a 4,9 valores - Insuficiente 5 a 6,4 valores - Regular 6,5 a 7,9 valores - Bom 8 a 8,9 valores – Muito Bom 9 a 10 valores – Excelente Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos. Elaboração de relatório final por parte dos formandos.

Bibliografia

https://scratch.mit.edu/ http://eduscratch.dge.mec.pt/ https://caspae.pt/all-in-scratch/tutoriais-de-scratch/ Coding with scratch made easy - Carol Vorderman (Autor)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 01-03-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 08-03-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
3 15-03-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
4 22-03-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
5 29-03-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial

INSCREVER-ME
238

eTwinning: do registo à elaboração de um projeto
Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico, Secundário e de Educação Especial

Curso

 

25.0 horas

 

Presencial

 

Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico, Secundário e de Educação Especial

A. E. Afonso de Paiva

A ação só será desenvolvida com um mínimo de 10 formandos. O desenvolvimento da ação está dependente do funcionamento da plataforma etwinning.
Ler mais Ler menos

Ref. 15909 I T1 Inscrições abertas até 24-02-2023

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-116685/22

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 02-03-2023

Fim: 04-05-2023

Regime: Presencial

Local: A. E. Afonso de Paiva

Formador

Carla Manuela Henriques Roque Nunes

Destinatários

Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico, Secundário e de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico, Secundário e de Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE AltoTejo

Razões

O eTwinning – a comunidade de escolas da Europa – surgiu em 2005, por iniciativa da Comissão Europeia, no âmbito do programa e-Learning da União Europeia, integrando-se atualmente no Programa Erasmus+. Esta comunidade tem por base um portal europeu online, www.etwinning.net, destinado a professores, diretores e bibliotecários, desde o ensino pré-escolar até ao secundário, do ensino público ou privado. Esta plataforma dá acesso a um espaço que lhes permite comunicar, colaborar, partilhar e desenvolver projetos com outros agentes educativos europeus, alargando, desta forma, a rede de aprendizagem europeia, através do recurso às tecnologias da informação e comunicação. O NSS português tem procurado apostar na formação dos professores no que respeita à metodologia de trabalho de projeto, tendo por base o eTwinning, e na utilização integrada das tecnologias de informação e comunicação (TIC) em contexto de sala de aula. Neste sentido, têm sido promovidas ações de formação em formato integralmente presencial, b-learning ou totalmente online. O eTwinning tem de preparar os alunos para as competências do século XXI e esse processo poderá passar pela concretização de projetos europeus que surjam integrados no currículo de diferentes disciplinas.

Objetivos

Explorar de forma integrada o eTwinning e as competências do século XXI Discutir e desenhar metodologias de trabalho em contexto de sala de aula que integrem os projetos Promover a utilização das TIC em contexto educativo para potenciar a utilização de dispositivos móveis na sala de aula enquanto meios promotores do desenvolvimento Adquirir conhecimentos que permitam formalizar e gerir projetos através da Plataforma Explorar as principais funcionalidades do espaço virtual no desenvolvimento de um projeto Conhecer exemplos de ferramentas da web 2.0 com virtualidades no desenvolvimento de projetos europeus Consciencializar para a importância do trabalho colaborativo na construção de aprendizagens significativas tanto numa dimensão multilingue como multicultural Promover a participação dos alunos e professores em atividades conjuntas com outras escolas contribuindo para a construção de uma verdadeira cidadania europeia Promover a igualdade de oportunidades a todos os jovens envolvidos no projeto

Conteúdos

Módulo 1: O projeto eTwinning e as competências do século XXI (3 horas) As competências do século XXI. A aprendizagem colaborativa. O eTwinning na base da aprendizagem colaborativa e das competências do século XXI. Módulo 2: Do registo do professor na plataforma eTwinning à elaboração de um projeto (6 horas) Registo no Portal eTwinning Funcionalidades do espaço pessoal eTwinning (eTwinning Live). Passos a seguir para estabelecer parcerias eTwinning. Pesquisa de professores/escolas para o desenvolvimento de projetos colaborativos. Planificação colaborativa de um projeto eTwinning. Módulo 3: Espaço de desenvolvimento do projeto: o TwinSpace (12 horas) Potencialidades do espaço onde se desenvolve o projeto eTwinning (TwinSpace). Ferramentas disponíveis no TwinSpace. Organização, gestão e dinamização do TwinSpace. Desenvolvimento do projeto eTwinning. Módulo 4: Da partilha à colaboração no eTwinning - as ferramentas da web 2.0 (4 horas) Exemplos de ferramentas da web 2.0 que podem ter utilidade no desenvolvimento de projetos eTwinning. Inclusão no TwinSpace dos produtos construídos com ferramentas da web 2.0.

Metodologias

Este curso, com um total de 25 horas presenciais, desenvolver-se-á em oito sessões presenciais tendo por suporte uma disciplina alocada no Classroom (GSUITE) de acordo com o seguinte formato: Duração Módulo 1 – 1 sessão presencial (3 horas); Módulo 2 – 2 sessões presenciais (2 x 3 horas); Módulo 3 – 4 sessões presenciais (4 X 3 horas); Módulo 4 – 1 sessão presencial (4 horas). Atividades – Intercalam a apresentação teórica de conteúdos com sugestões de leituras, vídeos, entre outros, e a realização de tarefas de caráter prático. Estas tarefas pressupõem a interação emfóruns, a exploração de recursos e do TwinSpace de treino, bem como a entrega de trabalhos. Trabalhos – Entregues e/ou registados em fóruns, no fim de cada módulo, num espaço específico da plataforma Moodle de acordo com os prazos estabelecidos no início do curso e divulgados nareferida plataforma. A conclusão do curso implica a obrigatoriedade de formalizar um projeto eTwinning, preferencialmente com uma escola estrangeira.

Avaliação

A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10, conforme o indicado no Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação continua. Realiza-se através do preenchimento de um questionário pelos formadores e pelos formandos. No final os formandos devem a apresentar o Relatório final.

Bibliografia

Tutoriais e vídeos disponibilizados em http://etwinning.mooc.dge.mec.pt Commission of the European Communities: Proposal for a Recommendation of the European Parliament and of the Council on key competencies for lifelong learning, Brussels, 10.11.2005. Crawley, C. e Gilleran, A. (Coord.) (2011). O livro de receitas eTwinning. Bruxelas: Serviço Central de Apoio eTwinning, European Schoolnet. Acedido em 20/09/2013 emhttp://files.eun.org/etwinning/cookbooks/PT_cookbook.pdf . Galvin, C. (2009). O eTwinning na sala de aula: uma mostra de boas práticas. Bruxelas: Serviço Central de Apoio eTwinning, European Schoolnet. Acedido em 20/09/2013.http://resources.eun.org/etwinning/80/PUBLICATION_eTwinning_in_the_classroom_EN.pdf . Gilleran, A. (2007). eTwinning – A New Path for European Schools. eLearning Papers, no.5. ISSN 1887-1542. Pedagogical Advisory Group (2006). Reflections on eTwinning: Pedagogical issues ineTwinning. Brussels. Bruxelas: eTwinning Central Support Service


Observações

A ação só será desenvolvida com um mínimo de 10 formandos. O início da ação está dependente do funcionamento da plataforma etwinning.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 02-03-2023 (Quinta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
2 09-03-2023 (Quinta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
3 23-03-2023 (Quinta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
4 30-03-2023 (Quinta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
5 20-04-2023 (Quinta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
6 27-04-2023 (Quinta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
7 04-05-2023 (Quinta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial

INSCREVER-ME
274

Práticas pedagógicas inclusivas em sala de aula
A ação só será desenvolvida com pelo menos 10 formandos. Castelo Branco

Curso

 

25.0 horas

 

e-learning

 

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

plataforma digital a disponibilizar

O enquadramento legal da educação inclusiva e as orientações sobre a recuperação das aprendizagens constituem um enorme desafio para novas práticas inclusivas em sala de aula, bem como novasmetodologias que promovam as aprendizagens de todos os alunos. Assim, há que criar ambientes seguros e estimulantes ...
Ler mais Ler menos

Ref. 18209/T01 Inscrições abertas até 28-02-2023

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-115758/22

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 04-03-2023

Fim: 29-04-2023

Regime: e-learning

Local: plataforma digital a disponibilizar

Formador

Maria José Sobreira Rafael

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE AltoTejo

Razões

O enquadramento legal da educação inclusiva e as orientações sobre a recuperação das aprendizagens constituem um enorme desafio para novas práticas inclusivas em sala de aula, bem como novasmetodologias que promovam as aprendizagens de todos os alunos. Assim, há que criar ambientes seguros e estimulantes nas escolas para que o diálogo, a reflexão e a partilha desbravem o caminhoe orientem todos os agentes educativos para as mudanças a realizar. Esta ação de formação procura contribuir para uma reflexão crítica sobre os desafios da diversidade, bem como apoiar a operacionalização de práticas pedagógicas ajustadas para que os alunos sejammelhores aprendentes e o professor melhor ensinante, definindo com maior acuidade as ações bem como as evidências a identificar em contexto de sala de aula. A presente ação insere-se no processo de concretização do Projeto Educação Inclusiva 21-23 e do plano integrado para a recuperação das aprendizagens dos alunos do ensino básico e secundário, Plano 21|23 Escola+.

Objetivos

Explorar os documentos legislativos (DL n.º 54/2018 e 55/2018, PASEO, Aprend. Essenciais) e de apoio à prática letiva de forma integrada, identificando implicações para a organização de práticaspedagógicas mais inclusivas Consolidar o conhecimento sobre os modelos de enquadramento à operacionalização da educação inclusiva nas suas características essenciais Planear com intencionalidade estratégica, organizando a dinâmica pedagógica, conciliando as aprendizagens a desenvolver e as características de todos alunos (Desenho Universal para a Aprendizagem) Aprofundar o conhecimento sobre metodologias e estratégias pedagógicas inclusivas e inovadoras Consolidar a implementação do ciclo: Avaliar–Planear–Agir– Rever para a inclusão Promover a avaliação como parte integrante da gestão inclusiva do currículo e instrumento ao serviço do ensino e das aprendizagens Reforçar competências de trabalho colaborativo, reflexivo e de resolução de problemas entre os profissionais

Conteúdos

Módulo 1 - Impacto das orientações de política educativa nas práticas pedagógicas • Exploração de documentos legislativos (DL n.º 54/2018, DL n.º 55/2018, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória e Aprendizagens Essenciais) de apoio à prática letiva de formaintegrada, destacando-se a reflexão e a análise de práticas sobre: o os valores e princípios de base humanista, onde o aluno assume a centralidade da ação; o a gestão inclusiva, integrada, flexível e articulada do currículo; o o recurso a modelos de intervenção e modelos pedagógicos de resposta à diversidade e de promoção de uma educação de qualidade para todos os alunos; o a valorização da avaliação como parte integrante da gestão do currículo e instrumento ao serviço do ensino e das aprendizagens; o a voz dos alunos e das suas famílias, aumentando os seus níveis de participação. Módulo 2 - Ambientes educativos inclusivos - opções metodológicas • Práticas de ensino e intervenção diferenciadas, em função do perfil de competências dos alunos. • Estratégias de antecipação da diversidade em sala de aula, com recurso a ambientes de aprendizagem flexíveis e centrados no aluno (Desenho Universal para a Aprendizagem). Módulo 3 – Gerir a diversidade em sala de aula • Gestão da diversidade em sala de aula atendendo à participação e aprendizagem efetivas de todos os alunos – partilha de práticas. • Mecanismos de planeamento e gestão curricular com caráter intencional e estratégico, que conciliem as aprendizagens a desenvolver e as características de todos alunos. Módulo 4 – Avaliação como processo regulador do ensino e da aprendizagem • Caráter contínuo e sistemático da avaliação, ao serviço das aprendizagens, enquanto processo regulador do ensino e das aprendizagens. • Planificação intencional da avaliação formativa tendo como objetivos melhorar os resultados das aprendizagens e ajustar o processo de ensino. • O feedback como uma das dimensões indispensáveis à aplicação prática da avaliação formativa na sala de aula.

Metodologias

Nesta formação, em regime de frequência e-learning, serão abordados os conteúdos recorrendo a metodologias ativas de ensino e de aprendizagem. Será privilegiado o trabalho em pequeno e grande grupo com momentos de reflexão e de discussão restrita e alargada. Nas sessões, devem ser definidos tempos de partilha e de reflexão em torno das experiências e das práticas dos formandos, devendo o formador ter um papel ativo na ligação das práticas às políticas educativas de inclusão. Os docentes devem ser desafiados à revisão das suas práticas pedagógicas de acordo com os referenciais normativos em vigor. Elaboração de trabalho/reflexão final individual em função dos interesses e preferências dos formandos.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado pelos formandos.

Bibliografia

DGE (2018), Para uma educação inclusiva: Manual de Apoio à Prática Disponível em https://www.dge.mec.pt/sites/default/files/EEspecial/manual_de_apoio_a_pratica.pdf Acesso 02/02/2022 Cosme, A., Lima L., Ferreira D., Ferreira N., Metodologias, métodos e situações de aprendizagem: propostas e estratégias de ação : ensino básico, ensino secundário,1ª ed. - Porto: Porto Editora, 2021. European Agency for Special Needs and Inclusive Education (2018), Key Actions for Raising Achievement, Guidance for Teachers and Leaders Disponível em https://www.european-agency.org/sites/default/files/Key%20Actions%20for%20Raising%20Achievement.pdf Acesso 02/02/2022 Fernandes, D. (2021). Para uma Fundamentação e Melhoria das Práticas de Avaliação Pedagógica no Âmbito do Projeto MAIA, Texto de Apoio à formação - Projeto de Monitorização,Acompanhamento e Investigação em Avaliação Pedagógica (MAIA). Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação. Acesso 02/02/2022 UNESCO (2022). REACHING OUT TO ALL LEARNERS: a resource pack for supporting inclusion and equity in education. Geneva: UNESCO – IBE. Disponível em:http://www.ibe.unesco.org/en/news/reaching-out-all-learners-resource-pack-supporting-inclusion-and-equity-education.


Observações

Demonstração das vantagens para os/as formandos/as no recurso ao regime de formação a distância Decorrente da situação pandémica vivida nos dois últimos anos e da convicção de que o potencial da formação de professores contribui para atuar como uma alavanca para a mudança no sistema de ensino, a Direção-Geral da Educação de forma a garantir o desenvolvimento do seu plano de formação, reorganizou esse mesmo plano de acordo com o estabelecido na Carta Circular CCPFC-1/2020, e subsequentes, passando assim a assegurar a frequência das ações de formação de “regime presencial” para “regime a distância”. A partir desta necessidade surgiram ambientes virtuais de ensino a distância, tendo-se verificado as seguintes vantagens: bom acolhimento por parte dos formandos, melhor gestão e rentabilização do tempo, redução de custos inerentes às suas deslocações, desenvolvimento de competências digitais, possibilidade de desenvolvimento de trabalho colaborativo/em grupo nas sessões síncronas, acesso aos conteúdos (documentos - texto, áudio, vídeo, etc.) e controlo do seu progresso e desempenho no LMS. Distribuição de horas Nº de horas online síncrono 25 Nº de horas online assíncrono Demonstração da existência de uma equipa técnico-pedagógica que assegure o manuseamento das ferramentas e procedimentos do formação a distância A Direção-Geral da Educação para além de possuir uma equipa técnica-pedagógica que assegura, recorrentemente, o manuseamento das ferramentas (MOODLE e ZOOM) e procedimentos da formação a distância, seleciona formadores que igualmente dominam a utilização das referidas ferramentas e procedimentos. Demonstração da implementação de um Sistema de Gestão da Aprendizagem / Learning Management System adequado As Plataformas MOODLE e ZOOM da DGE são utilizadas para assegurar a organização, implementação e acompanhamento das ações de formação promovidas por esta Direção-Geral. Demonstração da avaliação presencial (permitida a avaliação em videoconferência) A avaliação contínua: participação dos formandos, qualidade das intervenções. Avaliação final: Elaboração de trabalho/reflexão final individual em função dos interesses e preferências dos formandos. Permitida avaliação em videoconferência. Demonstração da distribuição da carga horária pelas diversas tarefas Módulo 1 - Impacto das orientações de política educativa nas práticas pedagógicas (4 horas – 2 sessões de 2 h) Módulo 2 - Ambientes educativos inclusivos - opções metodológicas (8 horas – 4 sessões de 2h) Módulo 3 – Gerir a diversidade em sala de aula (6 horas – 3 sessões de 2 h) Módulo 4 – Avaliação como processo regulador do ensino e da aprendizagem (7horas - 2 sessões de 2 h e uma de 3h)

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 04-03-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
2 11-03-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
3 18-03-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
4 25-03-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
5 22-04-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
6 29-04-2023 (Sábado) 09:30 - 12:30 3:00 Presencial
7 29-04-2023 (Sábado) 14:00 - 16:00 2:00 Presencial

INSCREVER-ME

274
275

Práticas pedagógicas inclusivas em sala de aula
A ação só será desenvolvida com pelo menos 10 formandos. Cronograma a disponibilizar em breve.

Curso

 

25.0 horas

 

e-learning

 

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

plataforma digital

O enquadramento legal da educação inclusiva e as orientações sobre a recuperação das aprendizagens constituem um enorme desafio para novas práticas inclusivas em sala de aula, bem como novasmetodologias que promovam as aprendizagens de todos os alunos. Assim, há que criar ambientes seguros e estimulantes ...
Ler mais Ler menos

Ref. 18209/T02 Inscrições abertas até 02-03-2023

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-115758/22

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 10-03-2023

Fim: 31-05-2023

Regime: e-learning

Local: plataforma digital

Formador

Maria de Lurdes Neves Batista Picado

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE AltoTejo

Razões

O enquadramento legal da educação inclusiva e as orientações sobre a recuperação das aprendizagens constituem um enorme desafio para novas práticas inclusivas em sala de aula, bem como novasmetodologias que promovam as aprendizagens de todos os alunos. Assim, há que criar ambientes seguros e estimulantes nas escolas para que o diálogo, a reflexão e a partilha desbravem o caminhoe orientem todos os agentes educativos para as mudanças a realizar. Esta ação de formação procura contribuir para uma reflexão crítica sobre os desafios da diversidade, bem como apoiar a operacionalização de práticas pedagógicas ajustadas para que os alunos sejammelhores aprendentes e o professor melhor ensinante, definindo com maior acuidade as ações bem como as evidências a identificar em contexto de sala de aula. A presente ação insere-se no processo de concretização do Projeto Educação Inclusiva 21-23 e do plano integrado para a recuperação das aprendizagens dos alunos do ensino básico e secundário, Plano 21|23 Escola+.

Objetivos

Explorar os documentos legislativos (DL n.º 54/2018 e 55/2018, PASEO, Aprend. Essenciais) e de apoio à prática letiva de forma integrada, identificando implicações para a organização de práticaspedagógicas mais inclusivas Consolidar o conhecimento sobre os modelos de enquadramento à operacionalização da educação inclusiva nas suas características essenciais Planear com intencionalidade estratégica, organizando a dinâmica pedagógica, conciliando as aprendizagens a desenvolver e as características de todos alunos (Desenho Universal para a Aprendizagem) Aprofundar o conhecimento sobre metodologias e estratégias pedagógicas inclusivas e inovadoras Consolidar a implementação do ciclo: Avaliar–Planear–Agir– Rever para a inclusão Promover a avaliação como parte integrante da gestão inclusiva do currículo e instrumento ao serviço do ensino e das aprendizagens Reforçar competências de trabalho colaborativo, reflexivo e de resolução de problemas entre os profissionais

Conteúdos

Módulo 1 - Impacto das orientações de política educativa nas práticas pedagógicas • Exploração de documentos legislativos (DL n.º 54/2018, DL n.º 55/2018, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória e Aprendizagens Essenciais) de apoio à prática letiva de formaintegrada, destacando-se a reflexão e a análise de práticas sobre: o os valores e princípios de base humanista, onde o aluno assume a centralidade da ação; o a gestão inclusiva, integrada, flexível e articulada do currículo; o o recurso a modelos de intervenção e modelos pedagógicos de resposta à diversidade e de promoção de uma educação de qualidade para todos os alunos; o a valorização da avaliação como parte integrante da gestão do currículo e instrumento ao serviço do ensino e das aprendizagens; o a voz dos alunos e das suas famílias, aumentando os seus níveis de participação. Módulo 2 - Ambientes educativos inclusivos - opções metodológicas • Práticas de ensino e intervenção diferenciadas, em função do perfil de competências dos alunos. • Estratégias de antecipação da diversidade em sala de aula, com recurso a ambientes de aprendizagem flexíveis e centrados no aluno (Desenho Universal para a Aprendizagem). Módulo 3 – Gerir a diversidade em sala de aula • Gestão da diversidade em sala de aula atendendo à participação e aprendizagem efetivas de todos os alunos – partilha de práticas. • Mecanismos de planeamento e gestão curricular com caráter intencional e estratégico, que conciliem as aprendizagens a desenvolver e as características de todos alunos. Módulo 4 – Avaliação como processo regulador do ensino e da aprendizagem • Caráter contínuo e sistemático da avaliação, ao serviço das aprendizagens, enquanto processo regulador do ensino e das aprendizagens. • Planificação intencional da avaliação formativa tendo como objetivos melhorar os resultados das aprendizagens e ajustar o processo de ensino. • O feedback como uma das dimensões indispensáveis à aplicação prática da avaliação formativa na sala de aula.

Metodologias

Nesta formação, em regime de frequência e-learning, serão abordados os conteúdos recorrendo a metodologias ativas de ensino e de aprendizagem. Será privilegiado o trabalho em pequeno e grande grupo com momentos de reflexão e de discussão restrita e alargada. Nas sessões, devem ser definidos tempos de partilha e de reflexão em torno das experiências e das práticas dos formandos, devendo o formador ter um papel ativo na ligação das práticas às políticas educativas de inclusão. Os docentes devem ser desafiados à revisão das suas práticas pedagógicas de acordo com os referenciais normativos em vigor. Elaboração de trabalho/reflexão final individual em função dos interesses e preferências dos formandos.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado pelos formandos.

Bibliografia

DGE (2018), Para uma educação inclusiva: Manual de Apoio à Prática Disponível em https://www.dge.mec.pt/sites/default/files/EEspecial/manual_de_apoio_a_pratica.pdf Acesso 02/02/2022 Cosme, A., Lima L., Ferreira D., Ferreira N., Metodologias, métodos e situações de aprendizagem: propostas e estratégias de ação : ensino básico, ensino secundário,1ª ed. - Porto: Porto Editora, 2021. European Agency for Special Needs and Inclusive Education (2018), Key Actions for Raising Achievement, Guidance for Teachers and Leaders Disponível em https://www.european-agency.org/sites/default/files/Key%20Actions%20for%20Raising%20Achievement.pdf Acesso 02/02/2022 Fernandes, D. (2021). Para uma Fundamentação e Melhoria das Práticas de Avaliação Pedagógica no Âmbito do Projeto MAIA, Texto de Apoio à formação - Projeto de Monitorização,Acompanhamento e Investigação em Avaliação Pedagógica (MAIA). Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação. Acesso 02/02/2022 UNESCO (2022). REACHING OUT TO ALL LEARNERS: a resource pack for supporting inclusion and equity in education. Geneva: UNESCO – IBE. Disponível em:http://www.ibe.unesco.org/en/news/reaching-out-all-learners-resource-pack-supporting-inclusion-and-equity-education.


Observações

Demonstração das vantagens para os/as formandos/as no recurso ao regime de formação a distância Decorrente da situação pandémica vivida nos dois últimos anos e da convicção de que o potencial da formação de professores contribui para atuar como uma alavanca para a mudança no sistema de ensino, a Direção-Geral da Educação de forma a garantir o desenvolvimento do seu plano de formação, reorganizou esse mesmo plano de acordo com o estabelecido na Carta Circular CCPFC-1/2020, e subsequentes, passando assim a assegurar a frequência das ações de formação de “regime presencial” para “regime a distância”. A partir desta necessidade surgiram ambientes virtuais de ensino a distância, tendo-se verificado as seguintes vantagens: bom acolhimento por parte dos formandos, melhor gestão e rentabilização do tempo, redução de custos inerentes às suas deslocações, desenvolvimento de competências digitais, possibilidade de desenvolvimento de trabalho colaborativo/em grupo nas sessões síncronas, acesso aos conteúdos (documentos - texto, áudio, vídeo, etc.) e controlo do seu progresso e desempenho no LMS. Distribuição de horas Nº de horas online síncrono 25 Nº de horas online assíncrono Demonstração da existência de uma equipa técnico-pedagógica que assegure o manuseamento das ferramentas e procedimentos do formação a distância A Direção-Geral da Educação para além de possuir uma equipa técnica-pedagógica que assegura, recorrentemente, o manuseamento das ferramentas (MOODLE e ZOOM) e procedimentos da formação a distância, seleciona formadores que igualmente dominam a utilização das referidas ferramentas e procedimentos. Demonstração da implementação de um Sistema de Gestão da Aprendizagem / Learning Management System adequado As Plataformas MOODLE e ZOOM da DGE são utilizadas para assegurar a organização, implementação e acompanhamento das ações de formação promovidas por esta Direção-Geral. Demonstração da avaliação presencial (permitida a avaliação em videoconferência) A avaliação contínua: participação dos formandos, qualidade das intervenções. Avaliação final: Elaboração de trabalho/reflexão final individual em função dos interesses e preferências dos formandos. Permitida avaliação em videoconferência. Demonstração da distribuição da carga horária pelas diversas tarefas Módulo 1 - Impacto das orientações de política educativa nas práticas pedagógicas (4 horas – 2 sessões de 2 h) Módulo 2 - Ambientes educativos inclusivos - opções metodológicas (8 horas – 4 sessões de 2h) Módulo 3 – Gerir a diversidade em sala de aula (6 horas – 3 sessões de 2 h) Módulo 4 – Avaliação como processo regulador do ensino e da aprendizagem (7horas - 2 sessões de 2 h e uma de 3h)

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 01-03-2023 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
2 03-03-2023 (Sexta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
3 08-03-2023 (Quarta-feira) 18:00 - 21:30 3:30 Online síncrona
4 15-03-2023 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
5 17-03-2023 (Sexta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
6 22-03-2023 (Quarta-feira) 18:00 - 21:30 3:30 Online síncrona
7 19-04-2023 (Quarta-feira) 18:00 - 21:59 3:59 Online síncrona
8 26-04-2023 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona

INSCREVER-ME

275
284

Psicologia e Coaching Desportivo na Educação Física
Apenas para docentes dos grupos de recrutamento 260 e 620

Oficina

 

40.0 horas

 

Presencial

 

Grupos 260 e 620

Castelo Branco

O foco em outcomes como o fitness, a saúde ou o desenvolvimento de competências não tem sido eficaz na criação de praticantes regulares de exercício físico. Sinal disso é o baixo índice de prática desportiva entre a população (cerca de 30%) e/ou os resultados na prova de Expressões Físico-Motoras (2017), ...
Ler mais Ler menos

Ref. 18818/T01_POCH Inscrições abertas até 14-04-2023

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-117249/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 40.0 horas

Início: 28-04-2023

Fim: 27-05-2023

Regime: Presencial

Local: Castelo Branco

Formador

Paulo Jorge Ferreira Gomes

Destinatários

Grupos 260 e 620

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Grupos 260 e 620. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Grupos 260 e 620.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE AltoTejo/POCH

Razões

O foco em outcomes como o fitness, a saúde ou o desenvolvimento de competências não tem sido eficaz na criação de praticantes regulares de exercício físico. Sinal disso é o baixo índice de prática desportiva entre a população (cerca de 30%) e/ou os resultados na prova de Expressões Físico-Motoras (2017), onde 1/3 dos alunos do 2º ano teve dificuldade em participar num jogo de grupo, e mais de40% não conseguiu saltar à corda ou dar uma cambalhota. Esta realidade desafia os professores de EF a procurar novas formas de intervir e ensinar. Uma alternativa ao foco utilitário é criar um foco orientado para a alegria, onde a EF é ensinada porque é agradável, dispõe bem e tem um significado pessoal. O coaching desportivo sublinha a relação pedagógica e enfatiza o papel do professor na motivação e na capacitação dos alunos, promovendo os níveis de autoeficácia e autoestima das crianças e jovens.

Objetivos

No final da formação, os professores deverão estar aptos a: - Compreender o que é a Psicologia e o Coaching Desportivos; - Motivar os alunos a alcançar objetivos pessoais e académicos; - Compreender as implicações dos motivos para a prática e abandono desportivos; - Dispor de estratégias de intervenção na formação desportiva e utilizar o desporto como facilitador do crescimento e desenvolvimentodos alunos; - Identificar objetivos de desempenho, resultado e de processo; - Desenvolver um clima motivacional orientado para a mestria e tarefa; - Identificar as fontes e manifestações da ansiedade e dominar técnicas para melhorar a regulação e a gestão emocionais; - Promover a Autoestima, Autoconfiança e as expetativas de Autoeficácia ; - Desenvolver a Comunicação Eficaz: Atitudes de Comunicação; Assertividade, Escuta ativa; Feedback.

Conteúdos

Módulo 1 –Psicologia do Desporto e Coaching Desportivo: Impacto e benefícios no ensino da EF (3 horas - Presencial) - O que é a Psicologia do Desporto e suas aplicações nas aulas de EF e no Desporto Escolar; - Introdução à metodologia de coaching desportivo; - Aplicação de um modelo de coaching no ensino e na relação com os alunos; - Perspetivas Psicossociológicas com a filosofia da Aula-Treino e do Professor-Coach. Módulo 2 - O desporto e a EF como facilitadores do crescimento e desenvolvimento (4 horas - Presencial) - Motivação e abandono na iniciação desportiva; - Implicações dos motivos para a prática e abandono; - Estratégias de intervenção na formação desportiva; - Promoção do desportivismo e do carácter através da prática desportiva. Módulo 3 - Competências Psicológicas do Professor/Coach (4 horas - Presencial) - Motivação; - Liderança; - Comunicação. Módulo 4 - Competências Psicológicas dos Alunos (4 horas - Presencial) - Motivação; - Regulação Emocional. Módulo 5 – Metodologia do Projeto Investigação-Ação (2 horas - Presencial) - Definição do método; - Vantagens e etapas de implementação; - Métodos de avaliação do projeto. Módulo 6 - Partilha dos projetos de Psicologia/ Coaching Desportivo implementados pelos professores (3 horas - Presencial) O trabalho autónomo (20 horas) deve ser realizado de forma a acompanhar os conteúdos e as temáticas formativas que são ministradas nas sessões presenciais. Cada docente, individualmente ou em pequenos grupos, partindo de uma situação concreta ocorrida em contexto de turma, deve definir um projeto de Investigação-Ação a implementar e, posteriormente, apresentá-lo numa sessão presencial. A implementação dos projetos dos professores será acompanhada do apoio e supervisão do formador, com recurso às novas tecnologias da informação: videochamada, por exemplo.

Metodologias

As sessões serão práticas e teórico-práticas com recurso aos métodos expositivo, interrogativo, demonstrativo e ativo: dinâmicas de grupo, trabalho colaborativo, debate, resolução de problemas e exercícios de Role Play. Será também utilizada uma metodologia baseada na Aprendizagem Experiencial, que visa a experiência de um processo de coaching centrado nas necessidades individuais de cada professor. O docentes serão colocados perante desafios com o intuito de os motivar para os temas, de os levar a experienciar diferentes situações e formas de as solucionar. Trabalho Autónomo: Este trabalho será desenvolvido numa perspetiva de Investigação-Ação. Os professores realizarão atividades em pequenos grupos(de 2 ou 3 elementos) ou individualmente. Partindo de uma situação em contexto de aula, os professores devem colocar em prática os conhecimentos e competências desenvolvidos nas sessões presenciais: devem ser eles a decidir quais os temas a trabalhar com os alunos e em que momentos o farão, adequando as atividades às necessidades. As opções metodológicas do formador e dos professores dependerão do tipo de estratégias a implementar.

Avaliação

Avaliação quantitativa na escala de 1 a 10 valores conforme a Circular nº 3/2007 do CCPFC. O referencial da escala deavaliação/classificação é o seguinte: Insuficiente (de 1 a 4,9 valores), Regular (de 5 a 6,4 valores), Bom (de 6,5 a 7,9 valores), MuitoBom (de 8 a 8,9 valores), e Excelente (de 9 a 10 valores). Os formandos serão avaliados sob o princípio da avaliação contínua, com base em: - Trabalhos realizados no decorrer das sessões; - Participação nas atividades, apresentações e partilha de conhecimentos e experiências; - Implementação do projeto; - Realização de um relatório de reflexão crítica no final da formação.

Bibliografia

Kraft, M.A., Blazar, D., & Hogan, D. (in press). The effect of teaching coaching on instruction and achievement: A meta-analysis of thecausal evidence. Review of Educational Research. Carvalho, M., Matos, M. G., & Anjos, M. H. (2018). Cognitive-Behavioural Coaching: Applications to Health and Personal DevelopmentContexts. EC Psychology and Psychiatry, 7 (3), 119-129. Weinberg, R. S., & Gould, D. (Eds.) (2015). Foundations of sport and exercise psychology. (6th ed.). Champaign, IL: Human Kinetics Cruz, J. F. (Ed). (1996). Manual de Psicologia do Desporto. Braga: SHO.


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 28-04-2023 (Sexta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 29-04-2023 (Sábado) 09:30 - 12:30 3:00 Presencial
3 29-04-2023 (Sábado) 14:00 - 17:00 3:00 Presencial
4 06-05-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
5 06-05-2023 (Sábado) 14:30 - 17:30 3:00 Presencial
6 27-05-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial

INSCREVER-ME

284
288

Inglês para Professores De Outras Disciplinas
A ação só será desenvolvida com pelo menos 10 formandos.

Curso

 

25.0 horas

 

Presencial

 

Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário

Proença a Nova

A construção de uma cidadania global assume-se como condição sine qua non para a vivência plena da condição humana, para a consciencialização de direitos, deveres e para a criação de novos espaços de participação. A educação para a era planetária inclui a sensibilização para a diversidade linguística e ...
Ler mais Ler menos

Ref. 18917/T2_POCH Inscrições abertas até 31-03-2023

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-116542/22

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 04-07-2023

Fim: 11-07-2023

Regime: Presencial

Local: Proença a Nova

Formador

Mário Jorge Ventura Catanas

Destinatários

Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE AltoTejo/POCH

Razões

A construção de uma cidadania global assume-se como condição sine qua non para a vivência plena da condição humana, para a consciencialização de direitos, deveres e para a criação de novos espaços de participação. A educação para a era planetária inclui a sensibilização para a diversidade linguística e cultural, devendo a escola cumprir a sua função de preparar os alunos para o exercício da cidadania. A Escola Secundária de Loulé tem vindo a integrar projetos educativos com escolas da União Europeia que se têm refletido positivamente em áreas de desempenho-chave da escola. Esta dinâmica tem cimentado nas estruturas de gestão de topo e intermédias o desejo de alargar o campo de ação a outras áreas e internacionalizar o seu projeto educativo. Associando este desejo à aglutinação das relações europeias entre escolas, através do Programa ERAMUS+, existe o propósito de sustentar o trabalho docente para a construção de parcerias entre escolas, empresas e entidades europeias. Assim, há que dotar os professores de outras disciplinas, comas ferramentas necessárias para comunicar e trabalhar com pares e alunos, através da língua inglesa, desenvolvendo projetos europeus nesta língua franca. Este curso parte de uma abordagem pedagógica plural, transversal às várias disciplinas, para desenvolver competências plurilingues e interculturais que potenciem o reconhecimento, a valorização e o desenvolvimento dos repertórios linguístico-comunicativos e didáticos de alunos e professores.

Objetivos

- Dotar os professores de ferramentas necessárias a uma cultura de sensibilização à diversidade linguística e cultural; - Promover, junto dos professores, a aquisição de competências plurilingue dos alunos, que estimulem uma educação plurilingue eintercultural; - Fomentar a produção, utilizando a língua inglesa, de instrumentos de trabalho e de planos de intervenção, visando uma maior eficáciadas funções exercidas; - Ampliar a motivação e a predisposição dos professores das várias disciplinas para a implementação de projetos colaborativos em que oInglês é a língua de trabalho; - Munir os docentes/formandos de algum vocabulário técnico de uso corrente destinado à situação de ensino-aprendizagem, em Inglês; - Favorecer a renovação conceptual, no âmbito da valorização plurilingue, e o desenvolvimento de atitudes facilitadoras da regulação dosprocessos de autoformação.

Conteúdos

Módulo I - 2 horas 1.1. Apresentação do Curso de Formação e organização do trabalho - Perfil pessoal e profissional dos participantes; - Apresentação da metodologia do trabalho; - Caracterização das práticas pedagógicas do grupo de formandos. Duração Horas presenciais : 25 Nº de horas acreditadas: 25 Cód. Dest. 17 Descrição Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário DCP Descrição 1.2. Paradigmas e práticas da Educação Intercultural - Educação plurilingue, literacia científica e educação para a cidadania; - O papel da aprendizagem do Inglês no currículo do Ensino Secundário. 1.3. Inteligências Múltiplas; - As vantagens para o ensino-aprendizagem da aplicação dos estudos em neurociência à prática letiva. Módulo II - 15 horas 2.1. Inglês Funcional - Inglês básico para comunicação; - Variedades mais comuns; - Ferramentas adequadas ao desenvolvimento da auto-aprendizagem da língua inglesa; - Inglês para utilização no dia-a-dia em sala de aula; - Inglês útil para os alunos; - Exemplos práticos de utilização da língua inglesa na situação de ensino-aprendizagem de outras disciplinas. Módulo III – 4 horas 3.1. CLIL - Aprendizagem Integrada de Conteúdo e Língua (CLIL); - Exploração de recursos CLIL (filmes, fichas, organizadores visuais); 3.2. Planificação de aulas em Inglês - Formulários (planificações); - Vocabulário e glossários de termos (por disciplina); - Seleção, adaptação e criação de materiais; 3.3. Atividades e instrumentos - Tarefas e atividades em Inglês; - Instrumentos de planeamento, registo e avaliação. Módulo V - 4 horas 4. Apresentação de trabalhos e avaliação do Curso de Formação.

Metodologias

Neste Curso de Formação adotar-se-ão metodologias teórico-práticas, potenciadoras de reflexão e de debate, que promovam aaquisição de conhecimentos, no âmbito do saber e do saber fazer, a partir da prática profissional e da metodologia CLIL, dando-seespecial ênfase à construção de materiais didáticos. O curso incluirá as seguintes componentes sequenciais: Sessão 1 - Teórica/Prática – presencial (2h) Sessões 2 a 6 - Teórico-práticas – presenciais (19h) Sessão 7 - Prática – presencial (4h) Cada sessão terá como ponto de partida uma agenda definida pelos conteúdos expressos que, conjugada com a experiência profissionaldos formandos, potenciará a planificação e a lecionação de aulas, usando para o efeito a língua inglesa. A última sessão será destinada à apresentação, análise e discussão das atividades desenvolvidas em trabalho de grupo (planificação de uma aula); à integração dos vários saberes construídos e à partilha de materiais.

Avaliação

Neste Curso de Formação adotar-se-ão metodologias teórico-práticas, potenciadoras de reflexão e de debate, que promovam a aquisição de conhecimentos, no âmbito do saber e do saber fazer, a partir da prática profissional e da metodologia CLIL, dando-se especial ênfase à construção de materiais didáticos. O curso incluirá as seguintes componentes sequenciais: Sessão 1 - Teórica/Prática – presencial (2h) Sessões 2 a 6 - Teórico-práticas – presenciais (19h) Sessão 7 - Prática – presencial (4h) Cada sessão terá como ponto de partida uma agenda definida pelos conteúdos expressos que, conjugada com a experiência profissional dos formandos, potenciará a planificação e a lecionação de aulas, usando para o efeito a língua inglesa. A última sessão será destinada à apresentação, análise e discussão das atividades desenvolvidas em trabalho de grupo (planificação de uma aula); à integração dos vários saberes construídos e à partilha de materiais. Regime de avaliação dos formandos A avaliação será contínua e formativa, através da valorização dos trabalhos desenvolvidos ao longo das sessões. No final do curso de formação, os formandos deverão realizar: - Uma pequena reflexão individual sobre o trabalho desenvolvido e as implicações do curso na sua prática letiva e na sua intervenção educativa (c. 3 páginas); - Apresentação por escrito, em suporte digital, e oralmente ao grupo-turma, da planificação de uma aula ou unidade, sobre conteúdos da(s) disciplina(s) lecionada(s), em inglês com as respetivas estratégias e recursos. A avaliação dos formandos basear-se-á na análise – quantitativa e qualitativa – da participação nas sessões, das tarefas diversas realizadas ao longo das mesmas, em regime presencial e autónomo, e do trabalho escrito que será apresentado na última sessão da ação. A avaliação final a atribuir aos formandos terá em conta os seguintes parâmetros e critérios de classificação: pontualidade, partilha de conhecimentos e participação nas sessões (30%); reflexão crítica (20%); trabalho escrito/oral apresentado na última sessão (50%).

Bibliografia

Andrade, A. I.; Espinha, A. (2009). Línguas e Educação: uma comunidade de desenvolvimento profissional em construção? (Livro deresumos). Aveiro: Universidade de Aveiro. Araújo, M. H.; Páscoa, T. (2002). Entre Línguas e Culturas: uma abordagem da competência de comunicação intercultural em contextoescolar. In Actas do colóquio: A Comunicação entre Culturas. Portugal: ADECI / Grupo Sietaz Byram, M. (2008). From Foreign Language Education to Education for Intercultural Citizenship: Essays and Reflections: MultilingualMatters Coyle, D.; Hood, P.; Marsh, D. (2010). Content and Language Integrated Learning. Cambridge University Press, Cambridge Deller, S.; Price, C. (2007). Teaching Other Subjects Through English. Oxford University Press, Oxford


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 04-07-2023 (Terça-feira) 09:00 - 12:30 3:30 Presencial
2 04-07-2023 (Terça-feira) 14:00 - 17:30 3:30 Presencial
3 06-07-2023 (Quinta-feira) 09:00 - 12:30 3:30 Presencial
4 06-07-2023 (Quinta-feira) 14:00 - 17:30 3:30 Presencial
5 10-07-2023 (Segunda-feira) 09:00 - 12:30 3:30 Presencial
6 10-07-2023 (Segunda-feira) 14:00 - 17:30 3:30 Presencial
7 11-07-2023 (Terça-feira) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial

INSCREVER-ME

288
290

Criação de ambientes de aprendizagem inclusivos e inovadores
A ação só será desenvolvida com pelo menos 10 formandos. Cronograma a disponibilizar oportunamente.

Oficina

 

50.0 horas

 

b-learning

 

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Castelo Branco

Razões justificativas da ação e a sua inserção no plano de atividades da entidade proponente O enquadramento legal da educação inclusiva e as orientações sobre a recuperação das aprendizagens constituem um enorme desafio para novas/os práticas pedagógicas, interfaces comunicativas, fundamentos humanistas ...
Ler mais Ler menos

Ref. 19311/T01 POCH Inscrições abertas até 31-08-2023

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-115754/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 01-09-2023

Fim: 30-11-2023

Regime: b-learning

Local: Castelo Branco

Formador

Maria José Sobreira Rafael

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE AltoTejo/POCH

Razões

Razões justificativas da ação e a sua inserção no plano de atividades da entidade proponente O enquadramento legal da educação inclusiva e as orientações sobre a recuperação das aprendizagens constituem um enorme desafio para novas/os práticas pedagógicas, interfaces comunicativas, fundamentos humanistas em que todos são parte do sistema e desenvolvem um diálogo igualitário, um pensamento e uma consciência próprios. Assim, há que criar ambientes seguros e estimulantes nas escolas para que o diálogo, a reflexão e a partilha orientem os agentes educativos para a inclusão. Esta formação procura apoiar a operacionalização de práticas pedagógicas inclusivas para que os alunos sejam melhores aprendentes e o professor melhor ensinante, definindo com maior acuidade as ações bem como as evidências a identificar em contexto de sala de aula. A presente ação insere-se no processo de concretização do Projeto Educação Inclusiva 21-23 e do plano integrado para a recuperação das aprendizagens dos alunos do ensino básico e secundário, Plano 21|23 Escola+.

Objetivos

• Explorar os documentos legislativos (Decreto- Lei n.º 54/2018, Decreto-Lei n.º 55/2018, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Aprendizagens Essenciais) e de apoio à prática letiva deforma integrada, identificando implicações para a organização de práticas mais inclusivas • Aplicar colaborativamente os princípios subjacentes ao desenho universal para a aprendizagem e à abordagem multinível • Planear com intencionalidade estratégica, organizando a dinâmica pedagógica, conciliando as aprendizagens a desenvolver e a diversidade de todos alunos • Conceber instrumentos de suporte à recolha de informação que contribuam para a tomada de decisão. • Consolidar a implementação do ciclo: Avaliar – Planear – Agir - Rever • Produzir e aplicar em contexto de sala de aula instrumentos de avaliação e planificação das aprendizagens • Partilhar experiências facilitadoras do um processo ensino-aprendizagem inclusivo • Explorar colaborativamente práticas educativas inovadoras

Conteúdos

Módulo 1. Impacto das orientações de política educativa nas práticas pedagógicas • Exploração integrada dos documentos de política educativa (Decreto- Lei n.º 54/2018, Decreto-Lei n.º 55/2018, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Aprendizagens Essenciais) Módulo 2. Ambientes educativos inclusivos - opções metodológicas • Práticas de ensino e intervenção diferenciadas, em função do perfil de competências dos alunos • Estratégias de antecipação da diversidade em sala de aula, com recurso a ambientes de aprendizagem flexíveis e centrados no aluno (DUA) Módulo 3. Valorização da diversidade em sala de aula – criação e partilha de recursos • Mecanismos de planeamento e gestão curricular com caráter intencional e estratégico • O que ensinar e porquê, como, quando, com que prioridades, com que meios, com que organização e com que resultados: exercícios práticos Módulo 4. Avaliação formativa enquanto processo regulador do ensino e da aprendizagem • Planificação intencional da avaliação formativa tendo como objetivos melhorar os resultados das aprendizagens e ajustar o processo de ensino

Metodologias

Presencial A metodologia de formação é de cariz teórico-prática, propondo-se dinâmicas que visam encorajar o envolvimentodos participantes em atividades de aprendizagem, partilha e reflexão sobre a temática, com vista à otimização econcretização dos objetivos propostos para esta ação de formação, em regime de frequência b-learning,nomeadamente: - Apresentação de conteúdos e conceitos; - Partilha de experiências; - Trabalho(s) de grupo; - Reflexão e debate de ideias; Trabalho Autónomo No desenvolvimento do trabalho autónomo pretende-se que os formandos apliquem instrumentos e conhecimentos adquiridos, no âmbito da formação, em contexto escola/sala de aula, tendo presente o ciclo: avaliar o contexto, planear, aplicar, rever, ajustar.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado pelos formandos.

Bibliografia

DGE (2018), Para uma educação inclusiva: Manual de Apoio à Prática https://www.dge.mec.pt/sites/default/files/EEspecial/manual_de_apoio_a_pratica.pdf Acesso 02/02/2022 Cosme, A., Lima L., Ferreira D., Ferreira N. (2021), Metodologias, métodos e situações de aprendizagem: propostas e estratégias de ação : ensino básico, ensino secundário,1ª ed. - Porto: PortoEditora. European Agency for Special Needs and Inclusive Education (2018), Key Actions for Raising Achievement, Guidance for Teachers and Leaders • Disponível em https://www.european-agency.org/sites/default/files/Key%20Actions%20for%20Raising%20Achievement.pdf Acesso 02/02/2022 Fernandes, D. (2021). Para uma Fundamentação e Melhoria das Práticas de Avaliação Pedagógica no Âmbito do Projeto MAIA, Texto de Apoio à formação - Projeto de Monitorização,Acompanhamento e Investigação em Avaliação Pedagógica (MAIA). Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação. Acesso 02/02/2022 UNESCO (2022). REACHING OUT TO ALL LEARNERS: a resource pack for supporting inclusion and equity in education. Geneva: UNESCO – IBE. Disponível em:http://www.ibe.unesco.org/en/news/reaching-out-all-learners-resource-pack-supporting-inclusion-and-equity-education Acesso em 02/02/2022


Observações

Distribuição de horas 10 Nº de horas online síncrono 15 Demonstração da existência de uma equipa técnico-pedagógica que assegure o manuseamento das ferramentas e procedimentos do formação a distância A Direção-Geral da Educação para além de possuir uma equipa técnica-pedagógica que assegura, recorrentemente, o manuseamento das ferramentas (MOODLE e ZOOM) e procedimentos daformação a distância, seleciona formadores que igualmente dominam a utilização das referidas ferramentas e procedimentos. Demonstração da implementação de um Sistema de Gestão da Aprendizagem / Learning Management System adequado As Plataformas MOODLE e ZOOM da DGE são utilizadas para assegurar a organização, implementação e acompanhamento das ações de formação promovidas por esta Direção-Geral. Demonstração da avaliação presencial (permitida a avaliação em videoconferência) Como indicado no ponto 14 do presente formulário a avaliação, designadamente no que se refere à apresentação dos trabalhos finais da formação, será presencial e em contexto turma. Demonstração da distribuição da carga horária pelas diversas tarefas Sessão 1 (presencial)- Impacto das orientações de política educativa nas práticas pedagógicas (5h) Enquadramento teórico Desenvolvimento de atividades práticas Reflexão crítica Sessão 2 e 3 (on-line síncronas) - Ambientes educativos inclusivos - opções metodológicas (5h- 2 sessões de 2h30 cada) Enquadramento teórico Desenvolvimento de atividades práticas Reflexão crítica Sessão 4 e 5 (on-line síncronas) - Valorização da diversidade em sala de aula – criação e partilha de recursos (5h- 2 sessões de 2h30 cada) Enquadramento teórico Desenvolvimento de atividades práticas Reflexão crítica Sessão 6 e 7 (on-line síncronas) - Avaliação formativa enquanto processo regulador do ensino e da aprendizagem (5h- 2 sessões de 2h30 cada) Enquadramento teórico - Desenvolvimento de atividades práticas Reflexão crítica Sessão 8 (presencial)- Apresentação de relatórios individuais desenvolvidos durante o trabalho autónomo e reflexão critica sobre os mesmos(5H) Sessões presenciais conjuntas: 2 sessões – 10 horas: primeira sessão (5 h) e última sessão (5h – apresentação dos trabalhos finais da formação) Sessões online síncronas: 6 ( 15H- 2h30 cada sessão) Trabalho autónomo: 25 horas


INSCREVER-ME

290
291

Criação de ambientes de aprendizagem inclusivos e inovadores
A ação só será desenvolvida com pelo menos 10 formandos. Cronograma a disponibilizar oportunamente.

Oficina

 

50.0 horas

 

b-learning

 

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Proença a Nova

Razões justificativas da ação e a sua inserção no plano de atividades da entidade proponente O enquadramento legal da educação inclusiva e as orientações sobre a recuperação das aprendizagens constituem um enorme desafio para novas/os práticas pedagógicas, interfaces comunicativas, fundamentos humanistas ...
Ler mais Ler menos

Ref. 19311/T02 POCH Inscrições abertas até 31-08-2023

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-115754/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 01-09-2023

Fim: 30-11-2023

Regime: b-learning

Local: Proença a Nova

Formador

Maria de Lurdes Neves Batista Picado

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE AltoTejo/POCH

Razões

Razões justificativas da ação e a sua inserção no plano de atividades da entidade proponente O enquadramento legal da educação inclusiva e as orientações sobre a recuperação das aprendizagens constituem um enorme desafio para novas/os práticas pedagógicas, interfaces comunicativas, fundamentos humanistas em que todos são parte do sistema e desenvolvem um diálogo igualitário, um pensamento e uma consciência próprios. Assim, há que criar ambientes seguros e estimulantes nas escolas para que o diálogo, a reflexão e a partilha orientem os agentes educativos para a inclusão. Esta formação procura apoiar a operacionalização de práticas pedagógicas inclusivas para que os alunos sejam melhores aprendentes e o professor melhor ensinante, definindo com maior acuidade as ações bem como as evidências a identificar em contexto de sala de aula. A presente ação insere-se no processo de concretização do Projeto Educação Inclusiva 21-23 e do plano integrado para a recuperação das aprendizagens dos alunos do ensino básico e secundário, Plano 21|23 Escola+.

Objetivos

• Explorar os documentos legislativos (Decreto- Lei n.º 54/2018, Decreto-Lei n.º 55/2018, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Aprendizagens Essenciais) e de apoio à prática letiva deforma integrada, identificando implicações para a organização de práticas mais inclusivas • Aplicar colaborativamente os princípios subjacentes ao desenho universal para a aprendizagem e à abordagem multinível • Planear com intencionalidade estratégica, organizando a dinâmica pedagógica, conciliando as aprendizagens a desenvolver e a diversidade de todos alunos • Conceber instrumentos de suporte à recolha de informação que contribuam para a tomada de decisão. • Consolidar a implementação do ciclo: Avaliar – Planear – Agir - Rever • Produzir e aplicar em contexto de sala de aula instrumentos de avaliação e planificação das aprendizagens • Partilhar experiências facilitadoras do um processo ensino-aprendizagem inclusivo • Explorar colaborativamente práticas educativas inovadoras

Conteúdos

Módulo 1. Impacto das orientações de política educativa nas práticas pedagógicas • Exploração integrada dos documentos de política educativa (Decreto- Lei n.º 54/2018, Decreto-Lei n.º 55/2018, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Aprendizagens Essenciais) Módulo 2. Ambientes educativos inclusivos - opções metodológicas • Práticas de ensino e intervenção diferenciadas, em função do perfil de competências dos alunos • Estratégias de antecipação da diversidade em sala de aula, com recurso a ambientes de aprendizagem flexíveis e centrados no aluno (DUA) Módulo 3. Valorização da diversidade em sala de aula – criação e partilha de recursos • Mecanismos de planeamento e gestão curricular com caráter intencional e estratégico • O que ensinar e porquê, como, quando, com que prioridades, com que meios, com que organização e com que resultados: exercícios práticos Módulo 4. Avaliação formativa enquanto processo regulador do ensino e da aprendizagem • Planificação intencional da avaliação formativa tendo como objetivos melhorar os resultados das aprendizagens e ajustar o processo de ensino

Metodologias

Presencial A metodologia de formação é de cariz teórico-prática, propondo-se dinâmicas que visam encorajar o envolvimentodos participantes em atividades de aprendizagem, partilha e reflexão sobre a temática, com vista à otimização econcretização dos objetivos propostos para esta ação de formação, em regime de frequência b-learning,nomeadamente: - Apresentação de conteúdos e conceitos; - Partilha de experiências; - Trabalho(s) de grupo; - Reflexão e debate de ideias; Trabalho Autónomo No desenvolvimento do trabalho autónomo pretende-se que os formandos apliquem instrumentos e conhecimentos adquiridos, no âmbito da formação, em contexto escola/sala de aula, tendo presente o ciclo: avaliar o contexto, planear, aplicar, rever, ajustar.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado pelos formandos.

Bibliografia

DGE (2018), Para uma educação inclusiva: Manual de Apoio à Prática https://www.dge.mec.pt/sites/default/files/EEspecial/manual_de_apoio_a_pratica.pdf Acesso 02/02/2022 Cosme, A., Lima L., Ferreira D., Ferreira N. (2021), Metodologias, métodos e situações de aprendizagem: propostas e estratégias de ação : ensino básico, ensino secundário,1ª ed. - Porto: PortoEditora. European Agency for Special Needs and Inclusive Education (2018), Key Actions for Raising Achievement, Guidance for Teachers and Leaders • Disponível em https://www.european-agency.org/sites/default/files/Key%20Actions%20for%20Raising%20Achievement.pdf Acesso 02/02/2022 Fernandes, D. (2021). Para uma Fundamentação e Melhoria das Práticas de Avaliação Pedagógica no Âmbito do Projeto MAIA, Texto de Apoio à formação - Projeto de Monitorização,Acompanhamento e Investigação em Avaliação Pedagógica (MAIA). Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação. Acesso 02/02/2022 UNESCO (2022). REACHING OUT TO ALL LEARNERS: a resource pack for supporting inclusion and equity in education. Geneva: UNESCO – IBE. Disponível em:http://www.ibe.unesco.org/en/news/reaching-out-all-learners-resource-pack-supporting-inclusion-and-equity-education Acesso em 02/02/2022


Observações

Distribuição de horas 10 Nº de horas online síncrono 15 Demonstração da existência de uma equipa técnico-pedagógica que assegure o manuseamento das ferramentas e procedimentos do formação a distância A Direção-Geral da Educação para além de possuir uma equipa técnica-pedagógica que assegura, recorrentemente, o manuseamento das ferramentas (MOODLE e ZOOM) e procedimentos daformação a distância, seleciona formadores que igualmente dominam a utilização das referidas ferramentas e procedimentos. Demonstração da implementação de um Sistema de Gestão da Aprendizagem / Learning Management System adequado As Plataformas MOODLE e ZOOM da DGE são utilizadas para assegurar a organização, implementação e acompanhamento das ações de formação promovidas por esta Direção-Geral. Demonstração da avaliação presencial (permitida a avaliação em videoconferência) Como indicado no ponto 14 do presente formulário a avaliação, designadamente no que se refere à apresentação dos trabalhos finais da formação, será presencial e em contexto turma. Demonstração da distribuição da carga horária pelas diversas tarefas Sessão 1 (presencial)- Impacto das orientações de política educativa nas práticas pedagógicas (5h) Enquadramento teórico Desenvolvimento de atividades práticas Reflexão crítica Sessão 2 e 3 (on-line síncronas) - Ambientes educativos inclusivos - opções metodológicas (5h- 2 sessões de 2h30 cada) Enquadramento teórico Desenvolvimento de atividades práticas Reflexão crítica Sessão 4 e 5 (on-line síncronas) - Valorização da diversidade em sala de aula – criação e partilha de recursos (5h- 2 sessões de 2h30 cada) Enquadramento teórico Desenvolvimento de atividades práticas Reflexão crítica Sessão 6 e 7 (on-line síncronas) - Avaliação formativa enquanto processo regulador do ensino e da aprendizagem (5h- 2 sessões de 2h30 cada) Enquadramento teórico - Desenvolvimento de atividades práticas Reflexão crítica Sessão 8 (presencial)- Apresentação de relatórios individuais desenvolvidos durante o trabalho autónomo e reflexão critica sobre os mesmos(5H) Sessões presenciais conjuntas: 2 sessões – 10 horas: primeira sessão (5 h) e última sessão (5h – apresentação dos trabalhos finais da formação) Sessões online síncronas: 6 ( 15H- 2h30 cada sessão) Trabalho autónomo: 25 horas


INSCREVER-ME

291